aCONTECIMENTOS eclesiais

DO MUNDO

 

 

ESLOVÁQUIA

 

PADRE DUARTE CUNHA

CONTINUA NA CCEE

 

O padre português, Duarte da Cunha, foi reeleito no passado dia 4 de Outubro secretário-geral da Confederação das Conferências Episcopais Europeias (CCEE), para um segundo mandato de cinco anos.

 

A assembleia plenária anual da CCEE decorreu em Bratislava, capital da Eslováquia. Desta forma, o presidente da CCEE, o Cardeal Peter Erdö – juntamente com os vice-presidentes Cardeal Angelo Bagnasco e arcebispo Józef Michalik, e os Presidentes das Conferências Episcopais – manifestaram o seu apreço pelo trabalho realizado pelo padre Duarte da Cunha e agradeceram-lhe “pela disponibilidade em servir por um segundo mandato”.

A assembleia agradeceu também ao Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, pela sua generosidade em permitir que um dos seus sacerdotes possa servir a Igreja na Europa.

O padre Duarte da Cunha nasceu a 1 de Junho de 1968, foi ordenado sacerdote do Patriarcado de Lisboa em 1993 e, depois da licenciatura em Teologia na Universidade Católica Portuguesa, fez o doutoramento na Pontifícia Universidade Gregoriana sobre “A amizade na obra de S. Tomás de Aquino”.

 

 

ROMA

 

35.º ANIVERSÁRIO DA ELEIÇÃO

DO PAPA JOÃO PAULO II

 

O cardeal português D. Manuel Monteiro de Castro considera que o Papa João Paulo II, que foi eleito há 35 anos, em 16 de Outubro de 1978, foi a “personalidade mais relevante” do século XX, a nível mundial.

 

“João Paulo II é a personalidade mais relevante no decorrer do século XX: levou a palavra de Deus, a palavra de fraternidade, de amor, de tranquilidade, de serenidade e bem-estar a todos os continentes”, refere o antigo diplomata da Santa Sé.

Karol Wojtyla, nasceu em Wadowice (Polónia), a 18 de Maio de 1920, e morreu no Vaticano, a 2 de Abril de 2005.

D. Manuel Monteiro de Castro teve oportunidade de receber o Papa polaco na sua primeira visita ao México e acompanhou-o ainda nas viagens às Caraíbas, a San Salvador, Espanha e Portugal.

Falando numa pessoa “inesquecível”, o Penitenciário-Mor emérito da Santa Sé destaca a “vigorosa acção” desenvolvida por João Paulo II “na Igreja e também no mundo político e diplomático”.

O cardeal português sublinha, em particular, as “104 viagens por todo o mundo, que tiveram a participação de enormes multidões, e a criação das Jornadas Mundiais da Juventude, que ainda hoje têm um grande sucesso”, bem como a “grande devoção” a Fátima.

O Papa polaco foi beatificado por Bento XVI, seu sucessor, a 1 de Maio de 2011 e vai ser canonizado a 27 de Abril de 2014, por decisão do Papa Francisco.

A Igreja Católica celebra a memória litúrgica de João Paulo II a 22 de Outubro, data que assinala o dia de início de pontificado de Karol Wojtyla, em 1978, pouco depois de ter sido eleito Papa.

Na habitual resenha biográfica que é apresentada no calendário dos santos e beatos, João Paulo II é lembrado pela “extraordinária solicitude apostólica, em particular para com as famílias, os jovens e os doentes, o que o levou a realizar numerosas visitas pastorais a todo o mundo”.

 

 

EUROPA

 

BISPOS CATÓLICOS ANTE

EXTENSÃO LEGAL DO ABORTO

 

A Comissão dos Episcopados Católicos da Comunidade Europeia (COMECE) afirmou no passado dia 22 de Outubro que a decisão sobre a legalização do aborto nos Estados-membros é da competência de cada país, pedindo que as organizações comunitárias respeitem esta decisão.

 

“Em numerosos Estados-membros, o aborto é ilegal: em consideração da dignidade humana e partindo da convicção de que o direito à vida é absoluto, o aborto está aí interdito por lei. A União Europeia deveria respeitar e não interferir em decisões que não são da sua competência”, assinala o organismo dos Episcopados.

A posição foi assumida no dia em que o Parlamento Europeu ia discutir uma resolução sobre “saúde e direitos sexuais e reprodutivos”, que incluía entre as suas propostas a legalização do aborto.

“Os cidadãos europeus não devem ser induzidos em erro”, sustenta a COMECE, para quem esta matéria está regulada pelo Tratado de Lisboa, segundo o qual “a acção da União Europeia é conduzida no respeito pelas responsabilidades dos Estados-membros no que diz respeito à definição da sua política de saúde”.

“Tendo em vista as próximas eleições para o Parlamento Europeu, os cidadãos precisam de ter a certeza de que a União Europeia se vai limitar às suas competências legais”, conclui a nota dos bispos católicos.

A votação do relatório da portuguesa Edite Estrela sobre os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres na UE, acabou por ser adiada. O relatório inclui uma opinião contrária, na qual se afirma que “a proposta de resolução viola o Tratado da União Europeia e não deve ser usado para introduzir o direito ao aborto”.

Os eurodeputados decidiram reenviar o documento para a comissão parlamentar dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros, para ser novamente analisado.

 

 

NAÇÕES UNIDAS

 

VATICANO DEFENDE

DIREITO DE NASCER

 

O arcebispo Francis Chullikatt, observador permanente da Santa Sé na Organização das Nações Unidas, defendeu no passado dia 22 de Outubro no Comité dos Direitos da Criança que “sem a vida, todos os outros direitos são desprovidos de significado”.

 

"Deve ser garantido a todas as crianças, em primeiro lugar, o direito de nascer e o Estado tem o dever de adoptar medidas concretas para auxiliar os pais” a ajudarem os seus filhos a crescer "em condições de liberdade e dignidade", defendeu o arcebispo na reunião que decorre em Nova Iorque.

A família tem o “papel insubstituível” de proteger as crianças e situações de “pobreza, desemprego, doença, dificuldade de ter acesso aos serviços sociais por causa de discriminações e exclusão” dificultam a capacidade de os pais cuidarem dos filhos.

“Distúrbios mentais e de comportamento, conflitos, toxicodependências e violência doméstica” são outras situações que também afectam os progenitores em providenciar um ambiente “harmonioso e seguro”, exemplificou Mons. Francis Chullikatt.

Citando o preâmbulo da “Convenção dos Direitos da Criança”, o arcebispo relembrou que “o feto é um membro da família humana e não pertence a nenhuma subcategoria de seres humanos”.

Por isso, o diagnóstico pré-natal que decida se a criança pode nascer é “incompatível com a Convenção”, uma vez que “deve ser garantido a toda criança o direito de nascer sem nenhuma discriminação”, seja de sexo, deficiência ou eugenética.

Na reunião, o arcebispo Chullikat contestou ainda o facto do Comité dos Direitos da Criança promover o aborto “como método de planeamento familiar”, de oferecer informações ou serviços de saúde sexual e reprodutiva sem considerar “as objecções de consciência dos agentes de saúde”.

"Nenhum aborto jamais é seguro porque elimina a vida da criança e prejudica a mãe", concluiu o representante do Vaticano, que pediu à Comunidade Internacional que defenda a Convenção dos Direitos da Criança, que é uma das mais ratificadas.

 

 

ALEMANHA

 

BISPO AFASTADO POR

DESPESAS EXCESSIVAS

 

Depois de várias e intensas controvérsias levantadas na Alemanha por causa dos gastos excessivos na reforma da sua residência, o bispo da diocese alemã de Limburg Mons. Franz-Peter Tebartz-van Elst, foi afastado da sua diocese.

 

Num comunicado, a Sala de Imprensa da Santa Sé afirma que “o Santo Padre foi informado ampla e objectivamente sobre a situação na diocese de Limburg (...) onde veio a criar-se uma situação em que o bispo, Mons. Franz-Peter Tebartz-van Elst, não pode no momento presente exercer o seu ministério episcopal”.

Uma pequena comissão foi criada para investigar o prelado, que é acusado de ter empregado uma soma de 31 milhões de euros para reformar a residência episcopal. Diz o comunicado: "Depois da visita fraterna de Sua Eminência, o cardeal Giovanni Lajolo, no mês de Setembro, a Conferência Episcopal Alemã, após acordo com o bispo e com o Capítulo da Catedral de Limburg, constituiu uma comissão para realizar uma análise minuciosa da construção da sé episcopal”.

“Enquanto se esperam os resultados das investigações sobre as responsabilidades a este respeito, a Santa Sé considera apropriado autorizar a Sua Excelência, Mons. Franz-Peter Tebartz-van Elst, a um período de permanência fora da diocese (…). Por decisão da Santa Sé, entra em vigor a partir de hoje a nomeação de Wolfgang Rösch como vigário geral”. Rösch, que já estava nomeado para assumir as funções da Vigararia geral da diocese a partir de 1 de Janeiro de 2014, administrará desde agora a diocese de Limburg durante a ausência do bispo, “com os poderes anexos ao cargo”.

O bispo Van-Elst tinha viajado a Roma para se encontrar com o Papa Francisco. O Papa recebeu-o no passado dia 22 de Outubro, após consultar, nos dias anteriores, o presidente da Conferência Episcopal Alemã, Mons. Robert Zollitsch, e o arcebispo de Colónia, cardeal Joachim Meisner.

 

 

BIRMÂNIA

 

PRÉMIO NOBEL DA PAZ

RECEBIDA PELO PAPA

 

O Papa Francisco recebeu no passado dia 28 de Outubro no Vaticano a líder birmanesa Aung San Suu Kyi, Prémio Nobel da Paz 1991, valorizando o seu trabalho “pela democracia e pela paz”.

 

De acordo com o porta-voz da Sala de Imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi, o Papa Francisco manifestou “todo o seu apreço pelo envolvimento da senhora no desenvolvimento da democracia no país, assegurando o empenhamento da Igreja nesta causa, sem fazer qualquer tipo de discriminação, porque a Igreja está ao serviço de todos com as suas actividades de caridade”.

O padre Lombardi disse também que o Papa exprimiu “grande sintonia” com San Suu Kyi em temas como “a cultura do encontro e o diálogo inter-religioso”, referindo que a líder da oposição birmanesa é uma pessoa “carregada de simbolismo para todo o mundo asiático” e não só.

Aung San Suu Kyi foi homenageada em Roma com o título de “Cidadã Romana”, pelo presidente da Câmara, tendo sido recebida também pelo primeiro-ministro italiano, Enrico Letta, e o presidente da República de Itália, Giorgio Napolitano.

Em declarações aos jornalistas, San Suu Kyi recordou o diálogo com o Papa Francisco, onde afirmaram a necessidade de “valorizar o amor e a compreensão para melhorar a vida dos povos”.

 

 

MÉXICO

 

FALECEU

PADRE LARRAÑAGA

 

O padre Ignacio Larrañaga faleceu no passado dia 28 de Outubro aos 84 anos, no México, onde se encontrava a orientar retiros espirituais – informaram os Franciscanos Capuchinhos do Chile.

 

O padre Ignacio Larrañaga nasceu a 4 de Maio de 1928, em Espanha, pertencia à Ordem dos Frades Menores Capuchinhos e era conhecido pelos seus livros, publicados em dez idiomas, conferências e retiros espirituais que orientava.

Da sua obra destacam-se livros como “Mostra-me o teu rosto”, “O irmão de Assis” ou “Sobe Comigo”.

Ignacio Larrañaga foi ordenado sacerdote em Pamplona, e depois foi enviado ainda muito jovem para o Chile.

Em 1965 fundou o Centro de Estudos Franciscanos e Pastorais para a América Latina e em 1974, no Brasil, começou a sua acção missionária através dos “Encontros de Experiência com Deus”, retiros de seis dias que orientou durante 23 anos.

O padre Ignacio Larrañaga fundou em 1984 as “Oficinas de Oração e Vida”, serviço eclesial aprovado pela Santa Sé desde 1997, considerada a mais importante da sua vida, à qual dedicou aproximadamente dez anos na consolidação.

 

 

NAÇÕES UNIDAS

 

VATICANO SUGERE MODO DE

COMBATE À FOME NO MUNDO

 

O observador permanente da Santa Sé na ONU, o arcebispo indiano Francis Chullikatt, afirmou no passado dia 29 de Outubro na 68.ª sessão da Assembleia Geral, em Nova Iorque, que é necessário promover o combate à “fome no mundo, superando as exclusões sociais, promovendo justiça e respeito por todo o ser humano”.

 

O representante do Vaticano explicou que “a fome, como todas as formas de pobreza, é causada pela exclusão social” e afirmou ainda que “os actuais níveis de produção são suficientes para que todos possam alimentar-se, mas milhões de pessoas ainda padecem fome”.

O arcebispo considerou o problema da fome “vergonhoso”, argumentando que “1,3 bilião de tonelada de alimento é desperdiçado a cada ano” e recordou as palavras do Papa Francisco: “Quando o alimento é desperdiçado, é roubado da mesa dos pobres”.

O representante do Vaticano na ONU apontou perspectivas para uma distribuição correcta dos alimentos, apelando ao princípio da subsidiariedade, que se traduz na possibilidade assegurar “o máximo da participação” em “actividades humanas de nível mais local e directo”, explicando que, neste aspecto, “as instituições maiores têm a responsabilidade de dar apoio às menores”.

Mons. Chullikatt ressalvou ainda que mais importante que fornecer alimento directamente às pessoas, é “ajudá-las a serem auto-suficientes”

 

 

ANGOLA

 

DELIBERAÇÕES DA

CONFERÊNCIA EPISCOPAL

 

Sob a presidência de D. Gabriel Mbilingi, arcebispo de Lubango, a Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) encerrou no passado dia 30 de Outubro a sua assembleia plenária, em Luanda, tendo aprovado a Mensagem Pastoral “Missionários enraizados em Cristo” e a Nota Pastoral sobre a defesa da vida humana (ver Secção “Documentação).

 

Além disso, a CEAST designou como Magno Chanceler da Universidade Católica de Angola o arcebispo de Saurimo, D. José Manuel Imbamba, e como Reitor o Padre Doutor José Vicente Cacuchi, que estivera em Lisboa à frente da paróquia de São Mamede.

Os prelados renovaram a solidariedade para com os concidadãos que ainda se encontram sob o flagelo da fome e sede no Sul do país, tendo reiterado o apelo no sentido de se continuar com a campanha de apoio a seu favor.

Constatando algumas dificuldades nas relações entre algumas dioceses e Institutos Religiosos, afirmou-se a necessidade de se privilegiar a celebração de convénios, tendo recomendado maior fluidez na comunicação entre a Conferência dos religiosos e a CEAST e tendo saudado e aplaudido a disponibilidade para a missão nas zonas mais recônditas do país manifestada pelos religiosos.

Visto que o fenómeno de crianças acusadas de feitiçaria continua em algumas dioceses do norte do País, os Bispos recomendam um estudo multidisciplinar entre antropólogos, psicólogos, sociólogos e teólogos a fim de se determinar a base cultural que origina tais situações anómalas, apostando também na catequese e educação.

No domingo dia 27, numa solene Celebração Eucarística na Praça da paróquia de Nossa Senhora de Fátima, os Bispos encerraram oficialmente o Ano da Fé com o renovado compromisso de levar Jesus Cristo, nosso único Salvador, a todos os recantos do nosso País.

Após o relato sobre a profanação ocorrida no Santuário de Nossa Senhora da Conceição da Muxima no domingo dia 27 de Outubro, por um grupo da seita “Igreja profética da arca de Belém judaica” durante a qual foi profanado o Santuário e destruída a imagem multissecular de Nossa Senhora da Muxima e mutilados o grande crucifixo e outras imagens e alfaias litúrgicas, os Bispos solidarizam-se com o Bispo de Viana e com todos os cristãos de Angola que se revêem na devoção à Mamã Muxima, tendo repudiado e condenado veementemente tal acção que mancha e contraria os preceitos do Evangelho, do respeito e da convivência pacífica.

Face às ameaças à fé católica, os Bispos recomendam a todos os fiéis maior formação espiritual e às autoridades maior atenção e controle dos movimentos religiosos pelas consequências sociais e culturais que podem descaracterizar a sociedade angolana.

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial