nossa senhora do carmo

16 de Julho de 2016

 

 

RITOS INICIAIS

 

Cântico de entrada: Ditosa Virgem, Cheia de Graça, J. Santos, NRMS 75

Sedúlio

Antífona de entrada: Salvé, Santa Mãe, que destes à luz o Rei do céu e da terra.

 

Introdução ao espírito da Celebração

 

Hoje, celebramos a festa de Nossa Senhora do Carmo. A Virgem Maria foi escolhida, desde toda a eternidade, para ser a Mãe de Jesus. Na Anunciação, Maria respondeu ao Anjo: “Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra.” Como ela, nós queremos fazer a vontade do Pai celeste, para pertencermos à família de Jesus. “Quem fizer a vontade de meu Pai, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe.” Mat 12, 50.

 

Oração colecta: Venha em nossa ajuda, Senhor, a poderosa intercessão da bem-aventurada Virgem Maria, para que, protegidos pelo seu auxílio, cheguemos ao verdadeiro monte da salvação, Jesus Cristo Nosso Senhor, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Liturgia da Palavra

 

Primeira Leitura

 

Monição: A palavra da Escritura tirada do profeta Zacarias, convida-nos à alegria. “Exulta de alegria, filha de Sião! Eu venho habitar no meio de ti.” Alegremo-nos. Já se cumpriu a profecia. Na plenitude dos tempos, Verbo de Deus fez-se carne no seio de Maria.

 

Zacarias 2, 14-17

 

Exulta e alegra-te, filha de Sião, porque Eu venho habitar no meio de ti – oráculo do Senhor. Nesse dia, muitas nações hão-de aderir ao Senhor elas serão o meu povo

e Eu habitarei no meio de ti. Então reconhecerás que o Senhor do Universo me enviou a ti. O Senhor voltará a possuir Judá, como sua herança na terra santa, e Jerusalém será de novo a cidade escolhida. Cale-se toda a criatura diante do Senhor, porque Ele Se levantou da sua santa morada.

 

A Assíria («o pais do Setentrião») e Babilónia são o exílio de que Deus liberta o seu povo. Este exílio material simboliza a situação de afastamento de Deus (pecado e suas consequências, como o Purgatório) de que a Mãe de Deus nos livra, pelo poder de Deus.

É fácil de descobrir a «acomodação» litúrgica, que ultrapassa o sentido propriamente bíblico.

 

 

Salmo Responsorial    Lc 1, 46-47.48-49.50-51.52-53.54-55

 

Monição: No «Magnificat», Nossa Senhora reconhece que tudo é graça de Deus: 

“O Todo-Poderoso fez em Mim maravilhas.”

Bendita sejais, ò Virgem Maria, que trouxestes em vosso ventre o Filho do eterno Pai

 

Refrão:        Bendita sejais, ó Virgem Maria,

                     que trouxestes em vosso ventre o Filho do eterno Pai.

 

Ou:               Aleluia.                                            

 

A minha alma glorifica o Senhor,

e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador.

 

Porque pôs os olhos na humildade da sua serva,

de hoje em diante me chamarão bem-aventurada todas as gerações.

O todo-poderoso fez em mim maravilhas:

Santo é o seu nome.

 

A sua misericórdia se estende de geração em geração

sobre aqueles que O temem.

Manifestou o poder do seu braço

e dispersou os soberbos.

 

Derrubou os poderosos de seus tronos

e exaltou os humildes.

Encheu de bens os famintos

e aos ricos despediu de mãos vazias.

 

Acolheu Israel, seu servo,

lembrado da sua misericórdia,

como tinha prometido a nossos pais,

a Abraão e à sua descendência para sempre.

 

Aclamação ao Evangelho

 

Monição: “Felizes os que ouvem a palavra de Deus.” (Luc 11,28)

As festas em honra da Virgem Maria trazem-nos sempre muita alegria.

A Mãe de Jesus é Mãe de todos os discípulos de Jesus. Cantemos aleluia!

 

Aleluia

 

Felizes os que ouvem a palavra de Deus

e a põem em prática.

 

Cântico: F. da Silva, NRMS 35

 

 

Evangelho

 

São Mateus 12, 46-50

46Naquele tempo, enquanto Jesus estava a falar à multidão, chegaram sua Mãe e seus irmãos. Ficaram do lado de fora e queriam falar-Lhe. 47Alguém Lhe disse: «Tua Mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar contigo». 48Mas Jesus respondeu a quem O avisou: «Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?». 49E apontando para os discípulos, disse: «Estes são a minha mãe e os meus irmãos: 50todo aquele que fizer a vontade de meu Pai que está nos Céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe».

 

46 «Seus Irmãos». Cf. Mt 13, 55-56 onde se nomeiam Tiago, José, Simão e Judas; os dois primeiros eram filhos de uma mulher chamada Maria, distinta da SS.ma Virgem (Mt 27, 56). Não é admissível que os «irmãos» de Jesus fossem filhos de Nossa Senhora, pois a Igreja sempre defendeu a sua perpétua virgindade. Também não é provável que fossem filhos de S. José. O uso da palavra «irmão» entre os semitas, cujo vocabulário era pobre e reduzido, indicava não apenas os irmãos de sangue, mas também outros graus de parentesco e até todos aqueles que pertenciam à mesma família, clã ou tribo (cf. Gn 13, 8; 14, 14.16; 29, 15; Tb 7, 9-11).

48-50 Na passagem não está em causa o amor de Jesus a sua Mãe. Jesus ensina, desta maneira, que os laços espirituais que nos unem a Deus são superiores e têm direitos e exigências mais urgentes que os laços de sangue (cf. Lc 8, 19). Poderíamos dizer que Jesus ama sua Mãe mais do que pelos vínculos de sangue, pelos da graça; mas a própria maternidade de Maria já é uma graça, a maior de todas e a fonte de todas.

 

Sugestões para a homilia

 

Maria Mãe de Jesus e nossa Mãe

 

Pelo mistério da Encarnação Jesus entrou no mundo, teve uma verdadeira família com laços de sangue, viveu na Palestina e aprendeu a cultura judaica. Sua Mãe chama-se Maria e o Evangelho fala-nos dos irmãos de Jesus: “Quem é Minha Mãe? Quem são os Meus irmãos?” Jesus ama a Sua família. Jesus ama-nos e pediu: O que vos mando é que vos ameis uns aos outros. Deu –nos o Exemplo: “Amou-nos até ao fim.” Podemos contemplar com os olhos da alma o Coração de Jesus cheio de um amor delicado e forte para com Sua Mãe. Mas quando lhe dizem que sua mãe O procura, Jesus olha para os discípulos que o rodeiam e estende as mãos sobre eles. Imaginemos Jesus estendendo a mão sobre os discípulos num gesto cheio de solenidade. Jesus ensina-nos que todos os Seus discípulos de todos os tempos, que O escutam e que O seguem, fazem parte da Sua família: somos seus irmãos. Os laços de sangue, por mais importantes que sejam, não são os mais decisivos no Reino de Deus. Pela fé em Jesus nasce uma nova família composta por milhões de irmãos em todo o mundo. O principal distintivo dos discípulos de Jesus “é fazer a Vontade de Deus Pai.” Entramos na família de Jesus quando estamos em comunhão com Deus e com um número incontável de irmãos e irmãs existentes em toda a terra.

A Virgem Maria, que fez a Vontade de Deus com toda a perfeição, é Mãe de Jesus e nossa Mãe.

 

Hoje invocamos a Mãe de Jesus com o nome de Nossa Senhora do Carmo, padroeira dos carmelitas. A ordem Carmelita caracteriza-se por uma grande devoção à Virgem Maria. Esta devoção remonta aos tempos antigos. Para melhor servir a Deus através da oração, alguns monges passaram a viver no monte Carmelo, imitando o zelo ardente do Profeta Elias pelo Deus de Israel. Foi neste monte que Elias mostrou ao povo que o Deus de Israel é o verdadeiro e único Deus. Quem visita a Terra Santa pode fazer a experiência de subir ao Monte Carmelo, situado na Galileia e admirar um horizonte cheio de beleza. Quem orienta a peregrinação, fala deste Monte como sendo um lugar de oração e através da leitura bíblica do livro dos Reis (I Reis 18, 19-40) recorda-nos a profunda experiência de fé vivida pelo profeta Elias e pelo povo, que viu o fogo divino descer do Céu: “Então caiu fogo do Senhor e consumiu o holocausto, a lenha, as pedras e a água… O povo, prostrou-se por terra e exclamou: Só o Senhor é Deus!” 

No século XIII, com as perseguições na Terra Santa, os Carmelitas vieram para a Europa. Aqui também surgiram muitas dificuldades e obstáculos. Entretanto, São Simão Stock tornou-se Superior Geral da Ordem. S. Simão pediu a Nossa Senhora um sinal de protecção. Nossa Senhora apareceu-lhe com o Menino Jesus ao colo e deu-lhe o escapulário, com a promessa de eterna salvação para todos os que o usassem.

 

 

Oração Universal

 

Irmãos e irmãs, na festa de Nossa Senhora do Carmo,

façamos os nossos pedidos a Deus nosso Pai celeste,

lembrando a Santa Igreja dispersa por toda a terra.

 Rezemos: Santa Maria, rogai por nós

 

1. Para que a Igreja tenha um só coração e uma só alma e persevere em oração com Maria,      Mãe de Jesus, oremos

 

2. Para que as mães fomentem nos seus lares o amor e a santidade da Família de Nazaré, oremos.

 

3. Para que as famílias das nossas comunidades vivam sempre unidas a Jesus,

e cumpram a Sua vontade, oremos, irmãos.

 

4. Para que todos aqueles que estão em perigo sintam a protecção de Nossa Senhora do Carmo, oremos.

 

5. Para que todos os discípulos de Cristo se alegrem por ter Maria como Mãe, oremos.

 

6. Para que as religiosas e os religiosos carmelitas e todas as pessoas consagradas ao Senhor exultem por terem escolhido a melhor parte, oremos.

 

7. Pelos nossos familiares falecidos e pelas almas do Purgatório:

Para que pela intercessão de Nossa Senhora do Carmo alcancem no Céu a felicidade eterna,

oremos.

 

Oremos:

Concedei, Senhor, ao vosso povo, por intercessão da Virgem Santa Maria, Nossa Senhora do Carmo, as graças que Vos pede com humildade. Por Cristo Senhor nosso.

 

 

Liturgia Eucarística

 

Cântico do ofertório: Nossa Senhora da Graça, M. Faria, NRMS 33-34

 

Oração sobre as oblatas: Venha, Senhor, em nosso auxílio o vosso Filho feito homem; Ele, que ao nascer da Virgem Maria, não diminuiu, antes consagrou a integridade de sua Mãe, nos purifique das nossas culpas e Vos torne agradável a nossa oblação. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Prefácio de Nossa Senhora: p. 486 [644-756] e pp. 487-490

 

Santo: F. da Silva, NRMS 38

 

Monição da Comunhão

 

Carmelo quer dizer «jardim do Senhor» ou «vinha de Deus». A vinha do Senhor era a casa de Israel. Agora, somos nós o povo da Nova Aliança. Mais do que jardim de Deus, somos o templo de Deus. Jesus, o Verbo encarnado “faz as suas delícias em habitar dentro de nós” (Prov 8, 31). Sejamos agradecidos.

Nossa Senhora do Carmo, “concedei-me que eu seja fiel ao meu divino Jesus.

Que um dia, a sua voz me chame a voar por entre os eleitos.

Então, terminado o exílio e o sofrimento, repetir-vos-ei lá no Céu

O canto da minha gratidão, amável Rainha do Carmelo.»

(Santa Teresa do Menino Jesus, poesia nº 7)

 

Cântico da Comunhão: Louvada seja na terra, F. dos Santos, NRMS 33-34

cf. Lc 11, 27

Antífona da comunhão: Bendita seja a Virgem Maria, que trouxe em seu ventre o Filho de Deus Pai.

 

Oração depois da comunhão: Senhor, que nos alimentastes neste sacramento celeste, fazei que, celebrando com alegria a festa da Virgem Santa Maria, imitemos as suas virtudes e colaboremos generosamente no mistério da nossa redenção. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Ritos Finais

 

Monição final

 

O escapulário do Carmo é um símbolo da protecção da Mãe de Deus aos seus devotos. No dia 16 de Julho de 1251, Nossa Senhora apareceu a Simão Stock, e disse-lhe: “quem morrer com ele não padecerá no fogo eterno”.

 

O Papa Pio XII reconheceu a tradição de que Nossa Senhora fará com que alcancem a pátria celestial o mais cedo possível, ou o mais tardar no sábado seguinte à morte, aqueles que morrerem com o Santo Escapulário.

 

S. Josemaria Escrivá recomendava: “Traz sobre o peito o santo escapulário do Carmo. Poucas devoções (há muitas e muito boas devoções marianas) estão tão arraigadas entre os fiéis e têm tantas bênçãos dos Pontífices. - Além disso, é tão maternal este privilégio sabatino!” (S. Josemaria Escrivá, Caminho, 500)

 

Cântico final: Gloriosa Mãe de Deus, M. Carneiro, NRMS 33-34

 

 

Celebração e Homilia:         Aurélio A. Ribeiro

Nota Exegética:                    Geraldo Morujão

Sugestão Musical:                Duarte Nuno Rocha

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial