aCONTECIMENTOS eclesiais

DO MUNDO

 

 

BRASIL

 

IMPORTÂNCIA DOS

TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS

 

O secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Leonardo Steiner, explica que ao abordar o tráfico humano os Bispos do Brasil querem também reforçar “a importância dos transplantes de órgãos que salvam milhares de vidas.”

 

“Ao abordarmos o tráfico humano lembramos a importância dos transplantes de órgãos que salvam milhares de vidas todos os anos, em todo o mundo”, e “ao combatermos todos os modos de tráfico humano lembramos que a doação de órgãos é sinónimo de esperança de vida! Ela é apoiada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil”.

O também bispo auxiliar de Brasília cita João Paulo II que disse que “a doação de órgãos é o maior gesto de amor ao próximo que pode ser feito por todos nós.”

“A vida humana é um dom e cada pessoa é um filho ou uma filha de Deus, estamos sempre a tentar salvar a vida de pessoas”, por isso “órgãos e tecidos não podem ser comprados nem vendidos e só podem ser doados de forma livre, generosa e altruísta”, sublinha Dom Leonardo Steiner.

“Qualquer tipo de comércio de órgãos é proibido por lei”, alerta o prelado que escreve ainda que “a doação entre pessoas vivas apenas pode ser feita nos casos de parentes próximos e, depois da morte, as famílias precisam de autorizar as doações e, apenas dessa forma, os transplantes poderão ser realizados”.

O secretário-geral da CNBB recorda que “o progresso da medicina tem salvo pessoas através do transplante de órgãos” e que “a fila de espera para um transplante que possa salvar uma vida é grande”; por isso, incita as famílias a falar “sobre a decisão de ser um doador, pois, por inúmeras vezes, a família deixa de autorizar a doação, por não conhecer o desejo do seu ente querido”.

A Campanha Fraternidade foi lançada no passado dia 8 de Março no Brasil pela CNBB e tem como tema “Fraternidade e Tráfico Humano – É para a liberdade que Cristo nos libertou”.

O Papa Francisco escreveu uma mensagem aos brasileiros a propósito desta campanha, onde afirma que “a pessoa humana não se deveria vender e comprar como uma mercadoria” e que “quem a usa e explora, mesmo indirectamente, torna-se cúmplice desta prepotência”.

“Há necessidade de um profundo exame de consciência: quantas vezes tolerámos que um ser humano seja considerado um objecto, exposto para vender ou para satisfazer desejos imorais?”, questionou Francisco na Mensagem enviada aos fiéis brasileiros a propósito da Campanha Fraternidade.

 

 

NIGÉRIA

 

ATAQUES A CATÓLICOS

 

A Conferência Episcopal Nigeriana revelou que mais de 500 católicos foram mortos e 20 igrejas e casas paroquiais destruídas pelo grupo fundamentalista islâmico “Boko Haram”, desde 2009.

 

O balanço foi apresentado por Mons. Oliver Dashe Doeme, bispo de Maiduguri, capital do Estado de Borno, lugar onde a seita foi fundada.

“Os jovens envolvidos nas actividades de ‘Boko Haram’ podem distanciar-se da seita se lhes for dada a oportunidade de o fazer”, refere o prelado.

A Nigéria tem sido palco de vários atentados contra as comunidades cristãs, na sua maioria reivindicados pelo “Boko Haram”, nome em língua hausa que significa “a educação ocidental é pecaminosa”, que pretende a implementação da lei islâmica, a sharia.

 

 

BRASIL

 

MENSAGEM DOS BISPOS

SOBRE O MUNDIAL DE FUTEBOL

 

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou a sua mensagem sobre o Campeonato do Mundo de Futebol que vai ter início em Junho, neste país, lembrando os que foram prejudicados pela preparação desta iniciativa.

 

Os bispos convidam a sociedade brasileira a aderir ao projecto "Copa da Paz" e à Campanha "Jogando a favor da vida - denuncie o tráfico humano", que têm a finalidade de colaborar para que o evento seja "lembrado como tempo de fortalecimento da cidadania".

No texto, intitulado "Jogando pela vida", a CNBB sublinha que a Igreja Católica no Brasil “acompanha, com presença amorosa, materna e solidária, esse grande evento que reunirá vários países e protagonizará a oportunidade de um congraçamento universal".

O Mundial 2014 é visto pelos bispos como “ocasião para reflectir com a sociedade sobre as relações pacíficas e culturais entre todos os povos, bem como sobre os aspectos sociais e económicos que envolvem o desporto, que é harmonia, desde que o dinheiro e o sucesso não prevaleçam como objecto final, conforme alerta o Papa Francisco”.

“Lamentamos que, na preparação para a Copa, esse último aspecto tenha prevalecido sobre os demais, motivando manifestações populares que acertadamente reivindicam a soberania do país, o respeito aos direitos dos mais vulneráveis e efectivas políticas públicas que eliminem a miséria, estanquem a violência e garantam vida com dignidade para todos”, acrescenta a CNBB.

A Igreja Católica no Brasil considera que “não é possível aceitar” que famílias e comunidades inteiras tenham sido removidas para a construção de estádios e de outras obras estruturantes, numa clara violação do direito à habitação, ou que o Mundial “aprofunde as desigualdades urbanas e a degradação ambiental”.

Segundo os prelados, o êxito do Campeonato do Mundo de Futebol, que contará com a presença da selecção de Portugal, deve medir-se pela “garantia de segurança para todos sem o uso da violência, no respeito ao direito às pacíficas manifestações de rua, na criação de mecanismos que impeçam o trabalho escravo, o tráfico humano e a exploração sexual”.

 

 

UNIÃO EUROPEIA

 

EPISCOPADOS RECORDAM

O DEVER DE VOTAR

 

A Comissão dos Episcopados Católicos da União Europeia (COMECE) publicou no passado dia 20 de Março uma declaração para as próximas eleições europeias, que vão decorrer de 22 a 25 de Maio, pedindo a participação dos cidadãos e a defesa do projecto comunitário.

 

“Nós, bispos católicos, apelamos a que o projecto europeu não seja posto em risco ou abandonado na presente situação de dificuldades. É essencial que todos nós – políticos, candidatos, todos os interessados – contribuamos de forma construtiva para moldar o futuro da Europa”, refere o documento.

As eleições para o Parlamento Europeu vão decorrer em Portugal no próximo dia 25 de Maio, por decisão do Presidente da República, anunciada ao país.

“Temos demasiado a perder se o projecto europeu descarrilar. É essencial que todos nós, cidadãos europeus, compareçamos nas urnas de 22 a 25 de Maio”, alerta a COMECE.

A COMECE convida ao debate sobre as “questões socioeconómicas centrais” que irão moldar a União nos próximos anos e lembra os milhões de jovens cidadãos que vão votar pela primeira vez, “estudantes, no mercado de trabalho ou, muitos, infelizmente, desempregados”.

Segundo os bispos, o voto deve seguir os “ditames de uma consciência informada” numa eleição que vai configurar o Parlamento Europeu para os próximos cinco anos e “terá grandes implicações para aqueles que vão conduzir a União”.

“É essencial que os cidadãos da UE participem no processo democrático, por meio do seu voto no dia das eleições. Quanto mais forte a participação eleitoral, mais forte sairá o novo Parlamento”, sublinham os prelados.

A mensagem recorda o aumento de "novos pobres" e defende a promoção de uma “cultura de moderação” que deve “inspirar a economia social de mercado e a política ambiental”.

“Temos de aprender a viver com menos e procurar que as pessoas em situação de pobreza real participem de uma forma mais equitativa na distribuição dos bens”, pode ler-se.

A COMECE retoma algumas das convicções fundamentais da Igreja Católica, frisando que “a vida humana deve ser protegida desde o momento da concepção até à morte natural” e que a família “deve gozar também da protecção de que necessita”.

A declaração elenca temas como o drama dos imigrantes, a necessidade de proteger o meio ambiente, a defesa da liberdade religiosa e do descanso dominical, as alterações demográficas e a crise económica.

 

 

ITÁLIA

 

RELIGIOSA DE 25 ANOS

COM SUCESSO MUSICAL

 

A irmã Cristina Scuccia está a fazer sucesso na Itália após a sua actuação no dia 19 de Março passado, num programa para talentos musicais da Televisão pública, na qual surgiu de hábito a cantar No one, de Alicia Keys.

 

O vídeo da actuação da religiosa ursulina da Sagrada Família, de 25 anos, já tem mais de 3 milhões de visualizações no YouTube e tem sido publicado e comentado nas redes sociais, nos últimos dias.

Natural da Sicília, a jovem irmã surpreendeu os quatro elementos do júri do programa televisivo, quando estes decidiram girar a cadeira para verem a quem pertencia a voz que estavam a ouvir.

Após ter afirmado que era uma “verdadeiríssima” freira, a religiosa foi questionada sobre o que pensariam os superiores hierárquicos da Igreja Católica desta presença num concurso televisivo.

“Não sei, espero um telefonema do Papa Francisco, porque ele convida-nos a sair, a evangelizar, a dizer que Deus não nos tira nada, pelo contrário, dá-nos ainda mais. Eu estou aqui por isso”, disse a irmã Cristina, que justificou a presença no programa com o seu “dom” da música.

A jovem descobriu a sua vocação religiosa em 2008, ao participar num musical em que interpretava o papel da fundadora das Ursulinas da Sagrada Família, a irmã Rosa Rocuzzo.

Em 2010 decidiu entrar na congregação e fazer o noviciado no Brasil, onde usou o talento musical para superar a barreira linguística.

A “monja soul”, como é apresentada pela imprensa italiana, vai continuar a sua participação no programa televisivo com a equipa do rapper “J-Ax”, que se emocionou com a actuação.

Em 2003, Cristina Scuccia venceu o “Good News Festival”, concurso musical de inspiração cristã que nasceu no contexto da Pastoral Juvenil do Vicariato de Roma. Em entrevista à Televisão da Conferência Episcopal Italiana, falou do seu sonho de ser cantora, após ter-se afastado da Igreja na adolescência, que se transformou numa vocação religiosa após o musical A coragem de amar, dedicado ao nascimento das Ursulinas da Sagrada Família, no centenário da sua fundação.

A congregação fundada por Rosa Rocuzzo é um dos ramos da família espiritual de Santa Ângela Merici, que no século XVI iniciou o trabalho das irmãs ursulinas na Itália.

 

 

CHINA

 

FALECEU

BISPO DE XANGAI

 

Mais de 5 mil fiéis participaram no passado dia 22 de Março no funeral do bispo da Diocese de Xangai, Mons. José Fan Zhongliang, S.J., falecido a 16 de Março, aos 96 anos.

 

Nascido em 1918, o sacerdote chinês entrou em 1938 na Companhia de Jesus e foi ordenado sacerdote em 1951; quatro anos depois, foi preso por “crimes contra-revolucionários” junto com o então bispo de Xangai, Mons. Inácio Gong Pinmei e outros sacerdotes.

Em 1958, foi condenado a vinte anos de prisão, que cumpriu no campo de trabalho na remota província de Qinghai.

No ano de 2000, com a morte do cardeal Gong Pinmei, exilado nos Estados Unidos, o bispo Fan Zhongliang tornou-se o seu sucessor como ordinário de Xangai, mas nunca foi reconhecido pelas autoridades chinesas e, por isso, exerceu sempre o seu ministério episcopal na clandestinidade. Amado e respeitado pela comunidade católica chinesa, Mons. José Fan sempre se mostrou empenhado em servir a Igreja, não obstante as grandes dificuldades para realizar o seu ministério.

 

 

MOÇAMBIQUE

 

PRÉMIO PARA

MISSIONÁRIO DEHONIANO

 

O sacerdote e cirurgião Aldo Marchesini, missionário italiano em Moçambique, foi distinguido pelas Nações Unidas com o World Population Award, destinado a premiar o trabalho por melhores condições de saúde das populações.

 

A entrega do prémio está marcada para o próximo dia 12 de Junho, em Nova Iorque.

A ONU destaca o trabalho do missionário dehoniano na área da obstetrícia, sem nunca ter deixado Moçambique durante a guerra civil, na qual foi raptado e preso várias vezes.

O padre Aldo Marchesini trabalha em Moçambique há mais de 40 anos, onde se tem dedicado ao tema da população e à assistência médica aos doentes nos hospitais por onde tem desenvolvido a sua actividade profissional.

A província portuguesa dos Sacerdotes do Coração de Jesus (dehonianos) recorda que o sacerdote é seropositivo, tendo sido infectado com o vírus da imunodeficiência humana ao operar uma mulher seropositiva que estava a dar à luz.

“O facto de ser seropositivo não o afasta das missões: em vez de ficar em Itália a cuidar da sua saúde, preferiu regressar a Moçambique e, junto dos colegas, enfermeiros e doentes, mostrar que é possível combater esta terrível doença que mata milhares de pessoas em Moçambique e no mundo inteiro”, destacam os religiosos portugueses.

 

 

LÍBANO

 

ENCONTRO DE ORAÇÃO

CRISTÃO-ISLÂMICO

 

O Papa Francisco enviou uma mensagem aos participantes do encontro de oração cristão-islâmico que terminou no passado dia 26 de Março no Líbano, onde manifesta a sua satisfação em ver cristãos e muçulmanos unidos pela devoção à Virgem Maria.

 

Trata-se da 8ª edição do encontro que se realiza por ocasião da Festa da Anunciação do Senhor, celebrada no dia 25 de Março, feriado nacional no Líbano desde 2010.

Na mensagem, o Papa Francisco manifesta “a sua satisfação em ver cristãos e muçulmanos unidos pela devoção à Virgem Maria”, dado que “o Santuário de Nossa Senhora do Líbano, em Harissa, é um lugar abençoado, onde todos podem invocá-la”.

O Papa Francisco reitera ainda as palavras do Beato João Paulo II quando visitou o Líbano em 1997: "Junto convosco, confio a Nossa Senhora do Líbano todos os filhos e filhas desse país. Ó Virgem santíssima, concede a este povo de origem antiga, mas sempre jovem, manter-se digno herdeiro da sua ilustre história, construindo com dinamismo o seu futuro no diálogo entre todos, no respeito mútuo dos diferentes grupos, na concórdia fraterna".

O secretário do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, padre Miguel Ángel Ayuso Guixot, destacou a devoção comum entre cristãos e muçulmanos à Virgem Maria, mencionada várias vezes no Alcorão, afirmando que “ela é um modelo de diálogo porque nos ensina a crer, não se detém nas certezas, mas abre-se aos outros e permanece disponível”.

 

 

IRLANDA

 

LEGIÃO DE MARIA,

ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE FIÉIS

 

A Santa Sé reconheceu no passado dia 27 de Março como “associação internacional de fiéis” a Legião de Maria, movimento de leigos católicos que em Portugal conta com cerca de 35 mil membros.

 

Na cerimónia de entrega do decreto oficial da Santa Sé, o secretário do Conselho Pontifício para os Leigos destacou o trabalho que a obra tem desempenhado em todos os continentes, através da formação e mobilização de milhares de grupos, no apoio aos mais desfavorecidos e na evangelização das comunidades mais afastadas da fé.

Para o arcebispo Mons. Josef Clemens, a Legião de Maria é um exemplo de como o compromisso missionário pode ser vivido e conciliado com “os afazeres quotidianos na família e nos locais de trabalho”.

“Toda a história da Legião de Maria é um maravilhoso testemunho de fé: fé na omnipotência de Deus, fé na força da oração a Maria” e “um testemunho vivo de quanto Deus pode fazer através dos corações humildes”, referiu.

O movimento nasceu em 1921 em Dublin, na Irlanda, por iniciativa de Frank Duff, um funcionário das Finanças que mais tarde assumiu o cargo de secretário particular do Ministério da Defesa irlandês.

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial