Arcanjos S. Miguel, S. Gabriel e S. Rafael

29 de Setembro de 2018

 

Festividade

 

RITOS INICIAIS

 

Cântico de entrada: Somos a Igreja de Cristo, M. Silva, NRMS 17

Sl 102, 20

Antífona de entrada: Bendizei ao Senhor todos os seus Anjos, poderosos executores das suas ordens, sempre atentos à sua palavra.

 

Diz-se o Glória

 

Introdução ao espírito da Celebração

 

Os Anjos são Mensageiros enviados por Deus para guardar e proteger a humanidade. Conhecemos a sua existência e a sua missão através da Bíblia. Entre «miríades de miríades de Anjos», hoje celebramos a festa dos Santos Arcanjos S. Miguel, S. Gabriel e S. Rafael. Além das funções próprias de todos os Anjos, eles aparecem-nos, na Escritura Sagrada, incumbidos de uma missão especial. São Miguel significa «Quem como Deus?» Tem a missão de protector do Povo de Deus. São Gabriel significa «Deus é a minha força». Ele vem anunciar a vinda do Deus forte. É o enviado das grandes embaixadas divinas: anuncia a Zacarias o nascimento de S. João Baptista e revela à Virgem Maria o mistério da divina Maternidade. São Rafael significa «Medicina de Deus». O autor sagrado do livro de Tobias apresenta este Arcanjo como protector e companheiro de viagem do jovem Tobias. Aparece ainda como um médico que oferece a medicina para curar a cegueira do velho Tobite.

Honrando os Anjos, nós exaltamos o poder de Deus, “Criador do Céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis”.

 

Oração colecta: Senhor Deus do universo, que estabeleceis com admirável providência as funções dos Anjos e dos homens, concedei, propício, que a nossa vida seja protegida na terra por aqueles que eternamente Vos assistem e servem no Céu. Por Nosso Senhor...

 

 

Liturgia da Palavra

 

Primeira Leitura

 

Monição: “Eu estava a olhar e contemplava as visões da noite: milhares de milhares serviam e miríades de miríades assistiam um Ancião, cujo poder é eterno.” (Dan 7,9-10.13-14)

“Travou-se um combate no Céu: Miguel e os seus Anjos lutaram contra o Dragão e os seus anjos. Satanás e seus anjos foram derrotados e perderam o seu lugar no Céu para sempre.” (Apoc 12,7-12)

Através destas leituras podemos afirmar que o número de Anjos é incontável. A Divina Providência assiste com os santos Anjos o Povo de Israel e o Povo da Nova Aliança, a Igreja.

 

Daniel 7, 9-10.13-14

9Estava eu a olhar, quando foram colocados tronos e um Ancião sentou-se. As suas vestes eram brancas como a neve e os cabelos como a lã pura. O seu trono eram chamas de fogo, com rodas de lume vivo. 10Um rio de fogo corria, irrompendo diante dele. Milhares de milhares o serviam e miríades de miríades o assistiam. O tribunal abriu a sessão e os livros foram abertos. 13Contemplava eu as visões da noite, quando, sobre as nuvens do céu, veio alguém semelhante a um filho do homem. Dirigiu-Se para o Ancião venerável e conduziram-no à sua presença. 14Foi-lhe entregue o poder, a honra e a realeza, e todos os povos e nações O serviram. O seu poder é eterno, que nunca passará, e o seu reino jamais será destruído.

 

Ver notas de CL, atrás neste mesmo número, na Festa da Transfiguração do Senhor.

 

Salmo Responsorial    Sl 137 (138), 1-2a.2bc-3.4-5 (R. 1c)

 

Monição: Deus prometeu-nos no Livro do Êxodo (23,20): “Vou enviar o meu Anjo à tua frente, para te proteger no caminho e te conduzir ao lugar que te destinei. Respeita a sua presença e escuta a sua voz.”

Irmãos, vivemos sob a protecção dos Anjos. Nenhum mal nos acontecerá. Cantemos com o salmista: Na presença dos Anjos, eu Vos louvarei, Senhor.

 

Refrão:     Na presença dos Anjos,

                eu Vos louvarei, Senhor.

 

De todo o coração, Senhor, eu Vos dou graças,

porque ouvistes as palavras da minha boca.

Na presença dos Anjos Vos hei-de cantar

e Vos adorarei, voltado para o vosso templo santo.

 

Hei-de louvar o vosso nome pela vossa bondade e fidelidade,

porque exaltastes acima de tudo o vosso nome e a vossa promessa.

Quando Vos invoquei, me respondestes,

aumentastes a fortaleza da minha alma.

 

Todos os reis da terra Vos hão-de louvar, Senhor,

quando ouvirem as palavras da vossa boca.

Celebrarão os caminhos do Senhor,

porque é grande a glória do Senhor.

 

Segunda Leitura

 

 

Apocalipse 12, 7-12a

7Travou-se um combate no Céu: Miguel e os seus Anjos lutaram contra o Dragão. O Dragão e os seus anjos lutaram também, 8mas foram derrotados e perderam o seu lugar no Céu para sempre. 9Foi expulso o enorme Dragão, a antiga serpente, aquele que chamam Diabo e Satanás, que seduz o universo inteiro foi precipitado sobre a terra e os seus anjos foram precipitados com ele. 10Depois ouvi no Céu uma voz poderosa que dizia: «Agora chegou a salvação, o poder e a realeza do nosso Deus e a autoridade do seu Ungido, porque foi precipitado o acusador dos nossos irmãos, aquele que os acusava dia e noite diante do nosso Deus. 11Eles venceram-no, graças ao sangue do Cordeiro e à palavra do testemunho que deram, desprezando a própria vida, até aceitarem a morte. 12Por isso, alegrai-vos, ó Céus, e vós que neles habitais».

 

7 Houve um combate. É difícil determinar a que combate concreto se refere o texto sagrado. Não parece tratar-se aqui da rebelião dos Anjos maus no momento da sua criação (cf. Mt 25, 41; 2 Pe 2, 4), como alguns pensam, uma vez que o contexto nos situa nos tempos cristãos. Assim, prefere-se ver a luta tremenda desencadeada pelo demónio contra Cristo e os fiéis (os «nossos irmãos» - v. 10), a partir sobretudo da Morte, Ressurreição e Ascensão de Jesus (cf. v. 5b).

«Miguel» - em hebraico Mi-kha-el - quer dizer «quem como Deus?». Era o protector do antigo povo de Deus (Dan 10, 13.21), e que aparece agora como patrono e defensor da Igreja, o novo povo de Deus.

«O Dragão». É identificado no v. 9, com a «antiga serpente» que tentou os primeiros pais, por isso se chama antiga; é «aquele que chamam Diabo e Satanás». Diabo é um nome grego correspondente ao hebraico - Xatan (aramaico - xataná), que significa caluniador, acusador, adversário.

 

Aclamação ao Evangelho        Sl 102 (103), 21

 

Monição: “Bendizei o Senhor todos os seus exércitos, poderosos executores da sua vontade.”

Com os Anjos e os Arcanjos; com todos os coros celestes também nós louvamos o Senhor.

 

Aleluia

 

Cântico: F. da Silva, NRMS 46

 

Bendizei o Senhor todos os seus exércitos,

poderosos executores da sua vontade.

 

 

Evangelho

 

São João 1, 47-51

Naquele tempo, 47Jesus viu Natanael, que vinha ao seu encontro, e disse: «Eis um verdadeiro israelita, em quem não há fingimento». 48Perguntou-lhe Natanael: «De onde me conheces?». Jesus respondeu-lhe: «Antes que Filipe te chamasse, Eu vi-te quando estavas debaixo da figueira». 49-lhe Natanael: «Mestre, Tu és o Filho de Deus, Tu és o Rei de Israel!». 50Jesus respondeu: «Porque te disse: ‘Eu vi-te debaixo da figueira’, acreditas. Verás coisas maiores do que estas». E acrescentou: 51«Em verdade, em verdade vos digo: Vereis o Céu aberto e os Anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem».

 

Filipe não tinha guardado para si a grande alegria de ter tido a dita de encontrar o Messias anunciado pelos Profetas, mas comunicara-a a seu amigo Natanael, que se mostrou incrédulo em face da procedência humilde de Jesus, filho dum carpinteiro de Nazaré, quando o Messias devia ser descendente de David e procedente de Belém. Filipe não se desmoraliza com as razoáveis objecções do amigo e também não confia nas explicações que o seu próprio engenho poderia excogitar; opta por convidar o amigo a aproximar-se pessoalmente de Jesus: «vem e verás» (v. 46).

47 «Natanael». Nome semítico que significa «dom de Deus». Deveu ser um dos Doze Apóstolos (cf. Jo 21, 2); mas qual deles? Muito provavelmente era Bartolomeu, o qual teria dois nomes, sendo este último um nome patronímico (filho de Tolmay), como o patronímico de Simão Pedro, Baryona (filho de Jonas). Esta identificação é deduzida dos diversos catálogos dos Apóstolos que nos deixaram os Sinópticos, onde Bartolomeu sempre se segue a Filipe, aquele Apóstolo que levou Natanael a Jesus (cf. Mt 10, 3; Mc 3, 18; Lc 6, 14).

48 «Eu vi-te, debaixo da figueira». Natanael sentiu que o olhar de Jesus penetrava os mais profundos recônditos da sua alma, pois algo de significativo devia ter passado no seu coração naquela hora e naquele local exacto a que Jesus se referia, e que só Deus podia conhecer.

49 «Tu é o Filho de Deus… Rei de Israel» - títulos messiânicos procedentes do Salmo 2. A intencionalidade do Evangelista (cf. 20, 31) evidencia-se ao apresentar, desde a primeira hora, confissões explícitas de fé em Jesus (cf. Mt 14, 33; 16, 16).

51 «Os Anjos de Deus subindo e descendo…» Trata-se duma forma muito expressiva de Jesus aparecer como Mediador entre o Céu e a terra, ficando assim os Céus abertos para a humanidade (Is 63, 19; Apoc 19, 11; Mt 3, 16 par.), numa clara alusão à escada de Jacob, pela qual subiam e desciam os Anjos na visão de Jacob (Gn 28,12). É por isso que adoptámos, na Bíblia da Difusora Bíblica, a tradução «por meio do Filho do Homem», em vez da tradução corrente «sobre o Filho do Homem», tendo em conta que aqui aparece a mesma preposição (epí) que no texto grego do sonho de Jacob, com o sentido de subir por.

 

Sugestões para a homilia

 

Vereis o Céu aberto e os Anjos de Deus, subindo e descendo

São Miguel, São Gabriel, São Rafael

 

 

Vereis o Céu aberto

A Bíblia conforta-nos, falando da bondade de Deus, enviando os seus Anjos para nos auxiliarem nas lutas que travamos nesta terra. São muitas as páginas que nos revelam as manifestações angélicas, favorecendo a humanidade. O Profeta Daniel lembra-nos que os Anjos são em número incontável: “Miríades de miríades.” Podemos viver tranquilos. O autor da Carta aos Hebreus, também nos conforta, afirmando que “os Anjos são mensageiros de Deus junto daqueles vão ser herdeiros do Reino dos Céus, herdeiros da salvação.” (Heb. 1-14) No Livro do Êxodo, lemos estas palavras reconfortantes: “Vou enviar um Anjo à tua frente, para te proteger no caminho e te conduzir ao lugar que preparei para ti. Respeita a sua presença e escuta a sua voz; não lhe desobedeças.” (Êxodo, 23,20). Somos agradecidos e damos graças a Deus: “Bendito seja o Senhor, que enviou o seu Anjo e libertou os seus servos, que n’Ele confiaram.”  (Dan 3,28) 

Por sua vez, no Evangelho de hoje Jesus afirma a Natanael, um homem sem fingimento, “vereis o céu aberto e os Anjos de Deus, subindo e descendo.” No livro do Génesis podemos ler: “Jacob teve um sonho e viu uma escada ligando a terra ao Céu. Por ela subiam e desciam os Anjos de Deus.” (Gen 28,12) Nós também acreditamos que “os puros de coração verão os Anjos de Deus”, subindo e descendo para nos assistirem, porque somos filhos de Deus. Jesus confidenciou-nos: “ O próprio Pai Vos ama.” (Jo 16,27) Por isso, os Anjos nos amam e nos ajudam. Jesus, por nosso amor, aniquilou-se até à morte, oferecendo ao Pai a sua vida. Não admira que os santos Anjos nos prestem assistência. “Digo-vos isto para que tenhais maior confiança nos santos Anjos e invoqueis com maior familiaridade o seu auxílio. Há muitas coisas que agradam aos santos Anjos: sobriedade, castidade, pobreza voluntária e orações com lágrimas. Mas, o que acima de tudo exigem de nós, é a união e a paz. Será, porventura, estranho que eles ponham as suas delícias principalmente nestas virtudes que reproduzem uma certa imagem da sua cidade e que lhes permitem admirar uma nova Jerusalém na terra?” (S. Bernardo, Liturgia das Horas, Ofício de Leituras, 10 de Junho)

 

São Miguel, São Gabriel, São Rafael

 

São Miguel

Na Bíblia, encontramos muitas referências a São Miguel Arcanjo. No Livro do profeta Daniel ele é chamado de “grande príncipe, que se levanta em favor dos filhos do povo de Deus” (Dan 10,13). São Miguel Arcanjo ajuda os Israelitas durante os setenta anos de cativeiro na Babilónia. O Profeta Daniel queria que o seu povo soubesse que Deus não se tinha esquecido deles: “Nos últimos tempos surgirá Miguel, o grande chefe dos Anjos, que protege os filhos do seu povo. Nesse tempo virá a salvação.” (Dan 12,1) No Apocalipse, S. João narra a grande batalha no céu, quando os anjos perversos, comandados por Lúcifer, se revoltaram contra Deus, e como São Miguel Arcanjo, à frente dos Anjos fiéis, derrotou os anjos do mal e os expulsou do Céu. “Houve uma grande batalha: Miguel e seus anjos lutaram contra o Dragão. O Dragão também lutou, juntamente com seus anjos, mas foram derrotados, e não houve mais lugar para eles no céu.  (Apoc, 12, 7-8) 

São Miguel é o Anjo da humildade. O se nome é de origem hebraica e significa “Quem é como Deus?” São Miguel Arcanjo também defende e protege com sua espada o Povo de Deus da nova Aliança, como defendeu o Povo Bíblico: “O Príncipe do reino da Pérsia resistiu por vinte e um dias. Mas Miguel, um dos maiores Príncipes veio em meu auxílio.” (Dan 10,13) “Nos últimos tempos surgirá Miguel, o grande chefe dos Anjos, que protege os filhos do teu povo” (Dan 12,1). Em comunhão com toda a Igreja podemos rezar a oração escrita pelo Santo Padre Leão XIII: São Miguel Arcanjo, defendei-nos neste combate, cobri-nos com o vosso escudo contra a malícia e ciladas do demónio. Instante e humildemente vos pedimos, que Deus sobre ele impere e vós, Príncipe da milícia celeste, pelo poder divino, que vos foi dado, precipitai no inferno a Satanás e aos outros espíritos malignos que vagueiam pelo mundo para perdição das almas. Amém.

São Gabriel

É citado várias vezes na Bíblia; foi ele que anunciou ao profeta Daniel a sucessão de vários impérios mundiais e a vinda do Messias: “Aqueles enormes animais são quatro reis que se hão-de erguer da terra… Os que irão receber o Reino são os santos do Altíssimo. Possuirão esse Reino para sempre e eternamente.” (Dan 7,15-27) «Enquanto eu estava orando, apareceu Gabriel da parte de Deus e falou-me: Daniel presta atenção. Vim para te dar sabedoria e entendimento. Estão decretadas setenta semanas sobre o teu povo para fazer cessar a transgressão, para expiar a iniquidade e trazer a justiça eterna e para ungir o Santo dos Santos (Dan 9,21-24)

São Gabriel foi o embaixador escolhido por Deus para trazer do Céu à terra a mais sublime de todas as mensagens: Veio anunciar o nascimento de Jesus, o Filho do Altíssimo. Antes da Anunciação à Virgem Maria, apareceu a Zacarias para lhe anunciar o nascimento de seu filho João, que havia de preparar os caminhos do Senhor: “Quando Zacarias exercia as funções sacerdotais diante de Deus, no turno da sua classe, coube-lhe em sorte, segundo o costume sacerdotal, entrar no Santuário do Senhor para oferecer o incenso. Toda a assembleia do povo, durante a oblação do incenso, estava cá fora em oração. Apareceu-lhe então o Anjo do Senhor, de pé, à direita do altar do incenso. Ao vê-lo, Zacarias ficou perturbado e encheu-se de temor, mas o Anjo disse-lhe: «Não temas, Zacarias, porque a tua súplica foi atendida. Isabel, tua esposa, dar-te-á um filho, ao qual porás o nome de João. Será para ti motivo de grande alegria e muitos hão-de alegrar-se com o seu nascimento, porque será grande aos olhos do Senhor.” (Cf Lucas 1,5-17) "Eu sou Gabriel, o que está na presença de Deus e fui enviado para te dar esta Boa Nova." (Lucas 1:19)

Anunciação à Virgem Maria: “Naquele tempo, o Anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, a uma virgem chamada Maria. Tendo entrado onde ela estava, disse o Anjo: ‘Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo'. Ela ficou perturbada com estas palavras e pensava que saudação seria aquela. Disse-lhe o Anjo: “Não temas, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Conceberás e darás à luz um Filho a quem porás o nome de Jesus. Ele será grande e chamar-se-á Filho do Altíssimo. O Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai David; reinará eternamente sobre a casa de Jacob e seu Reino não terá fim.” (Lucas 1:26-38)

 

São Rafael

Rafael significa Medicina de Deus. O Arcanjo Rafael é citado no Livro de Tobias. No capítulo quinto encontramos o início das aparições: “Tendo saído, deparou-se-lhe o Anjo Rafael, sem demonstrar, todavia, ser um anjo de Deus”. No capítulo seguinte, vemos o Arcanjo, dando instruções a Tobias para apanhar um grande peixe que o tentava devorar. O Anjo ordenou-lhe que o apanhasse e tirasse o fel, que, mais tarde, seria usado para curar o pai Tobite, devolvendo-lhe a visão. No fim da sua missão, o Arcanjo dá-se a conhecer. Apresenta-se como um dos sete Anjos de Deus: “Eu sou Rafael, um dos sete Anjos que estão diante da majestade do Senhor. Bendizei e cantai a Deus. É tempo de voltar para junto d’Aquele que me enviou.” (Tob 12,15.18)

Senhor, dirigi os nossos passos, por meio dos vossos Santos Anjos, no caminho da justiça e da paz!

 

 

Oração Universal

 

Irmãos e irmãs, adoremos o Senhor,

em cuja presença estão multidões de Anjos, servindo-O dia e noite.

Digamos com alegria:

 

Bendizei o Senhor, todos os seus Anjos.

.

 

1.     Deus providente, que mandastes os vossos Anjos

para nos guardar em todos os nossos caminhos,

conduzi-nos pelos vossos caminhos sem mancha de pecado.

 

2.     Pai de bondade, cuja face os nossos Anjos dia e noite contemplam no Céu,

fazei que busquemos continuamente o vosso rosto.

 

3. Anjo da paz, Arcanjo São Miguel, defendei a Igreja com vossa mão amiga.

São Gabriel, núncio da Virgem Maria, trazei-nos a Boa Nova do Evangelho da alegria.

São Rafael, médico celeste, confortai e curai nossos enfermos.

 

 4. Deus de infinita santidade,

cujos filhos são como os Anjos do Céu, 

dai-nos a pureza de corpo e alma.

 

5. Enviai, Senhor,

o grande príncipe Miguel em auxílio do vosso povo,

    para que o defenda no combate contra Satanás e seus anjos.

 

6. Arcanjo São Miguel

conduzi à luz da pátria celeste as almas de todos os fiéis defuntos.

 

Senhor nosso Deus e nosso Pai,

acolhei as nossas orações e fazei de nós verdadeiros adoradores

e concidadãos dos Anjos do Céu.

Pedimos por Jesus Cristo vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Liturgia Eucarística

 

Cântico do ofertório: Com os benditos Anjos, M. Faria, NRMS 11-12

 

Oração sobre as oblatas: Aceitai, Senhor, este sacrifício de louvor e fazei que, pelo ministério dos Anjos, seja levado à presença da Vossa divina majestade e se torne para nós fonte de salvação eterna Por Nosso Senhor.

 

Prefácio dos Anjos: p. 491

 

V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.

 

V. Corações ao alto.

R. O nosso coração está em Deus.

 

V. Dêmos graças ao Senhor nosso Deus.

R. É nosso dever, é nossa salvação.

 

Senhor, Pai santo, Deus eterno e omnipotente, é verdadeiramente nosso dever, é nossa salvação dar-Vos graças, sempre e em toda a parte, por Cristo nosso Senhor. Proclamamos a vossa imensa glória, que resplandece nos Anjos e nos Arcanjos e, honrando estes mensageiros celestes, exaltamos a vossa infinita bondade, porque a veneração que merecem é sinal da vossa incomparável grandeza sobre todas as criaturas.

Por isso, com a multidão dos Anjos que celebram a vossa divina majestade, nós Vos adoramos e bendizemos, cantando numa só voz:

 

 

Santo: F. da Silva, NRMS 38

 

Monição da Comunhão

 

“Nós não temos de lutar contra forças humanas, mas contra os espíritos do mal. Tomai a armadura de Deus e cingi-vos com o cinturão da verdade.” (Ef 6,12.13.14)

“O homem comeu o Pão dos Anjos.” Na comunhão recebemos Jesus, o Pão vivo descido do Céu. Escutemos a voz de Jesus, Senhor dos Anjos e dos Arcanjos e de todos os coros celestes, que nos enche de tranquilidade: “Tende bom ânimo. Eu venci o mundo.” (Jo 16,33)

“O Anjo do Senhor protege os que O temem e defende-o de todos os perigos. Saboreai e vede como o Senhor é bom. Feliz o homem que n’Ele se refugia.” (Salmo 33,8-9)

Obrigado, Senhor meu Deus: “De todo coração, Senhor eu Vos dou graças. Na presença dos Anjos eu Vos adoro, meu Deus.” (cf Salmo 137

 

Cântico da Comunhão: Santos Anjos e Arcanjos, J. Parente, NCT 701

Sl 137, 1

Antífona da comunhão: De todo o coração, Senhor, eu Vos dou graças. Na presença dos Anjos Vos louvarei, meu Deus.

 

Oração depois da comunhão: Senhor, nosso Pai, que nos fortalecestes com o pão do Céu, fazei que, protegidos pelos santos Anjos, sigamos firmemente o caminho da salvação. Por Nosso Senhor.

 

 

Ritos Finais

 

Monição final

 

“Deveis saber que a palavra «Anjo» designa uma função, não uma natureza. Na verdade, aqueles santos espíritos da pátria celeste são sempre espíritos, mas nem sempre se podem chamar Anjos. Só são Anjos quando exercem a função de mensageiros. Os que transmitem mensagens de menor importância chamam-se Anjos; os que transmitem mensagens de maior transcendência chamam-se Arcanjos.
Esta é a razão pela qual à Virgem Maria não foi enviado um Anjo qualquer mas o Arcanjo Gabriel; de facto, era justo que para esta missão fosse enviado um Anjo superior, porque vinha anunciar a maior de todas as mensagens. É pela mesma razão que se lhes atribuem nomes particulares, que designam a missão respectiva que desempenham. Na santa cidade do Céu, onde a visão de Deus omnipotente dá um perfeito conhecimento de tudo, não precisam de nomes próprios para se distinguirem uns dos outros; mas quando vêm realizar alguma missão junto dos homens, são conhecidos pelo nome da função que exercem.
Assim, Miguel significa «Quem como Deus?»; Gabriel, «Fortaleza de Deus»; e Rafael, «Medicina de Deus». Quando se trata de realizar algum mistério que exige um poder especial, verifica se que é Miguel o enviado, para dar a entender, pela sua acção e pelo seu nome, que ninguém pode actuar como Deus. Por isso aquele antigo inimigo, que pela sua soberba pretendeu ser semelhante a Deus, dizendo: Subirei até ao céu, levantarei o meu trono acima dos astros do céu e serei semelhante ao Altíssimo, será abandonado a si mesmo no fim do mundo e condenado ao extremo suplício. É este que São João no Apocalipse nos apresenta a combater contra o Arcanjo Miguel: Travou-se um combate no Céu contra o Arcanjo Miguel. 

À Virgem Maria foi enviado Gabriel, que significa «Fortaleza de Deus», porque veio anunciar Aquele que, apesar da sua aparência humilde, havia de triunfar sobre os poderes superiores. Convinha, de facto, ser anunciado pela «Fortaleza de Deus» Aquele que vinha ao mundo como Senhor dos Exércitos e poderoso nas batalhas. 

Rafael, como dissemos, quer dizer «Medicina de Deus», como se compreende na missão que teve junto de Tobias: tocou-lhe os olhos como um médico e dissipou as trevas da sua cegueira. Por isso, aquele que foi enviado para curar, é chamado «Medicina de Deus».

(Liturgia das Horas, IV, Ofício Leituras, 29 Set. Homilias de São Gregório Magno)

 

Cântico final: Ao Deus do universo, J. Santos, NRMS 1 (I)

 

 

 

 

 

 

 

Celebração e Homilia:         José Roque

Nota Exegética:                     Geraldo Morujão

Sugestão Musical:                Duarte Nuno Rocha

 

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial