Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo

 

Missa do Dia

25 de Dezembro de 2013

 

 

RITOS INICIAIS

 

Cântico de entrada: Nasceu hoje de Maria, J. Santos, NRMS 108

Is 9,6

Antífona de entrada: Um Menino nasceu para nós, um Filho nos foi dado. Tem o poder sobre os seus ombros e será chamado Conselheiro admirável.

 

Diz-se o Glória.

 

Introdução ao espírito da Celebração

 

O mistério do Natal é tão rico que a Igreja distribui a sua celebração por quatro missas com textos diferentes: a da vigília acentua o nascimento de Jesus como realização da promessa feita aos antigos patriarcas hebreus; a da meia-noite é a «Missa dos Anjos», a da manhã é «Missa dos pastores», esta «Missa do dia» é a do Verbo.

Nesta Missa não aparece o presépio. Vamos concentrar a atenção no mistério eterno do Verbo que se fez homem e salvador do mundo.

 

Toda a celebração cristã exige humildade e admiração, e essas atitudes são especialmente necessárias neste dia. A esses sentimentos acrescentaremos o louvor e a gratidão que vamos exprimir no canto do Glória

 

Senhor que fostes enviado pelo Pai a realizar o plano eterno de salvação,

Perdoai o nosso alheamento ao vosso amor:

Senhor, tende piedade de nós.

Cristo, que quisestes nascer na humildade e na pobreza,

Perdoai a nossa indiferença pelos vossos gestos:

Cristo, tende piedade de nós.

Senhor, que pela Páscoa sublimastes o vosso amor ao mundo,

Perdoai a banalidade do nosso amor:

Senhor, tende piedade de nós.

 

Glória

 

Oração colecta: Senhor nosso Deus, que de modo admirável criastes o homem e de modo ainda mais admirável o renovastes, fazei que possamos participar na vida divina do vosso Filho que Se dignou assumir a nossa natureza humana. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Liturgia da Palavra

 

Primeira Leitura

 

Monição: Após meio século de exílio do antigo povo de Israel, o profeta Isaías anuncia o regresso do povo a Jerusalém ou Sião, ao culto solene no templo e a um lugar honroso entre os outros povos.

Este anúncio realizar-se-á de modo pleno na vinda do Verbo de Deus ao mundo

 

Isaías 52, 7-10

7Como são belos sobre os montes os pés do mensageiro que anuncia a paz, que traz a boa nova, que proclama a salvação e diz a Sião: «O teu Deus é Rei». 8Eis o grito das tuas sentinelas que levantam a voz. Todas juntas soltam brados de alegria, porque vêem com os próprios olhos o Senhor que volta para Sião. 9Rompei todas em brados de alegria, ruínas de Jerusalém, porque o Senhor consola o seu povo, resgata Jerusalém. 10O Senhor descobre o seu santo braço à vista de todas as nações e todos os confins da terra verão a salvação do nosso Deus.

 

Esta página maravilhosa de Isaías que se refere à boa nova do fim do desterro trazida a Jerusalém pelos «belos pés do mensageiro que anuncia a paz», serve, na Liturgia de hoje, como de um hino triunfal a Cristo que vem à terra.

10 «O Senhor descobre o seu santo braço». Antropomorfismo que contém uma expressiva e frequente metáfora: o braço designa o poder e a força. Descobrir o braço é manifestar o poder.

 

Salmo Responsorial    Salmo 97 (98), 1.2-3ab.3cd-4.5-6 (R. 3c)

 

Monição: A salvação que o Verbo de Deus nos trouxe não se restringe a uma nação, mas tem uma dimensão universal. Por isso cantamos com «todos os povos da terra».

 

Refrão:        Todos os confins da terra

viram a salvação do nosso Deus.

 

Cantai ao Senhor um cântico novo

pelas maravilhas que Ele operou.

A sua mão e o seu santo braço

Lhe deram a vitória.

 

O Senhor deu a conhecer a salvação,

revelou aos olhos das nações a sua justiça.

Recordou-Se da sua bondade e fidelidade

em favor da casa de Israel.

 

Os confins da terra puderam ver

a salvação do nosso Deus.

Aclamai o Senhor, terra inteira,

exultai de alegria e cantai.

 

Cantai ao Senhor ao som da cítara,

ao som da cítara e da lira;

ao som da tuba e da trombeta,

aclamai o Senhor, nosso Rei.

 

Segunda Leitura

 

Monição: Deus nunca se separa da história do mundo, é um Deus interventor, e consumou as intervenções dos profetas ao enviar ao mundo o Filho, unindo a humildade do presépio a maior humildade na cruz.

 

Hebreus 1, 1-6

1Muitas vezes e de muitos modos falou Deus antigamente aos nossos pais, pelos Profetas. 2Nestes dias, que são os últimos, falou-nos por seu Filho, a quem fez herdeiro de todas as coisas e pelo qual também criou o universo. 3Sendo o Filho esplendor da sua glória e imagem da sua substância, tudo sustenta com a sua palavra poderosa. Depois de ter realizado a purificação dos pecados, sentou-Se à direita da Majestade no alto dos Céus 4e ficou tanto acima dos Anjos quanto mais sublime que o deles é o nome que recebeu em herança. 5A qual dos Anjos, com efeito, disse Deus alguma vez: «Tu és meu Filho, Eu hoje Te gerei»? E ainda: «Eu serei para Ele um Pai e Ele será para Mim um Filho»? 6E de novo, quando introduziu no mundo o seu Primogénito, disse: «Adorem-n’O todos os Anjos de Deus».

 

Hebreus, o célebre escrito doutrinal e exortatório, começam com um prólogo solene que nos situa, sem rodeios, perante a suma dignidade da pessoa de Jesus Cristo, à semelhança do prólogo do Evangelho de S. João. Começa por mostrar que é n’Ele que o Pai nos fala e se revela de modo exaustivo e definitivo, em contraste com toda a revelação anterior, fragmentária, variada e feita numa fase da história da salvação já superada. «Falou-nos por seu Filho», por isso a história da salvação chegou ao seu apogeu e plenitude, de modo que já não há lugar para mais nenhuma revelação ulterior (cf. DV, 4). Como observa S. João da Cruz, o Pai tendo-nos dito a sua própria Palavra, já não tem mais outra palavra para nos dizer (cf. Subida ao Monte Carmelo, 2, 22).

3 «Esplendor da glória de Deus. Fórmula muito expressiva no original, mas dificilmente traduzível em toda a sua riqueza. O Filho é a irradiação da substância do Pai, distinto d’Ele, mas da mesma substância; é «Deus de Deus, luz de luz», como diz o símbolo de Niceia para exprimir a processão, ou origem do Filho no Pai, sendo com Ele um mesmo e único Deus.

«Imagem do ser divino». À letra, «reprodução da sua essência». Mais que imagem, quer significar, no original, a marca deixada pelo sinete no lacre, por um selo branco no papel, ou pela matriz na moeda cunhada. O Filho identifica-se com o Pai, quanto ao ser divino, mas esta imagem põe em evidência sobretudo a distinção de Pessoas na igualdade, como o cunho se distingue do objecto cunhado. A primeira expressão visa mais a identidade da natureza («esplendor», ou luz e irradiação).

 

Aclamação ao Evangelho       

 

Monição: O cântico do Aleluia aproxima o Natal da Páscoa. O Evangelho desta missa de Natal não fala do presépio, mas sobe até ao mistério eterno de Deus para nos falar da divindade de Jesus e desce depois à sua vinda ao mundo.

É um hino de fé e amor com que S. João inicia o seu Evangelho.

 

Aleluia

 

Cântico: Aclamação – 1, F. da Silva, NRMS 50-51

 

Santo é o dia que nos trouxe a luz. Vinde adorar o Senhor.

Hoje, uma grande luz desceu sobre a terra.

 

 

Evangelho *

 

* O texto entre parêntesis pertence à forma longa e pode ser omitido.

 

Forma longa: São João 1, 1-18          Forma breve: São João 1, 1-5.9-14

1No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus. No princípio, 2Ele estava com Deus. 3Tudo se fez por meio d’Ele e sem Ele nada foi feito. 4N’Ele estava a vida e a vida era a luz dos homens. 5A luz brilha nas trevas e as trevas não a receberam. 16(Apareceu um homem enviado por Deus, chamado João. 7Veio como testemunha, para dar testemunho da luz, a fim de que todos acreditassem por meio dele. 8Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz.). 9O Verbo era a luz verdadeira, que, vindo ao mundo, ilumina todo o homem. 10Estava no mundo e o mundo, que foi feito por Ele, não O conheceu. 11Veio para o que era seu e os seus não O receberam. 12Mas, àqueles que O receberam e acreditaram no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus. 13Estes não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. 14E o Verbo fez-Se carne e habitou entre nós. Nós vimos a sua glória, glória que Lhe vem do Pai como Filho Unigénito, cheio de graça e de verdade. 15(João dá testemunho d’Ele, exclamando: «Era deste que eu dizia: ‘O que vem depois de mim passou à minha frente, porque existia antes de mim’». 16Na verdade, foi da sua plenitude que todos nós recebemos graça sobre graça. 17Porque, se a Lei foi dada por meio de Moisés, a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo. 18A Deus, nunca ninguém O viu. O Filho Unigénito, que está no seio do Pai, é que O deu a conhecer.)

 

A leitura evangélica de hoje é o prólogo do IV Evangelho, que constitui a chave para uma profunda compreensão de toda a obra do discípulo amado e da Pessoa adorável de Jesus Cristo: Ele é o Verbo incriado, o Deus Unigénito, que assumiu a nossa condição humana e nos oferece a possibilidade de ser filhos de Deus. Discute-se se o Evangelista compôs este texto para encabeçar a sua obra, ou se aproveitou algum hino litúrgico já existente (a que acrescentaria os vv. 6-9.13.15.17-18). Tem a forma dum poema em que os seus 18 versos se podem agrupar em 4 estrofes (vv. 1-5; 6-8; 9-13; 14-18), cada uma com uma ideia central, que se vai ampliando e esclarecendo progressivamente. Este prólogo é como uma solene abertura de uma grande obra musical, onde os grandes temas a desenvolver ao longo do Evangelho começam por ser apontados: o Verbo Incarnado, Luz e Vida dos homens, Messias e revelador do Pai, os testemunhos a seu favor, a resposta humana de aceitação ou de rejeição, bem como as consequências de transcendental importância que tem a dramática alternativa em que o homem é posto perante a pessoa de Jesus.

1 «No princípio». Esta expressão faz-nos pensar no início do Génesis, onde se falava da Primeira Criação, que culminou com a criação do homem; no IV Evangelho fala-se duma Nova Criação, a Redenção operada pelo Verbo Incarnado, que culmina na elevação do homem à dignidade de filho de Deus. A própria noção de «princípio» é diferente em Gn 1, 1 e em Jo 1, 1: lá designava o início do tempo, aqui exprime o princípio absoluto que transcende o tempo e nos situa na própria eternidade de Deus. É muito expressivo o imperfeito de duração do verbo grego «eimi» repetido no v. 1, com três matizes: havia ou existia, estava, era, em contraposição com o aoristo de verbo «gínomai» no v. 3: tudo «foi feito», ao passo que o Verbo «existia», permanecia na existência («havia o Verbo»)! Não é possível fazer uma afirmação mais forte e clara da divindade de Jesus – o Verbo que se fez homem (v. 14) – do que esta frase com que S. João inicia o seu Evangelho: «O Verbo era Deus». Com razão desde os Santos Padres o IV Evangelista é figurado pela águia (cf. Ez 1, 10), pois o seu voo sobe de chofre até às alturas da divindade de Cristo e o seu olhar aquilino penetra nas profundezas do mistério da Pessoa divina de Jesus, no seio da Santíssima Trindade.

3 «Tudo foi feito por Ele». Esta expressão não significa que o Verbo foi o meio ou instrumento de que o Pai se serviu para criar. Ele age juntamente com o Pai e com o mesmo e único poder. A preposição grega «diá» («por») não se usa com genitivo para indicar apenas a causa instrumental; também pode indicar a causa principal como é aqui o caso e em Rom 11, 36. Esta expressão também evidencia que o Verbo não é criatura, uma vez que tudo o que foi feito, foi feito por Ele, em aberto contraste com a sabedoria, que Provérbios e Eclesiástico personificam (Prov 8, 22 ss; Sir 1, 4; 24, 8-9), a qual foi criada e nasceu. Os Padres falam do Verbo como causa exemplar de todas as coisas.

4 «Vida». «Luz». São estes dois dos grandes temas do IV Evangelho (cf. Jo 8, 12; 14, 6). «A Vida era a Luz dos Homens»: o Verbo é a Luz da Vida (Jo 8, 12), Luz que conduz à Vida, Vida que é Luz, e Luz que é Vida. São dois conceitos que caracterizam a esfera da divindade, em oposição antagónica com as trevas, que são o reino de Satanás e seus sequazes. Este antagonismo que está patente ao longo dos escritos paulinos e joaninos, era corrente na literatura da época tanto judaica (em especial de Qumrã), como depois na gnóstica.

5 «As trevas não a receberam». Também se pode traduzir «não a compreenderam», ou «não a dominaram» (tendo em conta o contexto joanino da luta entre a luz e as trevas).

6-8 João não se interessa no seu Evangelho por nos dar a conhecer a vida ou a pregação moral do seu antigo mestre (Jo 1, 37 ss), mas não perde uma ocasião de pôr em realce o seu «testemunho» em favor de Jesus (Jo 1, 16.19.29.35; 3, 27; 5, 33). A insistência, em especial nestes versículos do prólogo (6-8.15) que interrompem o ritmo do poema, concretamente ao dizer que João «não era a Luz», pode dever-se a querer refutar os «joanitas», uma espécie de seita que seguia o Baptista, sem ter chegado a aderir a Cristo (cf. Act 19, 3-4).

9 Este versículo tem diversas traduções legítimas; a litúrgica segue a tradução preferível da Nova Vulgata, ao passo que a Vulgata dizia: «era a luz verdadeira que ilumina todo o homem que vem a este mundo».

10 «Não O conheceu», isto é, não O reconheceu como o Verbo de Deus e Salvador.

11 «Os seus» poderia designar o povo de Israel, enquanto propriedade de Deus (cf. Ex 19, 5; Dt 7, 6), mas parece designar, dado o paralelismo com o v. anterior, a humanidade no seu conjunto. A observação amarga de S. João (cf. Jo 12, 37) não tem vigência só para o dia de Natal (cf. Lc 2, 7) e para aqueles tempos, pois também cada um de nós sempre pode «acolher» melhor a Jesus.

12 «Deu-lhes o poder», isto é, concedeu-lhes a graça, dom e favor inteiramente gratuito que supera as possibilidades de qualquer criatura. «O Filho de Deus fez-se homem, para que os filhos dos homens, os filhos de Adão, se fizessem filhos de Deus... Ele é o Filho de Deus por natureza, nós pela graça» (Santo Atanásio).

13 «E estes». Textos muito antigos e de grande valor têm o singular – «Este» – (adoptado pela Bíblia de Jerusalém) referido a Jesus, indicando assim simultaneamente a concepção e o parto virginal da Santíssima Virgem (um nascimento sem sangue).

14 Duma penada, S. João exprime toda a riqueza do mistério do Natal, sem se deter a narrar os seus pormenores, como S. Lucas. «Fez-se carne» é um hebraísmo para dizer que Se fez homem; de qualquer modo, põe-se o acento no aspecto mortal e passível: o Verbo eterno, a Segunda Pessoa divina, torna-se um de nós, sem deixar de ser Deus, em tudo igual a nós, excepto no pecado (cf. Hbr 4, 15).

«Habitou», literalmente significa: «ergueu a sua tenda no meio de nós». Parece haver aqui uma alusão à presença de Deus no meio do seu povo, na nuvem branca que pairava, no deserto, sobre a Tenda da Reunião. Esta alusão torna-se mais clara, se temos em conta o texto original grego – «eskénôsen» (ergueu a tenda) – que tem uma certa assonância com «xekhiná» a presença de Deus no meio do Povo (cf. Ex 40, 34-38). Esta presença misteriosa, mas real, continua-se na Santíssima Eucaristia, «Incarnação continuada».

A «Glória» do Verbo incarnado, que S. João e os demais viram, é a manifestação externa da sua divindade: os seus milagres, a sua transfiguração, a sua ressurreição, etc..

«Filho Unigénito». S. João, ao longo de todo o seu Evangelho, tem o cuidado de sempre reservar um termo grego para designar Jesus como Filho do Pai – yiós –, usando outra palavra para se referir a nós, enquanto filhos de Deus: téknon (cf. v. 12). Nós «tornamo-nos» filhos de Deus, (v. 12), ao passo que Jesus é o Filho por natureza, igual ao Pai, o «Unigénito» (vv. 14.18). O termo «Unigénito» (muitos traduzem por «Único») presta-se a exprimir o que a Teologia veio a explicitar como a «geração» eterna, intelectual e única do Verbo no Pai.

«Cheio de graça e de verdade». S. João aplica ao Verbo incarnado a mesma definição que Yahwéh dá de Si mesmo a Moisés em Ex 34, 6: «Deus de muito amor e fidelidade». Por um lado, é mais uma referência à divindade de Cristo, por outro, põe em relevo as qualidades que resumem a grandeza do seu Coração de «pontífice misericordioso e fiel» (Hebr 2, 17).

16 «Graça sobre graça», isto é, graças em catadupa, umas atrás das outras, procedentes da plenitude de Cristo, como duma fonte inexaurível (cf. Jo 7, 37-39), ou também, como pensam alguns, «graça após graça», ou «graça em vez de graça» (Cristo-Moisés, Antiga-Nova Aliança), ou ainda «graça correspondente à graça» (a do Verbo: graça criada-graça incriada).

17 «Jesus Cristo» é aqui identificado explicitamente com o Verbo. A Lei mosaica limitava-se a dar normas, mas só por si não podia salvar ninguém, só a graça que Cristo nos trouxe a salvação.

18 «A Deus nunca ninguém O viu. Todas as «visões» de Deus eram indirectas, pois o homem não pode ver a Deus sem morrer (cf. Ex 19, 21; Is 6, 5), mas em Jesus temos a máxima manifestação de Deus à criatura nesta vida, a tal ponto que, mesmo sem contemplarmos a essência divina, quem vê a Jesus vê o Pai (Jo 14, 9). Com a Incarnação do Verbo temos a maior revelação de Deus à Humanidade.

«O Filho Unigénito, que está no seio do Pai». Outra variante possível na transmissão do texto original: «Deus Unigénito» (adoptada pela Nova Vulgata).

 

Sugestões para a homilia

 

1. Os textos desta Missa do dia de Natal estabelecem com os da meia-noite uma certa tensão: aquela acentua a Encarnação e a Humanidade de Jesus; nesta missa do dia, subimos do presépio até á fonte da vida, o seio do Pai, para proclamar que Jesus é a Vida e a Verdade, que é verdadeiro Deus, Filho eterno do Pai.

Os textos das duas Missas são como que as duas faces da festa do Natal: diante de Jesus, somos convidados a professar e a agradecer a sua entrada histórica no mundo, o seu verdadeiro nascimento de Maria, numa data histórica e num lugar real; agora, nesta Missa do dia, proclamamos que Jesus continua a ser o verdadeiro e eterno Filho de Deus.

A Carta aos Hebreus acrescenta ao mistério do Natal o mistério da Páscoa de Jesus, lembrando que é o Redentor, nos lavou dos pecados e está à direita do Pai.

 

2. Num tempo de muitas culturas e de uma paixão social laicizada, é necessário recordar estas verdades centrais sobre Jesus Cristo e sobre a festa do Natal.

A proclamação da fé em Jesus Cristo ocupou a reflexão nos primeiros séculos da Igreja. Por causa do paganismo e da cultura grega e judaica, reuniram-se vários concílios e escreveram-se as duas fórmulas do Credo, o chamado «Credo dos Apóstolos» (mais breve) e o dos concílios de Niceia e de Constantinopla, que usamos na Missa.

É hoje frequente e muito tentador omitir as verdades da fé e passar logo ás consequências sociais da fé (Bento XVI- Bula «Porta da fé», 2). Os que verdadeiramente amaram os pobres e a humanidade foram homens e mulheres que amaram Jesus Cristo no mistério do presépio e da cruz. Sem esse amor dificilmente se amará os pobres, como dizia S. Vicente de Paulo.

 

3. Para a vida:

a) Na prática da fé tem diminuído o sentido de adoração. Na Missa há dois gestos específicos de adoração: na consagração e antes de receber a comunhão. Interiorizemos esses actos e façamo-los como verdadeira profissão de fé.  

b) Na celebração dos sacramentos, vivamos os sinais visíveis dos mesmos sacramentos como prolongamento da humanidade de Jesus (S. Leão Magno)

c) Renovemos o amor à Igreja e às suas estruturas. Há sempre a tentação de fugir à Igreja concreta para amar uma Igreja sonhada, repetindo a tentação antiga de deixar o Salvador do presépio e amar um salvador idealizado

d) Neste tempo de tantas carências sociais, fixemos o presépio e estejamos especialmente atentos aos pobres como imagens visíveis de Cristo pobre e humilde.

 

6. Credo. Ao recitar, façamos de modo consciente a genuflexão. 

 

 

Oração Universal

 

Presidente: Diante do presépio e deste altar da redenção, elevemos ao Pai do céu, por meio de seu Filho feito homem, as nossas súplicas confiantes e jubilosas, dizendo:

   

Ass. Pela Encarnação redentora do vosso Filho, ouvi-nos, Senhor

 

1. Pela santa Igreja, a Igreja do Verbo Encarnado,

para que saiba acompanhar o mundo que avança,

e, ao mesmo tempo, desenvolva a intimidade com Deus,

Oremos irmãos.

 

2. Por todas as nações da terra, sempre referidos nas profecias do Messias,

Para que a acção dos governantes esteja atenta a todos os povos

e não somente à própria nação,

Oremos irmãos.

 

3. Pelos que não são cristãos ou se confessam indiferentes, 

para que neste Natal sintam a novidade de Jesus

que revela o mistério de Deus e o sentido do mundo,

Oremos irmãos

 

4. Pelos homens e instituições de cultura, da arte e da ciência,

para que encontrem em Jesus Cristo, o Verbo encarnado,

a Verdade que transcende as luzes humanas e lhes sentido pleno,

Oremos irmãos

 

5 Pelos doentes, idosos, carenciados e crianças abandonadas,

imagens vivas de Jesus pobre e humilde,

para que  neste Natal sintam o calor dos mais novos e saudáveis,

Oremos irmãos

 

6. Pelas nossas paróquias e por todas as comunidades cristãs,

Para que descubram em Jesus, pobre, humilde e ressuscitado,

a fonte da Vida, da Verdade e da Missão pastoral.

Oremos irmãos.

 

 

Presidente:

Deus eterno e misericordioso,

Que em vosso Filho feito homem nos revelastes o vosso amor ao mundo,

Ouvi as orações que neste dia de Natal vos dirigimos por toda a humanidade.

Por N.S.J.Cristo vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Liturgia Eucarística

 

Ao apresentar o pão e o vinho para a consagração, reconheçamos que tudo vem de Deus, e bendigamos a sua bondade de Criador e de Redentor.

 

Cântico do ofertório: Chegou a hora mais alta, M. Faria, NRMS 44

 

Oração sobre as oblatas: Aceitai, Senhor, a oblação que Vos apresentamos neste dia solene de Natal, em que nasceu para nós a verdadeira paz e reconciliação e se instituiu entre os homens a plenitude do culto divino. Por Nosso Senhor...

 

Prefácio do Natal: p. 457 [590-702] ou 458-459

 

No Cânone Romano diz-se o Communicantes (Em comunhão com toda a Igreja) próprio. Também nas Orações Eucarísticas II e III se faz a comemoração própria.

 

Santo: A. Cartageno, NRMS 99-100

 

Monição da Comunhão

 

Mesmo no Natal, é Jesus ressuscitado que recebemos. Demos graças porque, pela sua misericórdia, pertencemos ao número daqueles que, sendo seus, O confessam e recebem.

 

Cântico da Comunhão: O Verbo fez-se Carne, Az. Oliveira, NRMS 47 e 52

Salmo 97, 3

Antífona da comunhão: Todos os confins da terra viram a salvação do nosso Deus.

 

Cântico de acção de graças: Exultemos de alegria no Senhor, J. Santos, NRMS 56

 

Oração depois da comunhão: Nós Vos pedimos, Deus misericordioso, que o Salvador do mundo hoje nascido, assim como nos comunicou a sua vida divina, nos faça também participantes da sua imortalidade. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Ritos Finais

 

Monição final

 

A bênção final neste dia é feita com um texto próprio onde transparece a alegria da fé e a gratidão a Jesus Cristo, Deus e Homem verdadeiro.

Ao beijar a imagem de Jesus Menino professemos a fé na Igreja visível, humilde e pobre, e despertemos o entusiasmo da fé e do amor aos mais carenciados.

 

Cântico final: Cantem, cantem os Anjos, M. Faria, NRMS 56

 

 

Homilias Feriais

 

TEMPO DO NATAL

 

5ª Feira, 26-XII: Sto Estêvão: A importância do perdão.

Act 6, 8-10; 7, 54-59 / Mt 10, 17-22

Estêvão dizia a seguinte oração: Senhor Jesus, recebe o meu espírito. E bradou com voz forte: Senhor, não os acuses deste pecado.

Estêvão foi um dos primeiros sete diáconos escolhidos pelos Apóstolos, e foi também o primeiro mártir. Na sua última oração pedia a Deus que lhe concedesse a vida eterna e perdoasse os seus carrascos (Leit.). Jesus tinha dito aos discípulos que seriam odiados pelo seu nome, mas quem permanecesse firme, salvar-se-ia (Ev.).

Na nossa vida encontraremos algumas dificuldades e adversidades. Ofereçamo-las ao Senhor e procuremos perdoar àqueles que nos ofendem: «O perdão é o cume da oração cristã. Testemunha que, no mundo, o amor é mais forte do que o pecado. O perdão é a condição fundamental da reconciliação dos filhos de Deus com o seu Pai e dos homens entre si» (CIC, 2844).

 

6ª Feira, 27-XII: S. João Apóstolo: Conhecer Jesus como João o conheceu.

1 Jo 1, 1-4 / Jo 20, 2-8

O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplámos, e as nossas mãos tocaram acerca do Verbo da Vida, é o que nós anunciamos.

S. João, conhecido como «o discípulo amado», recebeu abundantes provas dessa amizade. Teve um conhecimento mais profundo da vida de Jesus que, depois, nos transmitiu (Leit.); repousou a sua cabeça no peito do Senhor, durante a Última Ceia; esteve junto à Cruz e recebeu Nª Senhora como sua Mãe e nossa Mãe, etc.

Imitando o seu exemplo, não deixemos de procurar Jesus até encontrá-lo e podermos dizer que o tocámos com as nossas mãos (Leit.); anunciemos aos outros o fruto desse conhecimento; saibamos descobri-lo no meio dos acontecimentos, como João o reconheceu na 2ª pesca milagrosa; recebamos Nª Senhora na nossa morada (alma), para que nos acompanhe sempre.

 

Sábado, 28-XII: Os Santos Inocentes: As tentativas da eliminação de Deus.

1 Jo 1, 5-2, 2 / Mt 2, 13-18

Foge para o Egipto e fica por lá até que eu te diga, pois Herodes vai procurar o Menino para o matar.

Não tendo conseguido eliminar o Menino, Herodes mandou matar as crianças da mesma idade (Ev.). Por que sofreram estes Inocentes? A dor é realmente um grande mistério, mas vale a pena lembrar-nos que Jesus nos redimiu pela Cruz: Jesus Cristo, o Justo, e portanto Inocente, é a vítima de expiação pelos nossos pecados, e também pelos do mundo inteiro (Leit).

Nos nossos tempos, também se pretende eliminar Deus, e os seus ensinamentos, da vida da sociedade; pretende-se que esqueçamos a nossa fé, para implantar uma ideologia ateia, que designam por neutra. O discípulo de Cristo sofre estes ataques quando dá um testemunho da sua vida, que equivale a um martírio silencioso.

 

 

 

 

 

 

Celebração e Homilia:         D. Joaquim Gonçalves

Nota Exegética:                    Geraldo Morujão

Homilias Feriais:                  Nuno Romão

Sugestão Musical:                Duarte Nuno Rocha

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial