DOCUMENTAÇÃO

PAPA FRANCISCO

 

VIAGEM APOSTÓLICA À GEÓRGIA E AZERBAIJÃO

 

 

 

De 30 de Setembro a 2 de Outubro passado, o Papa Francisco realizou uma Viagem Apostólica à Geórgia e ao Azerbaijão, países da região do Cáucaso.

Damos a seguir o comentário que ele mesmo fez na audiência geral da quarta-feira em Roma, em 5 de Outubro passado.

 

 

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

 

No fim de semana passado realizei a viagem apostólica à Geórgia e ao Azerbaijão. Dou graças ao Senhor que mo concedeu e renovo a expressão do meu reconhecimento às Autoridades civis e religiosas destes dois países, de maneira particular ao Patriarca de toda a Geórgia, Elias II – o seu testemunho fez muito bem ao meu coração e à minha alma – e ao Xeque dos Muçulmanos do Cáucaso. Um agradecimento fraterno aos Bispos, aos sacerdotes, aos religiosos e a todos os fiéis que me fizeram sentir o seu caloroso afecto.

Esta viagem foi a continuação e a conclusão daquela que fiz à Arménia, no mês de Junho. Deste modo – graças a Deus! – pude realizar o projecto de visitar os três países caucásicos, para confirmar a Igreja católica que vive ali e para encorajar o caminho daquelas populações rumo à paz e à fraternidade. Evidenciavam-no também os dois lemas desta última viagem: «Pax vobis» para a Geórgia e «Somos todos irmãos» para o Azerbaijão.

Ambos estes países têm raízes históricas, culturais e religiosas muito antigas, mas ao mesmo tempo estão a viver uma fase nova: efectivamente, os dois celebram este ano o 25º aniversário da própria independência, tendo vivido durante uma boa parte do século XX sob o regime soviético. E nesta fase enfrentam diversas dificuldades nos vários âmbitos da vida social. A Igreja católica é chamada a estar presente e próxima, especialmente no sinal da caridade e da promoção humana; e ela procura fazê-lo em comunhão com as outras Igrejas e Confissões cristãs e em diálogo com as demais comunidades religiosas, na certeza de que Deus é Pai de todos, e nós somos irmãos e irmãs.

Na Geórgia, esta missão passa naturalmente através da colaboração com os irmãos ortodoxos, que formam a grande maioria da população. Por isso, foi um sinal muito importante o facto de que, quando cheguei a Tbilisi, encontrei à minha espera no aeroporto, além do Presidente da República, também o venerável Patriarca Elias II. O encontro com ele naquela tarde foi comovedor, como o foi igualmente no dia seguinte a visita à Catedral patriarcal, onde se venera a relíquia da túnica de Cristo, símbolo da unidade da Igreja. Esta unidade é corroborada pelo sangue de numerosos mártires das várias Confissões cristãs. Entre as comunidades mais provadas encontra-se a assírio-caldeia, com a qual vivi em Tbilisi um intenso momento de oração pela paz na Síria, no Iraque e em todo o Médio Oriente.

A Missa com os fiéis católicos da Geórgia – latinos, arménios e assírio-caldeus – foi celebrada na memória de Santa Teresa do Menino Jesus, padroeira das missões: ela recorda-nos que a verdadeira missão nunca é proselitismo, mas atracção a Cristo a partir da forte união com Ele na oração, na adoração e na caridade concreta, que é serviço a Jesus presente no mais pequenino dos irmãos. É o que fazem os religiosos e as religiosas com os quais me encontrei em Tbilisi, como depois também em Baku: fazem-no com a oração e com as obras de caridade e de promoção. Encorajei-os a permanecer firmes na fé, com memória, coragem e esperança. E além disso há as famílias cristãs: como é preciosa a sua presença de acolhimento, acompanhamento, discernimento e integração na comunidade!

Este estilo de presença evangélica como semente do Reino de Deus é, se possível, ainda mais necessário no Azerbaijão, onde a maioria da população é muçulmana e os católicos são poucas centenas, mas graças a Deus têm boas relações com todos e, em particular, mantêm vínculos fraternais com os cristãos ortodoxos. Por isso em Baku, capital do Azerbaijão, vivemos dois momentos que a fé sabe manter na justa relação: a Eucaristia e o encontro inter-religioso. A Eucaristia com a pequena comunidade católica, onde o Espírito harmoniza as diferentes línguas, infundindo a força do testemunho; e esta comunhão em Cristo não impede, ao contrário, impele a buscar o encontro e o diálogo com todos aqueles que acreditam em Deus, para construir juntos um mundo mais justo e fraterno. Nesta perspectiva, dirigindo-me às Autoridades azerbaijanas, fiz votos de que as questões abertas possam encontrar soluções positivas e todas as populações caucásicas vivam na paz e no respeito recíproco.

Deus abençoe a Arménia, a Geórgia e o Azerbaijão, e acompanhe o caminho do seu povo santo, peregrino naqueles países.

 

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial