aCONTECIMENTOS eclesiais

COMENTÁRIO

 

 

CRISE ECONÓMICA

 

A crise económica a nível europeu e mundial começa a alarmar muita gente.

Primeiro, surgiu o problema com bancos americanos e europeus a criar grave instabilidade. Depois, a subida do preço do petróleo, a provocar protestos em muitos sectores e a arrastar consigo a subida dos produtos alimentares.

 

Tudo isto pode fazer pensar muita gente.

O dinheiro, a fortuna material tornou-se o deus de muitos europeus, mas é um deus que não dá segurança a ninguém.

A Europa deixou-se materializar, perdeu muitos dos valores espirituais, pensando que a prosperidade económica era a salvação para todos.

Afinal, tudo se pode desfazer rapidamente, criando convulsões imprevisíveis.

Oxalá que os responsáveis pelos governos saibam arrepiar caminho. Como João Paulo II chamou repetidas vezes a atenção, a Europa tem de revitalizar as suas raízes cristãs, sob pena de se tornar uma árvore que secou.

Bento XVI tem uma vez e outra alertado para essa urgência. Se os valores cristãos forem esquecidos a civilização ocidental fica vazia.

 

Saber gastar

 

Esta crise económica está a lançar muitas famílias numa situação desesperada.

A publicidade agressiva e enganadora, a vaidade de não querer ficar atrás dos outros, a ambição descontrolada leva muitas pessoas a comprar o que não precisam ou sem meios para poder pagar.

Hoje, as famílias têm de saber controlar as despesas, aprender a economizar, ensinar os filhos desde pequenos a renunciar a caprichos que apenas os prejudicam.

É muito importante que crianças e jovem saibam que o dinheiro custa a ganhar. Que aprendam a amealhar, a fugir de vaidades tolas de roupas de moda, de motas ou carros para ostentar vaidades...

Saber gastar é pensar nos outros que precisam de ajuda, dar-lhes tempo e compartilhar com eles os bens que possuimos.

O homem vale, não pelo que tem, mas pelo que é, pelas acções que faz.

Neste mundo em que vivemos, acentua-se mais a diferença entre os que têm muito e os que não têm nada.

 

Procurar o mais importante

 

Os pais têm de saber dar aos seus filhos tempo em vez de brinquedos, uma séria formação humana e espiritual em vez de coisas materiais que se podem perder.

Muitas famílias descuidaram a formação dos seus filhos.

Não têm tempo para os ensinar a rezar, a conhecer a Jesus. Não vão com eles à Missa. Não os corrigem a tempo e horas. Deixam que os filhos sejam indisciplinados e egoístas, criando graves problemas para os professores, catequistas e educadores. 

É preciso que os valores voltem a ser norma das famílias e das escolas. 

O Estado não pode preocupar-se só com instruir. Tem de procurar a educação da juventude de acordo com os valores humanos e espirituais, que fazem parte da civilização europeia.

 

Celestino Ferreira

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial