Sagrado Coração de Jesus

DM de or. pelos sacerdotes

10 de Junho de 2016

 

Solenidade

 

RITOS INICIAIS

 

Cântico de entrada: Sagrado Coração de Jesus Redentor, F. Silva, NRMS 93

Salmo 32, 11.19

Antífona de entrada: Os pensamentos do seu coração permanecem por todas as gerações para libertar da morte as almas dos seus fiéis, para os alimentar no tempo da fome.

 

Diz-se o Glória.

 

Introdução ao espírito da Celebração

 

Jesus ficou connosco na Eucaristia. Porque nos ama e nos ama com loucura. Vamos hoje fixar-nos mais atentamente no Seu amor, no Seu Coração.

 

 

 Este amor que nos tem é, tantas vezes, ultrajado pelos pecados dos homens ingratos. Também pelos nossos. Vamos pedir-Lhe perdão.

 

Oração colecta: Concedei, Deus todo-poderoso, que ao celebrar a solenidade do Coração do vosso amado Filho, recordemos com alegria as maravilhas do vosso amor e mereçamos receber desta fonte divina a abundância dos vossos dons. Por Nosso Senhor...

 

ou

 

Deus de bondade, que no Coração do vosso Filho, ferido pelos nossos pecados, nos abristes os tesouros infinitos do vosso amor, fazei que, prestando-Lhe a homenagem fervorosa da nossa piedade, cumpramos também o dever de uma digna reparação.

 

 

Liturgia da Palavra

 

Primeira Leitura

 

Monição: O profeta anuncia que o próprio Deus vem apascentar o Seu povo. Jesus realiza essa promessa. Ele é o Bom Pastor que nos ama, que cuida de cada um de nós.

 

Ezequiel 34, 11-16

11Eis o que diz o Senhor Deus: «Eu próprio irei em busca das minhas ovelhas e hei-de encontrá-las. 12Como o pastor que vigia o rebanho, quando estiver no meio das ovelhas que andavam tresmalhadas, assim Eu cuidarei das minhas ovelhas, para as tirar de todos os sítios em que se desgarraram num dia de nevoeiro e de trevas. 13Arrancá-las-ei de entre os povos e as reunirei dos vários países, para as reconduzir à sua própria terra. 14Apascentá-las-ei nos montes de Israel, nas ribeiras e em todos os lugares habitados do país. Eu as apascentarei em boas pastagens e terão as suas devesas nos altos montes de Israel. Descansarão em férteis devesas e encontrarão pasto suculento sobre as montanhas de Israel. 15Eu apascentarei o meu rebanho, Eu o farei repousar, diz o Senhor Deus. 16Hei-de procurar a ovelha que anda perdida e reconduzir a que anda tresmalhada. Tratarei a que estiver ferida, darei vigor à que andar enfraquecida e velarei pela gorda e vigorosa. Hei-de apascentar com justiça».

 

O texto é tirado da 3ª e última parte do livro de Ezequiel (Ez 33 – 48), um conjunto de oráculos de esperança e de renovação após a destruição de Jerusalém em 587. Depois de ter censurado os maus pastores – os dirigentes de Israel, reis e sacerdotes – que tinham levado o povo à ruína e ao desterro (vv. 1-10), o profeta anuncia que agora vai ser o próprio Deus a dirigir o seu povo, sem mais intermediários. Esta profecia tem o seu pleno sentido em Jesus Cristo. Ele é Deus que vem cuidar de cada uma das suas ovelhas (cf. Jo 10, 1-16): “Eu apascentarei o meu rebanho” (v.15). “Hei-de procurar a ovelha que anda perdida” (v. 16; cf. Lc 15, 4-7 no Evangelho de hoje).

 

Salmo Responsorial    Sl 22 (23), 1-6 (R. 1)

 

Monição: Jesus é o nosso Bom Pastor que queremos seguir e nos leva às boas pastagens e que nos conduz até ao Céus Aclamemo-Lo com alegria.

 

Refrão:        O Senhor é meu pastor:

nada me faltará.

 

O Senhor é meu pastor: nada me falta.

Leva-me a descansar em verdes prados,

conduz-me às águas refrescantes

e reconforta a minha alma.

 

Ele me guia por sendas direitas por amor do seu nome.

Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos,

não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo:

o vosso cajado e o vosso báculo

me enchem de confiança.

 

Para mim preparais a mesa

à vista dos meus adversários;

com óleo me perfumais a cabeça

e meu cálice transborda.

 

A bondade e a graça hão-de acompanhar-me

todos os dias da minha vida

e habitarei na casa do Senhor

para todo o sempre.

 

Segunda Leitura

 

Monição: S.Paulo fala do amor de Cristo pelos homens, por todos e cada um, quando ainda éramos pecadores.

 

Romanos 5, 5b-11

Irmãos: 5O amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. 6Quando ainda éramos fracos, Cristo morreu pelos ímpios no tempo determinado. 7Dificilmente alguém morrerá por um justo; por um homem bom, talvez alguém tivesse a coragem de morrer. 8Mas Deus prova assim o seu amor para connosco: Cristo morreu por nós, quando éramos ainda pecadores. 9E agora, que fomos justificados pelo seu sangue, com muito maior razão seremos por Ele salvos da ira divina. 10Se, na verdade, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, com muito maior razão, depois de reconciliados, seremos salvos pela sua vida. 11Mais ainda: também nos gloriamos em Deus, por Nosso Senhor Jesus Cristo, por quem alcançámos agora a reconciliação.

 

São Paulo pretende fazer ver que o amor de Deus garante ao homem justificado a firmeza da esperança da salvação eterna. Esta esperança é certa, não ilusória. Eis é o raciocínio do Apóstolo: se “quando éramos ainda pecadores” (v.8) e “inimigos” de Deus (v. 10) – antes da conversão –, recebemos a graça da justificação, como é que não havemos de estar seguros “agora que fomos justificados” (v. 9) e “reconciliados” v. 10)? “Com muito maior razão” (vv. 9 e 10) “seremos por Ele salvos da ira divina” – à hora do juízo –, quando os pecadores forem condenados. “Seremos salvos pela Sua vida” (v. 10), isto é, em virtude da vida de Cristo ressuscitado, ao aparecermos diante dele como santos, reconciliados e redimidos por Ele.

5 Ver nota da II Leitura da festa da SS. Trindade deste ano C (atrás).

 

Aclamação ao Evangelho        Mt 11, 29ab

 

Monição: A alegria de Jesus é perdoar. Ele vai à procura da ovelha perdida e trá-la aos ombros. Aproveitemos e agradeçamos esta misericórdia sem limites do Senhor.

 

Aleluia

 

Cântico: F. Silva, NRMS 35

 

Tomai o meu jugo sobre vós, diz o Senhor,

e aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração.

 

 

Evangelho

 

São Lucas 15, 3-7

Naquele tempo, 3disse Jesus aos fariseus e aos escribas a seguinte parábola: 4«Quem de vós, que possua cem ovelhas e tenha perdido uma delas, não deixa as outras noventa e nove no deserto, para ir à procura da que anda perdida, até a encontrar? 5Quando a encontra, põe-na alegremente aos ombros 6e, ao chegar a casa, chama os amigos e vizinhos e diz-lhes: ‘Alegrai-vos comigo, porque encontrei a minha ovelha perdida’. 7Eu vos digo: Assim haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se arrependa, do que por noventa e nove justos, que não precisam de arrependimento».

 

A parábola da ovelha perdida manifesta graficamente o desejo que Deus tem da salvação de todos os pecadores, expresso naquele ir à procura da ovelha perdida, deixando “as noventa e nove no deserto” (v. 4), e na festa com os amigos e vizinhos para celebrar o regresso (v. 6). A realidade, porém, supera incomensuravelmente a parábola, pois não deixava de haver interesse e vantagem pessoal para o pastor que recupera um bem perdido, ao passo que Deus se regozija por puro amor gratuito e desinteressado; mais ainda, a busca da ovelha perdida – do pecador – custou a Jesus Cristo a máxima humilhação e dor, os tormentos indescritíveis da sua Paixão e Morte!

7 “Haverá mais alegria no Céu”. Isto não significa que Deus subestime a perseverança dos justos. De modo nenhum! Mas Jesus apenas quer pôr em evidência como Deus aprecia a conversão de um pecador e como Ele nos quer aliciar ao arrependimento e à confiança mais absoluta na misericórdia do seu Coração, que perdoa sempre, por maiores e mais numerosos que possam ser os nossos pesados. E Ele não se limita a esperar o nosso regresso, mas adianta-se, e anda à nossa procura.

 

Sugestões para a homilia

 

Cristo morreu por nós

Põe-na alegremente aos ombros

 

 

Cristo morreu por nós

 

Celebrar o Santíssimo Coração de Jesus é contemplar o amor infinito de Deus. É contemplar o próprio mistério de Deus, pois “Deus é amor “ (Jo ).

O amor de Deus –dizia S.Paulo-foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado”(2ª leit). Ele deu-nos o Seu Filho que morreu por nós:

Ao recomendar a devoção ao Seu Coração, Jesus quis meter-nos pelos olhos dentro esse amor sem limites que nos tem. Para que confiemos nEle, para que vamos a Ele uma e outra vez pelo nosso arrependimento, sabendo que não põe limites ao Seu perdão, se voltamos de coração contrito.

Para que nos afervoremos no amor e nos desejos de santidade. Sem ficarmos nas meias tintas, na tibieza, na mediocridade. “Profundamente enraizados na caridade – dizia o Apóstolo – podereis compreender a largura, o comprimento, a altura e a profundidade do amor de Cristo que ultrapassa todo o conhecimento e assim sejais totalmente saciados na plenitude de Cristo” (Ef 3,17-19. ).

João Paulo II lembrou repetidas vezes esse caminho de santidade, a que todos somos chamados. Para isso temos de enamorar-nos verdadeiramente de Jesus Cristo. Temos de descobrir a insondável riqueza de Cristo.

S.Josemaria gostava de pôr como dedicatória de livros para os jovens que vinham ter com ele : “Que procures a Cristo, que encontres a Cristo, que ames a Cristo”. De si mesmo dizia que era um pecador que amava loucamente a Jesus Cristo.

Amor com amor se paga – diz o povo. Ao olhar para o Coração de Cristo temos de sentir-nos urgidos a amá-Lo de verdade e amá-Lo sem limites.

Temos de animar os outros a amá-lo também. S.Francisco de Assis clamava por terras de Itália: o Amor não é amado. Que sintamos esta ânsia de que todos conheçam e amem a Cristo. E que essa ânsia se traduza em oração e mortificação pelas almas e em audácia e perseverança no apostolado. “ O zelo é uma loucura divina de apóstolo, que te desejo, e que tem estes sintomas :fome de intimidade com o Mestre ;preocupação constante pelas almas ;perseverança, que nada faz desfalecer (JOSEMARIA ESCRIVÁ,Caminho, 934 ).

 

Põe-na alegremente aos ombros

 

O Coração de Jesus foi aberto pela lança do soldado e o Senhor quis que ficasse aberto para sempre. Jesus, depois da ressurreição, diz a Tomé: “mete a tua mão no meu lado “. O Senhor quis que todos os homens encontrassem guarida no Seu Coração aberto, escancarado para os bons e para os maus.

Ele é a manifestação viva da misericórdia de Deus sempre pronto a perdoar. Jesus é o bom pastor que vai à procura da ovelha perdida e a toma aos ombros com amor para a trazer para o aprisco.

Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, ama-nos com o Seu amor divino infinito; mas ama-nos também com o Seu coração humano, um coração de carne como o nosso. Olhemos muitas vezes para a Santíssima Humanidade de Cristo, que se manifesta nesta devoção ao Sacratíssimo Coração de Jesus. Através desta Santíssima Humanidade é que podemos ir até Deus, penetrar na intimidade da Trindade Santíssima.

Jesus é o caminho para o Pai. “Ninguém vai ao Pai senão por Mim” – disse Ele (Jo 14,6).

Que cultivemos esta amizade com Jesus. Ele é o Amigo, cuja amizade temos de buscar, cultivando o trato com Ele na oração, procurando-O na Santíssima Eucaristia, vivendo bem a nossa missa, oferecendo-nos com Ele ao Pai. Vivendo melhor a nossa comunhão, aproveitando esses minutos que está em nós. Preparando-a e agradecendo-a com a visita e as comunhões espirituais ao longo do dia. Que Lhe telefonemos muitas vezes para o Sacrário. Temos um telemóvel gratuito e que pode funcionar sempre. Cristo é o amigo que não falha, quando precisamos dEle. Que sempre pode valer-nos e que nos convida a bater à Sua porta. “Vinde a Mim todos os que andais sobrecarregados e aflitos e Eu vos aliviarei “ (Mt11,28 )

Que a Virgem nos ensine a corresponder a este amor sem medida que o Senhor tem a cada um de nós.

 

 

Oração Universal

 

Tudo o que pedirdes ao Pai em Meu nome Eu vo-lo darei “ (Jo 14,13 ) – disse Jesus. Porque Ele é o Amigo que sempre nos escuta e que pede por nós e connosco ao Pai. Rezemos, pois, confiantes:

Pela Vossa misericórdia atendei-nos Senhor.

 

1-Pela Igreja Santa de Deus, para que seja em toda a parte manifestação viva e pregoeira do amor de Cristo por todos os homens, oremos, irmãos.

Pela Vossa misericórdia atendei-nos Senhor.

 

 

2-Pelo Santo Padre, para que o Senhor o encha da Sua força e da Sua sabedoria e faça frutificar abundantemente as suas canseiras, oremos, irmãos.

Pela Vossa misericórdia atendei-nos Senhor.

 

 

3-Pelos sacerdotes, para que, cheios do fogo de Cristo, gastem alegremente a sua vida ao serviço de todas as almas, distribuindo generosamente a Sua misericórdia, oremos, irmãos.

Pela Vossa misericórdia atendei-nos Senhor.

 

 

4-Por todos os pecadores, para que descubram no Coração de Jesus a porta aberta para voltar ao lar paterno, onde Deus os espera para lhes perdoar, oremos, irmãos.

 

5-Por todos os cristãos, para que vivam intensamente o Ano da Misericórdia e trabalhem para trazer muitas almas a , oremos, irmãos.

 

6-Pelos jovens, para que saibam responder generosamente aos apelos de Cristo, que chama muitos deles a entregar a vida toda pelos outros, oremos, irmãos.

Pela Vossa misericórdia atendei-nos Senhor.

 

 

7- Pelas almas benditas do Purgatório, para que alcancem rapidamente a felicidade do Céu, oremos, irmãos.

Pela Vossa misericórdia atendei-nos Senhor.

 

 

Senhor, que nos chamastes a uma vida de santidade, fazei que nos enamoremos sempre mais de Jesus Cristos, correspondendo ao Seu amor sem limites. Pelo mesmo N.S.J.C. Vosso Filho, que conVosco vive e reina na unidade do Espírito Santo.

 

 

Liturgia Eucarística

 

Cântico do ofertório: Em redor do Teu altar, M. Carneiro, NRMS 42

 

Oração sobre as oblatas: Olhai, Senhor, para o inefável amor do Coração do vosso Filho e fazei que a nossa oferenda Vos seja agradável e sirva de reparação pelos nossos pecados. Por Nosso Senhor...

 

Prefácio

 

O Coração de Cristo, fonte de salvação

 

V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.

 

V. Corações ao alto.

R. O nosso coração está em Deus.

 

V. Dêmos graças ao Senhor nosso Deus.

R. É nosso dever, é nossa salvação.

 

Senhor, Pai santo, Deus eterno e omnipotente, é verdadeiramente nosso dever, é nossa salvação dar-Vos graças, sempre e em toda a parte, por Cristo, nosso Senhor.

Elevado sobre a cruz, com admirável amor deu a sua vida por nós e do seu lado trespassado fez brotar sangue e água, donde nasceram os sacramentos da Igreja, para que todos os homens, atraídos ao Coração aberto do Salvador, pudessem beber com alegria nas fontes da salvação.

Por isso, com os Anjos e os Santos, proclamamos a vossa glória, cantando numa só voz:

 

Santo, Santo, Santo.

 

Santo: F. da Silva, NRMS 14

 

Monição da Comunhão

 

Jesus dá-se a nós sem reservas na Eucaristia. Tratemo-Lo bem, como o melhor e mais ilustre dos amigos.

 

Cântico da Comunhão: Saboreai como é bom, M. Carneiro, NRMS 93

Jo 7, 37-38

Antífona da comunhão: Se alguém tem sede, venha a Mim e beba, diz o Senhor. Se alguém acredita em Mim, do seu coração brotará uma fonte de água viva.

 

Ou

Jo 19, 34

Um dos soldados abriu o seu lado com uma lança e dele brotou sangue e água.

 

Cântico de acção de graças: Vossos corações exultem, Az. Oliveira, NRMS 90-91

 

Oração depois da comunhão: Fazei, Senhor, que este sacramento do vosso amor nos una sempre mais a Jesus Cristo, vosso Filho, de modo que, inflamados na caridade, saibamos reconhecê-l'O nos nossos irmãos.

 

 

Ritos Finais

 

Monição final

 

Sair da missa é partir fortalecidos pela amizade do melhor dos amigos. Vamos comunicar aos outros a nossa alegria. 

 

Cântico final: Em coro altíssimo, M. Faria, NRMS 14

 

Homilia FeriaL

 

Sábado, 11-VI: S. Barnabé: Realizar a evangelização.

Act 11, 21-26 / Mt 10, 7-13

É que ele (Barnabé) era um homem bom e cheio do Espírito Santo e de fé. E considerável multidão aderiu ao Senhor.

S. Barnabé foi um dos primeiros fiéis da igreja de Jerusalém. Anos depois, foi destacado para pregar o Evangelho em Antioquia e, mais tarde, para acompanhar S. Paulo na sua primeira viagem apostólica.

Graças ao seu trabalho apostólico entre os pagãos muitos se converteram (Leit.). Todos somos evangelizadores, na medida em que encontrámos o amor de Deus em Cristo, e precisamos crescer, procurando uma melhor formação, um aprofundamento do nosso amor e um testemunho mais claro do Evangelho.

 

 

 

 

Celebração e Homilia:         Celestino Correia

Nota Exegética:                    Geraldo Morujão

Homilia Ferial:                      Nuno Romão

Sugestão Musical:                Duarte Nuno Rocha

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial