aCONTECIMENTOS eclesiais

JORNADAS MUNDIAIS DA JUVENTUDE 2023

 

 

JMJ:

Vaticano desafia dioceses a confiar nos jovens para promover «festa da fé»

 

O Vaticano apresentou novas orientações pastorais para celebrar a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), a nível diocesano, desafiando as comunidades católicas a apostar nos jovens.

“É necessário ter a coragem de envolver e confiar papéis ativos aos jovens, tanto aqueles que vêm das diferentes realidades pastorais presentes na diocese quanto aqueles que não pertencem a nenhuma comunidade, grupo de jovens, associação ou movimento”, refere o texto, divulgado em conferência de imprensa.

As novas orientações, aprovadas pelo Papa, foram elaboradas pelo Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida (Santa Sé), cujo prefeito é o cardeal norte-americano Kevin Farrell.

“É necessário fazer com que as jovens gerações percebam que estão no centro da atenção e da solicitude pastoral da Igreja”, aponta o documento.

O Vaticano pede que esta jornada seja uma “festa da fé”, que adapte de “forma criativa” a realização a nível internacional, que acontece geralmente com cadência trienal, num país diferente, com a presença do Papa.

A celebração diocesana passa a decorrer a partir deste ano, por decisão do Papa, na solenidade de Cristo-Rei, que encerra o ano litúrgico no calendário católico, em vez do Domingo de Ramos.

O Vaticano assinala que a JMJ deve ser parte de um “caminho pastoral mais amplo”, que gere “impulso missionário” e uma “festa da fé”, desejando que a mesma conte com a presença do bispo local, num “grande sinal de amor e de proximidade” aos jovens.

As orientações destacam a reflexão da Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos de 2018, sobre o tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, sobre a JMJ, apresentada como experiência de Igreja” e uma “experiência de peregrinação”.

O Vaticano deseja que a celebração diocesana com os jovens seja uma “ocasião de discernimento vocacional” e um “chamamento à santidade”, propondo escolhas de vida “exigentes”.

“Não há necessidade de temer propor aos jovens a escolha inevitável daquele estado de vida que está de acordo com o chamamento que Deus dirige a cada um deles individualmente, seja o sacerdócio ou a vida consagrada, também na forma monástica, ou o matrimónio e a família”, indica o documento.

Considerando que a JMJ é também uma “experiência de fraternidade universal”, o Vaticano sublinha que esta deve ser “uma ocasião de encontro para os jovens, não só para os jovens católicos”.

“Que os jovens que vivem em uma determinada área se reúnam e dialoguem uns com os outros, para além de suas crenças, de sua visão de vida, de suas convicções”, sugerem as novas orientações.

É importante que os agentes da pastoral juvenil estejam cada vez mais atentos ao envolvimento dos jovens em todas as etapas do planeamento pastoral da JMJ, segundo um estilo sinodal-missionário, valorizando a criatividade, a linguagem e os métodos próprios de sua idade”.

 

JMJ Lisboa 2023:

Preparação do encontro

está a provocar «revigoramento da pastoral juvenil» em Portugal

 

O cardeal-patriarca de Lisboa acredita que as Jornadas Mundiais da Juventude, que a capital portuguesa vai acolher no verão de 2023, trarão um “revigoramento da pastoral juvenil” no país, indo para lá do momento do evento.

“(Há) a tentação de ficar reduzido a um momento, mas creio que com tudo o que está a acontecer vai deixar lastro. Não vai ser apenas a tentação de fazer algo vistoso, mas algo que vai por diante no sentido do rejuvenescimento da Igreja em Portugal e, através da Igreja, também da sociedade portuguesa porque os jovens estão espalhados por toda a parte”, afirmou D. Manuel Clemente à Agência Ecclesia, no final das Jornadas Pastorais do episcopado em Fátima.

 “Lisboa não podia estar (sozinha) porque é uma realidade de tal ordem, quer em termos eclesiais como sociais, que só podia ser levada por diante com a colaboração de todas as dioceses de Portugal”, reconhece.

A dinâmica criada, desde o anúncio, em janeiro de 2019, tem manifestado um “revigoramento” nas dioceses portuguesas, “muito propícia ao relançamento da pastoral juvenil em Portugal”, sublinhou o cardeal-patriarca.

As Jornadas Pastorais reuniram em Fátima os bispos portugueses, em torno da reflexão sobre a ‘Receção do Sínodo dos Bispos sobre os jovens e a Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023’, contando a presença do padre salesiano Rossano Sala, que foi secretário especial para a XV Assembleia-Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos sobre os jovens, a fé e o discernimento vocacional.

O bispo de Setúbal fala “num passo, que não termina aqui”, rumo a uma vivência que, sublinha, “se espera que dê frutos para a Igreja e para a humanidade”.

“Se é verdade que é uma Jornada organizada pela Igreja católica, deve ser católica no sentido original da palavra que significa universal, e que sejam umas Jornadas de partilhar o que nos une, a mensagem que levamos, que pensamos essencial para este mundo”, prossegue.

D. José Ornelas indica que a mensagem é para todos e que tal como “o Evangelho é para ser anunciado” também as encíclicas do Papa Francisco “não são mensagens apenas para dentro da Igreja e estarão presentes nas JMJ”.

 “Queremos que este fogo e entusiasmo – que exigem resiliência, esforço, cansaço – nos façam estar preparados para outros desafios. A pandemia veio ensinar-nos isso. Não sabemos ainda como vão ser as Jornadas, o que sabemos é que vamos estar lá e fazer o melhor que podemos. E temos a certeza que não vamos estar sozinhos: vai chegar gente do mundo e o Pai do céu vai estar connosco”, finaliza.

 

JMJ 2023 na Guarda:

Vilar Formoso quer ser «porta de entrada»

para grande evento juvenil organizado pela Igreja Católica

 

A Câmara de Almeida e o Comité Organizador Diocesano da Guarda para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) 2023 assinaram um protocolo, visando fazer de Vilar Formoso “a porta de entrada” para milhares de jovens em Portugal.

O protocolo foi assinado a 2 de julho, em Almeida, no dia do Feriado Municipal, na presença do presidente da autarquia local, António Machado; do bispo da Guarda, D. Manuel Felício; da responsável do Comité Organizador Diocesano da Guarda JMJ 2023, Sandra Soares; e do presidente da Fundação JMJ 2023, D. Américo Aguiar.

“Através do protocolo agora assinado, o Município de Almeida precederá à produção e instalação, em local a definir, de estruturas publicitárias, para divulgação da JMJ Lisboa 2023, com o respetivo layout articulado com o Comité Organizador Local e Comité Organizador Diocesano”, refere uma nota enviada hoje à Agência ECCLESIA.

O Comité Organizador Diocesano Guarda JMJ 2023 coordenará o acolhimento aos jovens peregrinos.

O bispo da Guarda disse que a fronteira de Vilar Formoso será uma das mais percorridas por peregrinos da JMJ 2023, lembrando que não pode ser apenas centro de passagem, “mas lugar de alguma permanência”. “Temos aqui valores mais que suficientes e muito importantes para atrair as pessoas e pôr a nossa terra no mapa”, assinalou D. Manuel Felício.

D. Américo Aguiar considerou a assinatura do protocolo como “um momento muito simbólico para a Fundação da Jornada Lisboa 2023” e mostrou vontade de o replicar nos outros municípios de fronteira.

 

JMJ em Aveiro:

Diocese inaugura igreja dedicada à JMJ 2023

 

O Comité Organizador Diocesano (COD) de Aveiro, para a Jornada Mundial da Juventude, inaugurou a ‘Igreja da JMJ – Aveiro’, na Urbanização de Santiago, com uma Missa presidida por D. António Moiteiro.

Além do bispo diocesano, participaram na Eucaristia de preparação da JMJ 2023 “dois jovens por arciprestado” e alguns responsáveis ligados à preparação do evento internacional que vai decorrer em Lisboa.

A escolha de Lisboa como primeira cidade portuguesa a acolher uma edição internacional da JMJ aconteceu há dois anos, no dia 27 de janeiro de 2019, no Panamá.

As jornadas promovidas pela Igreja Católica são um acontecimento religioso e cultural que reúne centenas de milhares de jovens de todo o mundo, durante cerca de uma semana.

 

JMJ 2023 em Coimbra:

Diocese de realiza primeira reunião geral

entre comités organizadores

 

O Comité Organizador Diocesano (COD) de Coimbra e os 21 Comités Organizadores Territoriais (COT, que estão a preparar localmente a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de Lisboa, em 2023, realizaram a primeira reunião-geral, a 22 de maio.

“Será o primeiro grande momento de juntar todos aqueles que já se encontram na preparação da caminhada para a JMJ, como da preparação para os ‘dias nas dioceses’ da JMJ 2023”, explica o COD de Coimbra.

O encontro decorreu no auditório da Reitoria da Universidade de Coimbra, com a presença do bispo diocesano D. Virgílio Antunes.

O Comité Organizador Diocesano de Coimbra explica que os COT são os organismos que vão “trabalhar a nível local” na diocese no âmbito da JMJ Lisboa 2023 e surgiram da fusão de várias Unidades Pastorais, para “ganharem maior capacidade pastoral, logística e de recursos”.

Segundo o comunicado, o bispo de Coimbra congratulou-se pelo entusiasmo criado pela equipa do COD, e a forma como está a trabalhar, salientando que a construção de um espaço físico é mais uma etapa neste caminho que será certamente marcante para toda a diocese.

O Comité Organizador Diocesano (COD) de Coimbra para a JMJ 2023 inaugurou a sua sede que fica localizada no Instituto Universitário Justiça e Paz daquela cidade.

O Comité Organizador Diocesano que prepara a participação na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) 2023, em Lisboa, vai passar a ter um espaço junto da Universidade de Coimbra, lê-se numa nota enviada à Agência Ecclesia.

Esta inauguração, para além dos responsáveis do COD, contou com a presença do Bispo de Coimbra, D. Virgílio Antunes e outras entidades convidadas.

 

JMJ 2023 de Setúbal:

Diocese de promove encontro «Sentido 23», dia 26

 

O Departamento da Juventude, da Diocese de Setúbal, promoveu o encontro de oração ‘Sentido 23’, na igreja do Imaculado Coração de Maria, em Vale de Figueira.

“Os jovens estarão unidos em oração e partilha, num encontro preparado e animado pelos jovens das paróquias de Vale de Figueira, Sobreda e Vila Nova de Caparica”, lê-se na informação divulgada online.

O Departamento da Juventude, da Diocese de Setúbal, informa que, “por motivos inerentes à organização”, o encontro de oração ‘Sentido 23’, de preparação para a edição internacional da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, realiza-se no dia 26.

O Departamento da Juventude desafia ainda os jovens a estarem atentos às redes sociais onde vão encontrar “algumas propostas de oração”, assinalando o dia 23.

Até 2023, o Comité Organizador Local da JMJ em Lisboa e as dioceses portuguesas propõem uma caminhada aos seus jovens e respetivas comunidades: Viver e rezar cada dia 23, com a JMJ no coração.

 

JMJ 2023 em Portalegre:

O «Take23 de maio» foi uma peregrinação

 

A proposta da Diocese de Portalegre-Castelo Branco rumo às Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ2023), o «Take23 de maio», foi uma peregrinação, em pequenos grupos, ao som de um podcast.

Cada grupo, ou cada jovem, descarregava o podcast, elaborado pelo COD Portalegre-Castelo Branco, mas concretizado na voz de jovens dos 5 arciprestados da diocese, refere uma nota enviada à Agência Ecclesia.

Constava de 5 “passos” ligados a 5 lugares do Santuário de Fátima, lançando cada um desafios diferentes, lê-se.

Nesta peregrinação, o espaço percorrido a pé foi variável, mas “a concentração, silêncio e amizade foram a marca de cada passo”.

A etapa final, definida por cada grupo, foi a celebração Eucarística da Solenidade do Pentecostes ou um tempo de oração numa Igreja.

Todos os dias 23, os jovens das Dioceses portuguesas unem-se numa caminhada rumo à JMJ Lisboa 2023.

Em junho, o ‘Take 23’ centrou-se3 em S. João Batista. Numa nota enviada à Agência Ecclesia, o COD Portalegre-Castelo Branco informa que o bispo diocesano, D. Antonino Dias, salientou a “atitude revolucionária de João Batista” que denunciava erros e “anunciava a verdade com entusiasmo e esperança, apontando sempre Jesus como caminho”, com audácia e determinação.

 

JMJ no Porto:

Comunidade de Mansores construiu um «Terço da Esperança»

num vale agrícola, apontando à JMJ 2023

 

A Paróquia de Mansores, na Diocese do Porto, está a dinamizar a oração do ‘Terço da Esperança’, num vale agrícola onde se construiu uma estrutura que convida a caminhar até à Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023.

“A mensagem no terço da Jornada Mundial da Juventude passa por ser um caminho onde todos vamos encontrar-nos em Lisboa e queremos que este terço seja um caminho que se percorre e que, simbolicamente, o caminho para as jornadas também passe por aqui”, disse hoje o padre Luís Mário em declarações à Agência Ecclesia.

O pároco de Santa Cristina de Mansores, no Arciprestado Arouca – Vale de Cambra, contextualizou que o Secretariado Diocesano da Juventude do Porto e a organização da JMJ Lisboa 2023 convidaram a rezar o terço, durante o mês de maio, e quiseram fazer essa ligação.

“Todas as casinhas, que correspondem a uma ave-Maria, têm um trabalho feito pela juventude da paróquia, da catequese, e outros movimentos – as frases, os textos, as ilustrações, meditações -, e está interligado com o terço da jornada”, explicou.

Lúcia Silva, uma das coordenadoras do Grupo de Jovens de Mansores, refere que os organizadores fizeram cartazes com o símbolo da JMJ, para além de participar no terço todos os dias. “Estarmos a rezar pela Jornada da Juventude é importante porque cativa muitas pessoas, o convívio, e estarmos em oração com textos jovens, atuais, que são para nós. É bom para os jovens que participam e vivem para sentirem-se integrados”, desenvolveu a jovem, de 25 anos, em declarações à Agência Ecclesia.

 

JMJ em Lamego:

«Levanta-te e mostra-te…» é o tema do encontro «Rise Up»

 

A Diocese de Lamego realizou o encontro 6 do ‘Rise UP’, no caminho de preparação rumo à Jornada Mundial da Juventude a realizar em 2023 na cidade de Lisboa.

«Levanta-te e mostra-te…» é o tema deste encontro que se realizou através da plataforma Zoom, refere uma nota enviada à Agência Ecclesia.

A iniciativa requeria inscrição e o Departamento Diocesano da Pastoral de Jovens de Lamego prometia que “vai valer a pena” participar.

 

Évora:

Arcebispo presidiu à solenidade do Corpo de Deus

e abençoou a cidade

           

          O arcebispo de Évora presidiu à Missa da solenidade do Corpo de Deus, na Catedral local, onde abençoou a cidade e a arquidiocese, acompanhado por cerca de uma dezena de sacerdotes.

“Perante a Palavra de Deus de hoje, somos convidados a comprometer-nos sempre de novo, como Igreja, neste ano pastoral, a decorrer tão atipicamente, para sermos Discípulos Missionários da Esperança, que acolhem e procuram os sedentos de Deus e mostrando Jesus”, referiu D. Francisco Senra Coelho, numa intervenção divulgada pelo semanário diocesano ‘A Defesa’.

A Eucaristia, que foi animada liturgicamente pelo coro da Catedral, contou com todos os lugares completos que estavam previamente marcados na assembleia, respeitando as normas sanitárias, de uso de máscara, desinfeção das mãos e distanciamento.

O arcebispo de Évora fez uma reflexão sobre a solenidade do Corpo de Deus.

“Na Eucaristia, Jesus oferece-se a si mesmo para que nos amemos como Ele nos amou e para construirmos comunidades abertas, sobretudo aos mais frágeis”, prosseguiu.

No final da Eucaristia, à porta da Catedral, D. Francisco Senra Coelho deu a bênção do Santíssimo Sacramento perante as largas dezenas de presentes, à cidade e toda a Arquidiocese de Évora.

 

JMJ 2023 nas prisões e Centros Educativos:

Organização vai ao encontro dos jovens

 

A iniciativa visa ainda integrá-los na celebração da JMJ 2023, indica o coordenador para área pastoral, em especial “na área artística”.

“É um modo de os aproximar deste caminho da Jornada Mundial da Juventude, que é importante”, acrescenta.

O anúncio da escolha de Lisboa foi feito pelo Vaticano, a 27 de janeiro de 2019, no final da JMJ que decorreu no Panamá. Desde esse momento, o COL – Comité Organizador Local -, presidido pelo cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, e coordenado por D. Américo Aguiar e D. Joaquim Mendes, tem desenvolvido trabalhos de organização e preparação do maior evento juvenil – um acontecimento religioso e cultural – promovido pela Igreja Católica.

As JMJ nasceram por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude; realizam-se, anualmente, a nível local (diocesano), alternando com um encontro internacional a cada dois ou três anos, numa grande cidade.

 

JMJ 2023 em Angola:

Símbolos da Jornada Mundial da Juventude

começam peregrinação em Angola

 

Os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) chegaram a Luanda (Angola), onde vão começar a sua peregrinação de evangelização ao encontro dos jovens e de divulgação do evento cultural e religioso agendado para 2023, em Lisboa.

“É muito importante que este caminho dos símbolos, que se insere na preparação para a Jornada Mundial da Juventude, seja um caminho de missão, o desafiar os jovens para a missão, para a evangelização dos outros jovens, e a transformação das suas próprias comunidades, através da sua energia, da sua criatividade, do seu protagonismo, e da sua fé”, disse à Agência Ecclesia D. Joaquim Mendes, coordenador geral da JMJ Lisboa 2023 para a área pastoral.

 “Como o Papa desejou e manifestou, seja um caminho de evangelização, de transformação pastoral e missionária e agora sinodal de renovação da Igreja, através das comunidades e do protagonismo dos jovens”, acrescentou D. Joaquim Mendes, presidente da Comissão Episcopal Laicado e Família.

A peregrinação dos símbolos da JMJ começa na capital de Angola, a pedido da conferência episcopal local, percorrendo o país até 15 de agosto.

“Foi também um desejo de Angola que os símbolos estivessem presentes, algo que estava a ser pensado há algum tempo mas com toda esta situação da pandemia foi-se adiando. Vamos iniciar este grande caminho e vai ter um itinerário que já está proposto pela própria Conferência Episcopal de Angola e São Tomé”, explicou o padre Filipe Diniz, que está a coordenar a peregrinação dos símbolos na Conferência Episcopal Portuguesa, à Agência Ecclesia.

O diretor do Departamento Nacional da Pastoral Juvenil (DNPJ) de Portugal destaca o “desafio”, a proximidade ao país de Língua Oficial Portuguesa e a vontade de “ir a caminhar e estar também presente em África, mais concretamente Angola”. O padre Filipe Diniz relata que a primeira memória que tem da cruz e do Ícone de Nossa Senhora ‘Maria Salus Populi Romani’ foi quando estiveram em Portugal, em 2010, que “foi o despertar” para este “grande acontecimento” e que “sentido é que têm estes símbolos”.

Quando os símbolos regressarem à Europa vão peregrinar em Espanha, nos meses de setembro e outubro, onde regressam para o encontro europeu de jovens em Santiago de Compostela, de 4 a 7 agosto de 2021, no âmbito do ano santo (ano jacobeu ou jubilar).

 Entretanto, o Papa Francisco recebeu o logotipo e terço da edição internacional de Lisboa

D. Américo Aguiar reuniu-se ainda com vários responsáveis da Cúria Romana, entregando a imagem oficial e o terço da Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 aos cardeais Pietro Parolin, secretário de Estado da Santa Sé; Kevin Farrell, prefeito do Dicastério Leigos, Família e Vida; Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos; Marc Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos; José Saraiva Martins, prefeito emérito para as Causas dos Santos; e José Tolentino Mendonça, arquivista e bibliotecário da Santa Sé.

 

JMJ 2023:

Organização abre inscrições para coro

do «maior encontro de jovens do mundo»

 

A organização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) 2023, em Lisboa, abriu as inscrições para o coro que vai animar as celebrações do evento promovido pela Igreja Católica, “um projeto musical único”.

“É com muita alegria que iniciamos este processo de recrutamento que porá em evidência os dons de tantos jovens de todo o país”, assinala Teresa Cordeiro que, no Comité Organizador Local, coordena a equipa da Música, responsável pela seleção do coro.

As inscrições são destinadas a pessoas entre os 15 e 30 anos de idade à data de 31 de agosto de 2023, com “experiência coral e competências básicas de leitura musical”.

Na primeira fase de captação de talentos, que decorre nos meses de junho e julho, cada comité organizador diocesano fará uma pré-seleção de até 10 candidatos que serão, depois, convidados a participar em audições presenciais, nos meses de outubro e novembro, em Lisboa.

“Os elementos escolhidos para integrar o coro, que contará com cerca de 200 elementos, deverão ter disponibilidade para se deslocar a Lisboa para os ensaios”, acrescenta a nota da organização.

A JMJ Lisboa 2023 prevê ensaios com a duração de um fim-de-semana nos meses de julho e outubro de 2022, janeiro, março, abril, junho e julho de 2023.

 

 

 

 

 

 

DA SANTA SÉ

 

 

Vaticano:

O Santo Padre «reagiu bem» a intervenção cirúrgica

por causa de problema no cólon, informa porta-voz

 

O Papa foi submetido em 4 de julho com sucesso a uma cirurgia programada na Policlínica Gemelli, em Roma, por causa de um problema no cólon, informou o Vaticano.

“O Santo Padre, internado esta tarde na Policlínica A. Gemelli, foi submetido ao início da noite à operação cirúrgica agendada para estenose diverticular do sigma. O Santo Padre reagiu bem à intervenção, realizada sob anestesia geral”, informa uma nota enviada aos jornalistas pelo porta-voz do Vaticano, Matteo Bruni.

A operação foi realizada pelo especialista italiano Sergio Alfieri, com assistência de outros três médicos. A nota desta noite indica ainda o nome dos responsáveis pela anestesia, assinalando que a operação foi acompanhada pelo médico pessoal de Francisco, Roberto Bernabei, professor de Medicina Interna e Geriatria na Universidade Católica de Roma, num total de dez médicos envolvidos na intervenção.

A Santa Sé não deixou qualquer indicação relativa ao tempo de recuperação, que a imprensa italiana indica ser de cinco dias.

O Papa esteve alojado no 10.º andar do hospital universitário, nas mesmas instalações que acolheram São João Paulo II por diversas ocasiões, no seu pontificado, e chegou ao local sem qualquer comitiva a acompanhá-lo.

Francisco dedica habitualmente o mês de julho a um período de descanso, sem audiências oficiais nem viagens, presidindo apenas à recitação dominical do ângelus, desde a janela do apartamento pontifício.

No domingo em que foi internado, no encontro com peregrinos e turistas na Praça de São Pedro, o Papa anunciou que vai visitar a Eslováquia, em setembro, numa viagem que se inicia na capital húngara, Budapeste, com a Missa de Encerramento do 52.º Congresso Eucarístico Internacional.

Ao longo do seu pontificado, o atual Papa teve várias crises ligadas à dor ciática, que o obrigaram a cancelar alguns eventos.

O presidente da Itália, Sergio Mattarella, dirigiu a Francisco os seus “mais cordiais votos de uma boa convalescença e de uma recuperação ainda melhor e rápida”.

A Diocese de Roma e a Conferência Episcopal Italiana também enviaram mensagens a Francisco.

 

Vaticano:

Papa abre caminho à beatificação de religiosas

que morreram no antigo Zaire, ajudando vítimas do Ébola

 

O Papa Francisco abriu caminho à beatificação de três religiosas italianas da Congregação das Irmãs dos Pobres que morreram em 1995, na atual República Democrática do Congo, prestando ajuda aos pobres durante uma epidemia de Ébola.

A informação é dada pelo Vaticano, que publicou os decretos relativos ao reconhecimento das “virtudes heroicas” das missionárias, à imagem do que já tinha acontecido a 20 de fevereiro de 2021, com outras três religiosas da Congregação, falecidas nas mesmas condições.

As irmãs Annelvira Ossoli (1936-1995), Vitarosa Zorza (1943-1995) e Danielangela Sorti (1947-1995) faleceram todas em maio de 1995, na localidade de Kikwit, do antigo Zaire, durante um surto de Ébola

Os restos mortais das seis religiosas, a pedido expresso do bispo de Kikwit, D. Edouard Mununu, repousam em frente à Catedral de Kikwit e são conhecidas como “mártires da caridade”, informa o portal de notícias do Vaticano.

 

Roma:

Mons. Gänswein ordena 27 sacerdotes do Opus Dei de 14 países

 

Mons. Georg Gänswein, Prefeito da Casa Pontifícia e Secretário de Bento XVI, ordenou 27 sacerdotes da Prelatura do Opus Dei na Basílica de Santo Eugénio em Roma. O Prelado do Opus Dei, Mons. Fernando Ocáriz, participou na cerimónia a partir do presbitério, e impôs as mãos aos novos sacerdotes, depois do bispo consagrante.

Os sacerdotes recém ordenados são provenientes da Alemanha, Roménia, Brasil, Canadá, Inglaterra, Costa do Marfim, Eslováquia, Espanha, Japão, Quénia, México, Lituânia. Nigéria e Peru.

Na homilia, o arcebispo Georg Gänswein exortou os novos sacerdotes a "permanecerem em Cristo". "Numa altura em que se fala tanto em ser 'progressistas', pede-se-vos que permaneçam em Cristo".

“A expressão mais bela para descrever a tarefa de um sacerdote é 'o homem que abençoa'. Pode abençoar a partir do Senhor. E esta tarefa implica colocar a própria vida sob o mistério da Cruz, com coragem e humildade".

O bispo consagrante terminou a sua homilia confiando os 27 novos sacerdotes a Nossa Senhora: "Permanecei perto da Mãe toda a vossa vida: sob o seu manto sereis protegidos porque vos encontrareis à sombra de Cristo, à luz da Ressurreição. Estando próximo da Mãe de Deus, estais no lugar certo".

Entre os novos sacerdotes está Fadi Sarraf, 49 anos. Nascido em Damasco, Síria, foi para o Canadá aos 17 anos para estudar engenharia na Universidade McGill.

Outro dos novos sacerdotes é Mariano Almela, natural de Vallecas, Madrid.

Entre os sacerdotes ordenados encontram-se vários africanos, como Casimir Kouassi da Costa do Marfim, que estudou contabilidade e economia e trabalhou numa empresa de consultoria no seu país.

Outro dos novos sacerdotes é o nigeriano Obilor Ugwulali cujo nome significa "acalmar o coração". O seu avô morreu no mesmo dia que ele nasceu, por isso os seus pais disseram-lhe que ele tinha vindo ao mundo para acalmar os seus corações. Originário de Afikpo, Obilor estudou contabilidade na filial Enugu da Universidade da Nigéria. José I. Mir é de Palma de Mallorca (Espanha). É o veterano dos ordenandos aos 57 anos de idade. Depois de estudar filosofia e teologia na Universidade de Navarra, trabalhou durante 20 anos como director de duas escolas em Pamplona e San Sebastian. Há dez anos, mudou-se para a Roménia para promover o início do trabalho apostólico da Prelatura do Opus Dei naquele país. Josemaría Mayora, um sacerdote mexicano, pede orações "para que todos os sacerdotes saibam ser mediadores entre Deus e os homens". Nasceu na Cidade do México, e desde a infância viveu em Guadalajara, México. Antes de se mudar para Roma para estudar teologia na Universidade Pontifícia da Santa Cruz, estudou engenharia industrial na Universidade Pan-Americana.

Vytautas Saladis, da Lituânia, tem 30 anos e estudou Direito na Universidade de Vilnius. Trabalhou durante alguns anos num escritório de advocacia. Agora está a terminar a sua licenciatura em Direito Canónico em Roma. É o primeiro sacerdote do Opus Dei na Lituânia, onde a Prelatura começou o trabalho apostólico estável em 1994.

 

Vaticano:

Papa anuncia Encontro Mundial das Famílias inédito para 2022,

com eventos em cada diocese

 

O Papa anunciou que o próximo Encontro Mundial das Famílias (EMF) vai decorrer em 2022 num formato inédito, com eventos em cada diocese católica, em ligação com Roma.

“Na medida do possível, convido, pois, as comunidades diocesanas a organizar iniciativas a partir do tema do encontro, utilizando os símbolos que a Diocese de Roma está a preparar. Peço que sejam dinâmicos, ativos e criativos, para se organizarem com as famílias, em sintonia com o que acontecerá em Roma”, referiu Francisco, numa mensagem em vídeo divulgada pelo Vaticano e enviada à Agência Ecclesia.

O tema do 10.º EMF será ‘O Amor em família: vocação e caminho de santidade’ e decorre após o adiamento de um ano, por causa da pandemia.

O Papa sublinha: “Desta vez, porém, vai decorrer com uma fórmula inédita: será uma oportunidade da Providência para realizar um evento mundial capaz de envolver todas as famílias que quiserem sentir-se parte da comunidade eclesial”.

 “Roma será a sede principal, com alguns delegados da Pastoral Familiar que participarão no Festival das Famílias, no Congresso Pastoral e na Santa Missa, transmitidos para o mundo inteiro”, precisa.

Durante o 10.º EMF, indica o Papa, “cada diocese poderá ser o centro de um Encontro local para as suas famílias e comunidades”.

“Trata-se de uma ocasião valiosa para nos dedicarmos com entusiasmo à Pastoral Familiar: esposos, famílias e pastores, todos juntos. Portanto, coragem, queridos pastores e queridas famílias, ajudem-se mutuamente para organizar encontros nas dioceses e paróquias de todos os continentes”, deseja.

O evento vai decorrer de 22 a 26 de junho de 2022, com iniciativas globais nas dioceses católicas e em Roma, que acolhe os delegados das Conferências Episcopais e dos movimentos internacionais empenhados na Pastoral Familiar.

O “logotipo” pensado para o X Encontro Mundial das Famílias retoma a forma elíptica da colunata de Bernini, na Praça São Pedro, remetendo ao “seu significado original, que é o abraço acolhedor da Igreja-Mãe de Roma e do seu bispo, abraço que inclui e envolve todos os homens e mulheres de todos os tempos”.

 

Vaticano:

Papa desafia escuteiros a ser «semeadores de esperança»

e à «redescoberta da vida comunitária»

           

          O Papa Francisco pediu, no Vaticano, recebeu os Scouts de França e disse que o Escutismo seja “um movimento de semeadores de esperança e uma redescoberta da vida comunitária”.

“Convido a não se desanimarem com o egoísmo do mundo, a não se fecharem em si mesmos, a não serem jovens inativos, sem ideais e sem sonhos. Nunca percam de vista o facto de que o Senhor está a chamar todos vocês para levar destemidamente o anúncio missionário”, disse aos membros do Movimento Escuteiro Católico Francês (Scouts Unitaires de France).

Assinalando o 50° aniversário da fundação deste movimento, o Papa pediu que “sempre e em qualquer lugar” partilhem a alegria do Evangelho que os faz viver.

“O Senhor quer que vós sejais seus discípulos e espalhem luz e esperança, porque conta com a ousadia, a coragem e o entusiasmo de todos”, observou.

Francisco agradeceu a Deus pelo testemunho durante “cinquenta anos a serviço de seus irmãos e irmãs e da Igreja”.

“O escuteiro, com sua disponibilidade ao serviço do próximo, também é chamado a trabalhar por uma Igreja mais ‘extrovertida’ e por um mundo mais humano”, desenvolveu.

O Papa assinalou que, onde quer que os escuteiros estejam, “com fé e compromisso”, podem aumentar a riqueza das relações humanas e “torná-las um bem comum que ajuda a uma renovação social”.

Segundo o pontífice, pela relação que o movimento católico tem com a natureza, os seus membros levam a mensagem que “o respeito pelos outros e pelo meio ambiente andam de mãos dadas”, por isso, é uma ilusão pensar que se pode curar a relação “com a natureza e o meio ambiente sem curar todas as relações humanas fundamentais”.

O portal ‘Vatican News’ informa que o Papa Francisco começou a sua intervenção a destacar que o Movimento Escuteiro Católico Francês é considerado pelas entidades pastorais juvenis da Conferência Episcopal Francesa como protagonista na evangelização e na construção da sociedade.

“O movimento escuteiro é um sinal de encorajamento para os jovens, porque os convida a sonhar e a agir, a ter a coragem de olhar para o futuro com esperança”, salientou.

Francisco realçou que, através da pedagogia do irmão e da irmã mais velhos, os escuteiros “protegem e acompanham os mais jovens”, ajudando-os pacientemente a descobrir e tornar fecundos “os talentos recebidos do Senhor”.

“Todos precisamos viver relações humanas reais e não apenas virtuais, especialmente na idade em que o caráter e a personalidade são formados”, afirmou na audiência desta sexta-feira.

 

Vaticano:

Papa pede que Igreja invista no acompanhamento

das famílias «feridas» e na preparação para o matrimónio

 

O Papa afirmou que a Igreja Católica precisa de investir mais no acompanhamento das famílias “feridas” e na preparação para o matrimónio, como ficou definido após as assembleias do Sínodo em 2014 e 2015.

“Alguns desses desafios ainda demoram em ser enfrentados e requerem um renovado impulso pastoral nalgumas áreas particulares: penso na preparação para o matrimónio, no acompanhamento dos jovens casais, na educação, na atenção aos idosos, na proximidade com as famílias feridas ou que, numa nova união, desejam de viver plenamente a experiência cristã”, precisou Francisco.

A intervenção dirigiu-se aos participantes de um fórum internacional, convocado para debater a aplicação da ‘Amoris Laetitia’, cinco anos após a publicação da exortação do Papa sobre a família.

A iniciativa do Dicastério para os Leigos, Família e Vida (Santa Sé) reúne, em formato online, responsáveis de 70 Conferências Episcopais e mais de 30 associações e movimentos internacionais.

Os trabalhos, sob o tema ‘Em que ponto estamos relativamente à Amoris Laetitia? Estratégias de aplicação pastoral da Exortação do Papa Francisco’, inserem-se no ano especial que a Igreja Católica vive, para reflexão sobre a sua ação pastoral junto das famílias.

Francisco alerta, na sua mensagem, para “pressões ideológicas que dificultam os processos educacionais, problemas relacionais, pobreza material e espiritual e, em última instância, muita solidão”.

“Espero que estes dias de trabalho sejam uma boa oportunidade para partilhar ideias e experiências pastorais; e também criar uma rede que, na complementaridade das vocações e dos estados de vida, em espírito de colaboração e de comunhão eclesial, possa anunciar o Evangelho da família da maneira mais eficaz, respondendo aos sinais dos tempos”, apela aos participantes.

 

Vaticano:

Papa une-se a celebração de Nossa Senhora de Luján,

padroeira da Argentina

 

O Papa Francisco enviou uma mensagem à Igreja Católica na Argentina, sua terra natal, para assinalar a festa de Nossa Senhora de Luján, padroeira do país, que se celebra em 8 de maio.

“Recordem tudo o que a Virgem fez na nossa pátria. Deixem-se acompanhar por Ela e acompanhem-na no seu caminho. Que Deus os abençoe e que a Virgem cuide de todos. E por favor, não se esqueçam de rezar por mim”, disse.

A celebração de 8 de maio marca o início do percurso, até 2030, que leva à celebração dos 400 anos do “milagre de Luján”, a presença da imagem de Nossa Senhora entre os argentinos.

O Papa, antigo arcebispo de Buenos Aires, fala num “caminho de memória, de tantos anos e anos de peregrinações, de pedidos, de milagres, de filhos e filhas que caminham para ver a Mãe”.

 

Vaticano:

Papa convida sacerdotes a assumir fragilidades

e a evitar a tentação de serem «super-homens»

 

O Papa disse no Vaticano que os sacerdotes devem assumir as suas fragilidades como “lugar teológico” e evitar a tentação de ser “super-homens”, falando numa audiência aos membros do Colégio de São Luís dos Franceses.

“A minha fragilidade, a de cada um de nós, é um lugar teológico de encontro com o Senhor. Os sacerdotes super-homens terminam mal, todos eles. O sacerdote frágil, que conhece as suas fraquezas e fala delas com o Senhor, esse irá bem”, indicou Francisco, numa intervenção divulgada pelo portal ‘Vatican News’.

A intervenção desafiou os padres a ser pessoas de esperança, cultivando o sentido de comunidade “numa sociedade marcada pelo individualismo, autoafirmação e indiferença”.

“Na vida comunitária, existe sempre a tentação de criar pequenos grupos fechados, de se isolar, de criticar e falar mal dos outros, de se julgar superior, mais inteligente”, advertiu.

Francisco destacou a necessidade de refletir sobre o sacerdócio a partir da comunidade católica, para “colocar Deus e as pessoas no centro das preocupações”.

Gratidão e sentido de humor foram outros dos conselhos do Papa.

 

Papa:

Sublinha caminho de «comunhão»

percorrido entre católicos e luteranos

 

O Papa saudou no Vaticano o caminho de “comunhão” percorrido entre católicos e luteranos, “no exercício da caridade partilhada” e na “paixão pela investigação”, destinada a uma maior unidade.

“a crise ajuda-nos a amadurecer o que procuramos, desde o conflito que vivemos durante séculos e séculos, à comunhão que queremos”, sublinhou Francisco, num discurso dirigido a representantes da Federação Luterana Mundial.

A intervenção, divulgada pela Santa Sé, recorda a viagem apostólica de 2016 à Suécia e, em particular, a oração ecuménica na catedral luterana de Lund.

“Nessa inesquecível etapa ecuménica, experimentamos a força evangélica da reconciliação, atestando que pelo diálogo e pelo testemunho partilhado já não somos estranhos. Já não são estranhos, mas irmãos”, realçou o Papa.

Francisco disse que existe hoje uma “superação crescente das divisões e cura progressiva da memória” entre as várias Igrejas, apontando a uma “unidade reconciliada nas diferenças”.

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial