A PALAVRA DO PAPA

NUNCA VOS CANSEIS DE SER MISERICORDIOSOS *

 

 

 

Queridos irmãos

 

Estes nossos filhos e irmãos foram chamados à ordem do presbiterado. Como vós bem sabeis, o Senhor Jesus é o único sumo sacerdote do Novo Testamento; mas n’Ele também todo o povo santo de Deus foi constituído povo sacerdotal. Contudo, entre todos os seus discípulos, o Senhor Jesus quer escolher alguns em particular, para que exercendo publicamente na Igreja em seu nome o ofício sacerdotal a favor de todos os homens, continuem a sua pessoal missão de mestre, sacerdote e pastor.

Depois de uma madura reflexão, estamos prestes a elevar à ordem dos presbíteros estes nossos irmãos, a fim de que, ao serviço de Cristo mestre, sacerdote e pastor, cooperem para edificar o Corpo de Cristo, que é a Igreja, em povo de Deus e templo santo do Espírito.

Com efeito, eles serão configurados com Cristo sumo e eterno sacerdote, ou seja, serão consagrados como verdadeiros sacerdotes do Novo Testamento, e com este título, que os une no sacerdócio ao seu bispo, serão pregadores do Evangelho, pastores do povo de Deus, e presidirão as acções de culto, especialmente na celebração do Sacrifício do Senhor.

 

Quanto a vós, irmãos e filhos dilectíssimos, que estais para ser promovidos à ordem do presbiterado, considerai que exercitando o ministério da sagrada doutrina sereis participantes da missão de Cristo, único mestre. Proclamai a todos aquela Palavra, que vós próprios recebestes com alegria, das vossas mães, das vossas catequistas. Lede e meditai assiduamente a palavra do Senhor para acreditar naquilo que lestes, para ensinar o que aprendestes na fé, para viver o que ensinastes. Portanto, seja nutrimento para o povo de Deus a vossa doutrina, que não é vossa: vós não sois proprietários da doutrina! É a doutrina do Senhor, e vós deveis ser fiéis à doutrina do Senhor! Por conseguinte, seja nutrimento para o povo de Deus a vossa doutrina, seja alegria e apoio aos fiéis de Cristo o perfume da vossa vida, para que com a palavra e o exemplo edifiqueis a casa de Deus, que é a Igreja.

E assim vós continuareis a obra santificadora de Cristo. Mediante o vosso ministério, o sacrifício espiritual dos fiéis torna-se perfeito, porque unido ao Sacrifício de Cristo, que pelas vossas mãos em nome de toda a Igreja é oferecido de modo incruento sobre o altar na celebração dos santos mistérios.

Portanto, reconhecei o que fazeis, imitai o que celebrais, para que, participando no mistério da morte e ressurreição do Senhor, carregueis a morte de Cristo nos vossos membros e caminheis com ele em novidade de vida.

Com o Baptismo agregareis novos fiéis ao povo de Deus; com o sacramento da Penitência perdoareis os pecados em nome de Cristo e da Igreja. E aqui quero deter-me e pedir-vos, por amor a Jesus Cristo: nunca vos canseis de ser misericordiosos! Por favor! Tende aquela capacidade de perdão que teve o Senhor, o qual não veio para condenar, mas para perdoar! Tende misericórdia, muita! E se tiverdes o escrúpulo de serdes demasiado «perdoadores», pensai naquele santo sacerdote do qual vos falei, que ia diante do tabernáculo e dizia: «Senhor, perdoa-me se perdoei demasiado. Mas foste tu que me deste o mau exemplo!». E eu digo-vos, verdadeiramente: sofro muito quando encontro pessoas que já não vão confessar-se, porque foram maltratadas, repreendidas. Sentiram que as portas da igreja lhes eram fechadas na cara! Por favor, não façais isto: misericórdia, misericórdia! O bom pastor entra pela porta e a porta da misericórdia são as chagas do Senhor: se não entrardes no vosso ministério pelas chagas do Senhor, não sereis bons pastores.

Com o Óleo santo dareis alívio aos enfermos; celebrando os ritos sagrados e elevando nas várias horas do dia as orações de louvor e de súplica, vós sereis a voz do povo de Deus e de toda a humanidade.

 

Cientes de que fostes escolhidos entre os homens e constituídos em seu favor para estar ao serviço das coisas de Deus, exercitai com alegria e caridade sincera a obra sacerdotal de Cristo, pretendendo unicamente agradar a Deus e não a vós mesmos.

E pensai naquilo que dizia Santo Agostinho acerca dos pastores que procuravam agradar a si mesmos, que usavam as ovelhas do Senhor como refeição e para se vestirem, para revestir a majestade de um ministério que não se sabia se era de Deus. Enfim, participando na missão de Cristo, chefe e pastor, em comunhão filial com o vosso Bispo, empenhai-vos por unir os fiéis numa única família, para os conduzir a Deus por meio de Cristo no Espírito Santo. Tende sempre diante dos olhos o exemplo do Bom Pastor, que não veio para ser servido, mas para servir, e para procurar e salvar o que estava perdido.

 

 

 



* Homilia na Missa da ordenação presbiteral na Basílica Vaticana de treze novos sacerdotes (11-V-2014).

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial