31º Domingo Comum

3 de Novembro de 2013

 

 

RITOS INICIAIS

 

Cântico de entrada: O Cordeiro de Deus é o nosso pastor, Az. Oliveira, NRMS 90-91

Salmo 37, 22-23

Antífona de entrada: Não me abandoneis, Senhor; meu Deus, não Vos afasteis de mim. Senhor, socorrei-me e salvai-me.

 

Introdução ao espírito da Celebração

 

Viemos ao encontro do Senhor para estarmos com Ele num diálogo sincero que nos deixará muito felizes. Zaqueu, de que nos fala o Evangelho, teve a felicidade de encontrá-l’O pessoalmente, recebendo d’Ele o perdão e a paz. Nós, não O vendo face a face, somos mais felizes porque acreditamos que o Senhor está connosco agora e sempre.

 

Oração colecta: Deus omnipotente e misericordioso, de quem procede a graça de Vos servirmos fiel e dignamente, fazei-nos caminhar sem obstáculos para os bens por Vós prometidos. Por Nosso Senhor...

 

 

Liturgia da Palavra

 

Primeira Leitura

 

Monição: Diante de Deus, eterno e omnipotente, reconhecemo-nos humildes e pecadores mas confiando sempre na Sua infinita misericórdia.

 

Sabedoria 11, 22 – 12, 2

22Diante de Vós, Senhor, o mundo inteiro é como um grão de areia na balança, como a gota de orvalho que de manhã cai sobre a terra. 23De todos Vos compadeceis, porque sois omnipotente, e não olhais para os seus pecados, para que se arrependam. 24Vós amais tudo o que existe e não odiais nada do que fizestes; porque, se odiásseis alguma coisa, não a teríeis criado. 25E como poderia subsistir, se Vós não a quisésseis? Como poderia durar, se não a tivésseis chamado à existência? 26Mas a todos perdoais, porque tudo é vosso, Senhor, que amais a vida. 1O vosso espírito incorruptível está em todas as coisas. 2Por isso castigais brandamente aqueles que caem e advertis os que pecam, recordando-lhes os seus pecados, para que se afastem do mal e acreditem em Vós, Senhor.

 

O autor do livro da Sabedoria, um sábio judeu helenista, já nos umbrais do Novo Testamento, quer confirmar na fé os seus compatriotas, que, deslumbrados com a cultura grega, corriam o perigo de subestimar a sabedoria que pertencia à revelação de Deus. O texto é tirado da 3ª parte da obra (capítulos 10 a 19), onde se exalta a sabedoria divina ao longo da história da salvação. O trecho da leitura é de notável riqueza doutrinal.

11, 23 Exalta-se a omnipotência, grandeza e transcendência de Deus: todo o mundo, diante dele, não passa de «um grão de poeira», «uma gota de orvalho». Mas o poder de Deus mostra-se aos pagãos na sua misericórdia – «de todos vos compadeceis» –, de um modo inesperado e desconhecido.

24-25 Deus é Criador e ama irrevogavelmente a sua obra, ficando excluído tudo o que possa ser pessimismo dualista ou maniqueu, algo não só estranho, mas também contrário à Revelação divina.

12, 1 «O vosso Espírito… está em tudo». Se, por um lado, está bem vincada a transcendência divina, conforme se acabou de dizer, por outro lado, não se pode deixar esquecido o reverso da medalha: a exacta imanência divina. A omnipresença divina não subordina o Criador à criatura, mas, ao contrário, torna a criatura essencialmente presente ao seu Criador, indissoluvelmente unida e intrinsecamente subordinada ao seu Senhor, que é um Pai providente. Este texto explicita e actualiza Gn 1, 2 e Gn 2, 7, onde se apresenta o Espírito de Deus a pairar sobre o caos das águas primordiais para dali tirar a maravilha da criação e a infundir no barro o sopro da vida.

2 «Corrigis brandamente… para que se afastem do mal». O Deus da Revelação não é cruel e vingativo, como os deuses da mitologia grega: Ele é o Pai que corrige, para o bem dos seus filhos, pois, mesmo quando irado, Ele «lembra-se da sua misericórdia» (cf. Habac 3, 2).

 

Salmo Responsorial     Sl 144 (145), 1-2.8-9.10-11.13cd-14

 

Monição: Aproveitemos todos os momentos da vida que o Senhor nos concede para O louvar, adorar e amar.

 

Refrão:        Louvarei para sempre o vosso nome,

                     Senhor, meu Deus e meu Rei.

 

Quero exaltar-Vos, meu Deus e meu Rei,

e bendizer o vosso nome para sempre.

Quero bendizer-Vos, dia após dia,

e louvar o vosso nome para sempre.

 

O Senhor é clemente e compassivo,

paciente e cheio de bondade.

O Senhor é bom para com todos

e a sua misericórdia se estende a todas as criaturas.

 

Graças Vos dêem, Senhor, todas as criaturas

e bendigam-Vos os vossos fiéis.

Proclamem a glória do vosso reino

e anunciem os vossos feitos gloriosos.

 

O Senhor é fiel à sua palavra

e perfeito em todas as suas obras.

O Senhor ampara os que vacilam

e levanta todos os oprimidos.

 

Segunda Leitura

 

Monição: No nosso apostolado rezemos sempre por aqueles a quem queremos anunciar o Salvador do Mundo.

 

2 Tessalonicenses 1, 11 – 2, 2

Irmãos: 11Oramos continuamente por vós, para que Deus vos considere dignos do seu chamamento e, pelo seu poder, se realizem todos os vossos bons propósitos e se confirme o trabalho da vossa fé. 12Assim o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo será glorificado em vós, e vós n’Ele, segundo a graça do nosso Deus e do Senhor Jesus Cristo. 2,1Nós vos pedimos, irmãos, a propósito da vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo e do nosso encontro com Ele: 2Não vos deixeis abalar facilmente nem alarmar por qualquer manifestação profética, por palavras ou por cartas, que se digam vir de nós, pretendendo que o dia do Senhor está iminente.

 

Uns perturbadores dos cristãos daquela comunidade de Tessalónica tinham introduzido a desordem, propagando a ideia de que a segunda vinda de Cristo (parusia) estava iminente, o que andava a acarretar trágicas consequências para a vida dos fiéis, que começaram a levar «uma vida ociosa, em vez de trabalhar, dedicando-se apenas a vãs curiosidades» (3, 11). É por isso que Paulo os previne – «não vos deixeis abalar… nem alarmar…» (2, 1) – e, mais adiante, lhes diz seriamente que «trabalhem com paz» (3, 12); e sai-se com aquela sentença plena de sensatez: «se alguém já não quer trabalhar, então que também deixe de comer» (3, 10). Para tranquilizar os fiéis, mais adiante (vv. 3-4) diz que antes da parusia tem de vir a «apostasia» e o «homem da impiedade», com um recurso a imagens do Antigo Testamento, que para nós são muito obscuras, mas que bastariam para fazer calar os agitadores.

 

Aclamação ao Evangelho        Jo 3, 16

 

Monição: Não permitamos que as ocupações constantes do dia-a-dia nos impeçam de ver o Senhor. Ele quer encontrar-nos como outrora encontrou Zaqueu.

 

Aleluia

 

Cântico: Aclamação – 4,F. Silva, NRMS 50-51

 

Deus amou tanto o mundo que lhe deu o seu Filho unigénito;

quem acredita n’Ele tem a vida eterna.

 

 

Evangelho

 

Lucas 19, 1-10

Naquele tempo, 1Jesus entrou em Jericó e começou a atravessar a cidade. 2Vivia ali um homem rico chamado Zaqueu, que era chefe de publicanos. 3Procurava ver quem era Jesus, mas, devido à multidão, não podia vê-l’O, porque era de pequena estatura. 4Então correu mais à frente e subiu a um sicómoro, para ver Jesus, que havia de passar por ali. 5Quando Jesus chegou ao local, olhou para cima e disse-lhe: «Zaqueu, desce depressa, que Eu hoje devo ficar em tua casa». 6Ele desceu rapidamente e recebeu Jesus com alegria. 7Ao verem isto, todos murmuravam, dizendo: «Foi hospedar-Se em casa dum pecador». 8Entretanto, Zaqueu apresentou-se ao Senhor, dizendo: «Senhor, vou dar aos pobres metade dos meus bens e, se causei qualquer prejuízo a alguém, restituirei quatro vezes mais». 9Disse-lhe Jesus: «Hoje entrou a salvação nesta casa, porque Zaqueu também é filho de Abraão. 10Com efeito, o Filho do homem veio procurar e salvar o que estava perdido».

 

Este episódio da conversão de Zaqueu é contado apenas por Lucas; é mais um dado que o «secretário da misericórdia de Cristo» (Dante) regista, a fim de pôr em evidência, por um lado, o amor de Cristo aos pecadores e, por outro, a universalidade da salvação que Ele traz à terra. É de notar como o Evangelista, que especialmente exalta a pobreza, deixa ver como também a salvação pode chegar a um homem rico. Há mesmo uma tradição que diz que Zaqueu veio a ser discípulo de Pedro e bispo de Cesareia.

2 «Chefe de publicanos», ou dos cobradores de impostos a favor dos romanos dominadores; seria um homem detestável, não só pelo seu ingrato trabalho, mas sobretudo pela colaboração com o opressor estrangeiro, além de que certamente abusaria da profissão para enriquecer à custa de exigir mais do que seria justo; e, para cúmulo, o seu nome – Zacai –, que em aramaico significa puro, era um verdadeiro sarcasmo. O negócio seria rendoso, pois Jericó era uma grande cidade de comércio, situada no fértil vale inferior da margem direita do rio Jordão, numa encruzilhada de vias que ligavam Jerusalém às cidades do Norte e da Transjordânia. A condição pecadora de Zaqueu fica bem clara nos vv. 7-10.

3 «Esforçava-se por ver quem era Jesus». Podemos pensar que não se tratava de uma mera curiosidade frívola, mas antes de uma insatisfação escondida dentro de quem não se satisfaz só com as coisas materiais, estando aberto ao divino e disposto a rectificar a sua vida. A vontade de seguir a voz interior da consciência leva-o a superar os respeitos humanos e a sujeitar-se ao ridículo de trepar a uma árvore. A narrativa põe em foco o flagrante contraste entre o poder de um homem «pessoalmente rico» e a fraqueza de quem era de «pequena estatura».

4 «Sicómoro»: a própria etimologia grega do nome da árvore deixa ver a sua natureza, uma árvore bastante frondosa, com folhas semelhantes às da amoreira e frutos parecidos com os da figueira.

8 «Zaqueu parou e disse ao Senhor». Fica patente como não foi preciso que Jesus lançasse em rosto os abusos e pecados daquele homem; a bondade e a condescendência de Jesus, que desassombradamente entra em casa de um pecador público, leva-o à conversão e a propósitos bem concretos. Por outro lado, a avareza do «chefe de publicanos» é agora compensada com larga generosidade: «vou dar a metade dos meus bens aos pobres»; e as injustiças são reparadas com uma repartição superabundante, superior ao que ordenava a própria Lei de Moisés (cf. Ex 21, 37-38): «restituirei quatro vezes mais».

 

Sugestões para a homilia

 

Olhemos o mundo actual

Vamos como Zaqueu ao encontro de Jesus

Anunciemos ao mundo a misericórdia do Senhor

 

Olhemos o mundo actual

Quantas vezes vemos pessoas desorientadas com crises de ansiedade, sofrimento e desespero à procura de alguém que as acolha, as escute e lhes dirija uma palavra de conforto! Nem sempre são bem recebidas e por isso ficam ainda mais angustiadas.

Quantas vezes vemos pessoas marginalizadas, abandonadas e desprezadas que ficariam felizes se alguém as acolhesse! Se víssemos nelas Cristo a sofrer, necessitando da ajuda dum cireneu, ficaríamos indiferentes?

Quantas vezes vemos pessoas que têm Fé mas estão em situação de transgressão das leis da Santa Igreja e vêm ao encontro dos sacerdotes em busca da paz perdida e do perdão que o Senhor, através deles, lhes concede! Ai que responsabilidade cai sobre eles nesse momento!

O facto descrito com muito realismo no Evangelho dá-nos pistas para agirmos como Jesus no mundo que Ele veio salvar.

 

Vamos como Zaqueu ao encontro de Jesus

 Zaqueu vivia preocupado. Sendo rico, não era estimado pelas pessoas que o consideravam pecador. E então decide ver Jesus. Isso já lhe traria felicidade. Mas, como poder vê-l’O se as pessoas que estavam à sua frente eram mais altas que ele?! Pensou e encontrou a solução. Subindo para um sicómoro veria jesus. E viu-O de facto. Só não imaginava que Ele lhe iria dirigir a Palavra e, coisa impensável, para lhe pedir hospedagem em sua casa… O tempo ali passado chegou para resolver todos os problemas que o afligiam e não o deixavam viver em paz. Aos pobres decidiu dar metade dos seus bens e, se tinha prejudicado alguém, restituiria quatro vezes mais…Jesus, tão bom, tão amigo, tão misericordioso, diz a terminar: «Hoje entrou a salvação nesta casa porque Zaqueu também é filho de Abraão. Com efeito o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido ».

Este gesto de Jesus move-nos a todos nós para que acolhamos aqueles que vêm ao nosso encontro, pedindo ajuda, compreensão e conforto.

Mas não só. Jesus não se limitava a ficar à espera. Ele próprio ia ao encontro das pessoas para as escutar, compreender, consolar e salvar.

Recordemos o encontro com a Samaritana no poço de Jacob e o diálogo que a levou à conversão      ( Jo 4, 4- 42 ) .

Recordemos o encontro com a mulher que ia ser apedrejada até morrer por ser adúltera e que Ele salvou ( Jo 8, 1- 11 ) .

Recordemos o encontro com Pedro, após O negar três vezes. Aqui não houve qualquer palavra. Bastou o gesto de Jesus. Voltou-se para Pedro e fixou nele o Seu olhar. Pedro reconhece o seu pecado, chora e pede perdão. O Senhor que O tinha escolhido para Seu vigário na Terra, dá-lhe força e coragem para animar os irmãos na Fé ( Lc 22, 54-62 ) .

 

Anunciemos ao mundo a misericórdia do Senhor

Procuremos como e com Jesus ir ao encontro daqueles que no passado enchiam as nossas igrejas na Santa Missa e agora as deixam vazias. Digamos- lhes que o seu lugar continua à espera de ser ocupado… Como São Paulo continuemos a rezar por todos ( 2.ª Leitura ) .

Procuremos como e com Jesus ir ao encontro daqueles que na Europa se cansaram de viver a Fé. Digamos- lhes que os povos evangelizados pelos nossos antecessores querem o nosso testemunho para continuarmos a anunciar Jesus Cristo Salvador.

Procuremos como e com Jesus ir por todo o mundo ao encontro dos que vivem outra religião, dos que não professam nenhuma e dos ateus. Deus é misericordioso para com todos ( 1.ª Leitura ). Precisamos de nos unir para trabalharmos pelo progresso e pela paz.

Procuremos como e com Jesus ir por aldeias e cidades ao encontro de quem vive nas favelas ou nos palácios, na miséria ou na abundância, na alegria ou na tristeza. Já é tempo de se acabar com a escravatura, a miséria e a fome para que todas as pessoas vivam com a dignidade merecida.

É este o caminho que temos de percorrer todos nós que vivemos na Terra neste 3.º milénio. Connosco vai a Mãe de Jesus e nossa querida Mãe na certeza de que o Senhor nos recompensará um dia com a felicidade eterna do Céu.

 

Fala o Santo Padre

 

«Deus não se deixa condicionar pelos nossos preconceitos humanos,

e é atraído especialmente pelas almas que são julgadas perdidas.»

 

Queridos irmãos e irmãs!

O Evangelista São Lucas reserva uma atenção especial ao tema da misericórdia de Jesus. Com efeito, na sua narração encontramos alguns episódios que relevam o amor misericordioso de Deus e de Cristo, o qual afirma que veio chamar não os justos, mas os pecadores (cf. Lc 5, 32). Entre as narrações típicas de Lucas está a da conversão de Zaqueu, que se lê na liturgia deste domingo. Zaqueu é um «publicano», aliás, o chefe dos publicanos de Jericó, importante cidade nas margens do Rio Jordão. Os publicanos eram os cobradores de impostos aos quais os judeus deviam pagar o tributo do Imperador romano, e já por este motivo eram considerados pecadores públicos. Além disso, com frequência aproveitavam da sua posição para extorquir dinheiro do povo. Por isso Zaqueu era muito rico, mas desprezado pelos seus concidadãos. Quando então Jesus, atravessando Jericó, se deteve exactamente na casa de Zaqueu, suscitou um escândalo geral. Contudo, o Senhor sabia muito bem o que fazia. Ele, por assim dizer, queria arriscar, e venceu a aposta: Zaqueu, profundamente impressionado pela visita de Jesus, decide mudar de vida e promete restituir o quádruplo do que tinha roubado. «Veio hoje a salvação a esta casa», diz Jesus, e conclui: «o Filho do homem veio procurar e salvar o que estava perdido».

Deus não exclui ninguém, nem pobres nem ricos. Deus não se deixa condicionar pelos nossos preconceitos humanos, mas vê em cada um de nós uma alma para salvar e é atraído especialmente por aquelas que são julgadas perdidas e se consideram elas mesmas tais. Jesus Cristo, encarnação de Deus, demonstrou esta imensa misericórdia, que nada tira à gravidade do pecado mas visa sempre salvar o pecador, a oferecer-lhe a possibilidade da remissão, de recomeçar do início, de se converter. Noutro trecho do Evangelho, Jesus afirma que é muito difícil para um rico entrar no Reino dos céus (cf. Mt 19, 23). No caso de Zaqueu, vemos que quanto parece impossível se realiza: «Ele – comenta São Jerónimo – ofereceu a sua riqueza e imediatamente a substituiu com a riqueza do reino dos céus» (Homilia sobre o salmo 83, 3). E São Máximo de Turim acrescenta: «As riquezas, para os tolos são um alimento para a desonestidade, para os sábios, ao contrário, são uma ajuda para a virtude; a estes oferece-se uma oportunidade para a salvação, àqueles obtém um empecilho que os perde» (Sermões, 95).

Queridos amigos, Zaqueu acolheu Jesus e converteu-se porque Jesus o acolheu antes! Não o condenou, mas foi ao encontro do seu desejo de salvação. Peçamos à Virgem Maria, modelo perfeito de comunhão com Jesus, para que também nós possamos experimentar a alegria de ser visitados pelo Filho de Deus, de ser renovados pelo seu amor, e transmitir aos outros a sua misericórdia.

 

Papa Bento XVI, Angelus, Praça de São Pedro, 31 de Outubro de 2010

 

Oração Universal

 

Irmãos, oremos a Deus Omnipotente

e imploremos a Sua misericórdia,

dizendo  confiadamente:

Escutai, Senhor, a nossa oração.

 

1.     Pelo Santo Padre com os Bispos a ele unidos,

pelos sacerdotes, diáconos, religiosos, leigos

e pelos catequistas que ensinam a Doutrina de Jesus,

oremos, irmãos.

 

2.     Pelos que, duvidando, procuram a Deus,

pelos que querem afastar o ódio e a violência

e pelos que confiam na misericórdia do Senhor,

oremos, irmãos.

 

3.     Pelas famílias onde há luto e sofrimento,

pelas famílias que vivem felizes e em paz

e pelas famílias onde os filhos se sentem chamados pelo Senhor,

oremos, irmãos.

 

4.     Pelos meninos e meninas a quem foi impedido o seu nascimento,

pelas crianças maltratadas a pedirem a nossa ajuda

e pelos jovens a quererem transformar o mundo,

oremos, irmãos.

 

5.     Pelos doentes que precisam da nossa dedicação,

pelos idosos abandonados à espera da nossa companhia

e pelos marginalizados a exigirem a reintegração social,

oremos, irmãos.

 

6.     Pelos familiares falecidos que esperamos encontrar um dia,

pelos amigos que temos presentes na nossa oração

e pelos que  faleceram   e se purificam a caminho do Céu,

oremos, irmãos.

 

Senhor nosso Deus e nosso Pai,

dignai-Vos atender estas súplicas

e, por intercessão da  Virgem Santa Maria,

concedei-nos o que for melhor para nós.

Por N. S. J. C. Vosso Filho que é Deus Convosco

na unidade do Espírito Santo.

 

 

Liturgia Eucarística

 

Cântico do ofertório: No meio da minha vida, F. da Silva, NRMS 1(II)

 

Oração sobre as oblatas: Senhor, fazei que este sacrifício seja para Vós uma oblação pura e para nós o dom generoso da vossa misericórdia. Por Nosso Senhor...

 

Santo: A. Cartageno, Suplemento CT

 

Monição da Comunhão

 

Jesus quis hospedar-se na casa de Zaqueu. Ele aceitou e agradeceu.

Jesus também, neste momento, quer vir até nós pela Sagrada Comunhão. Se estamos devidamente preparados recebamo-l’O e, como Zaqueu, receberemos o perdão, alcançaremos o dom da paz e viveremos com esperança e alegria.

 

Cântico da Comunhão: Não fostes vós que Me escolhestes, Az. Oliveira, NRMS 59

Salmo 15, 11

Antífona da comunhão: O Senhor me ensinará o caminho da vida, a seu lado viverei na plenitude da alegria.

Ou:    Jo 6. 58

Assim como o Pai que Me enviou é o Deus vivo e Eu vivo pelo Pai, também o que Me come viverá por Mim, diz o Senhor.

 

Cântico de acção de graças: Pelo Pão do teu Amor, H. Faria, NRMS 2 (II)

 

Oração depois da comunhão: Multiplicai em nós, Senhor, os frutos da vossa graça, para que os sacramentos celestes que nos alimentam na vida presente nos preparem para alcançarmos a herança prometida. Por Nosso Senhor...

 

 

Ritos Finais

 

Monição final

 

Foi maravilhosa a nossa participação na santa missa. Continuemos a vivê-la em cada domingo e sempre que pudermos. Que, com o nosso exemplo, muitos outros venham encher as nossas igrejas para que, fortalecidos pelo dom da Fé, iluminemos o mundo com a luz de Cristo!

 

Cântico final: O Senhor me apontará o caminho, F. da Silva, NRMS 69

 

 

Homilias Feriais

 

31ª SEMANA

 

2ª Feira, 4-XI: Justiça e misericórdia de Deus.

Rom 11, 29-36 / Lc 14, 12-14

Como é profunda a riqueza, a sabedoria e a ciência de Deus!

Deus sabe mais e consegue tirar um grande bem de qualquer mal. Assim acontece com o pecado: «Deus permitiu que todos os homens desobedecessem, a fim de usar de misericórdia para com todos (Leit.)» (CIC, 1870). A Sabedoria de Deus ultrapassa completamente os nossos quadros mentais: enche-se de compaixão perante o pecador (cf. parábolas da misericórdia: filho pródigo, ovelha perdida, etc.).

 Todos somos convidados a exercer a misericórdia com os outros, sem esperar a recompensa aqui na terra. Deste modo, receberemos a retribuição na vida eterna (Ev.).

 

3ª Feira, 5-XI: O convite para a vida eterna.

Rom 12, 5-16 / Lc 14, 15-24

O Senhor disse ao criado: Sai aos caminhos e às azinhagas e obriga essa gente a entrar, para que a minha casa fique cheia.

 

«Jesus chama para entrar no reino, por meio de parábolas. Por meio delas, convida para o banquete do Reino (Ev.)» (CIC; 546).

Já no começo do seu ministério público Jesus convida a entrar no seu Reino neste mundo, mediante a conversão (3º mistério luminoso). Os convidados da parábola apresentaram muitas desculpas, mas a conversão não é compatível com elas. Precisamos usar os talentos recebidos: 'quem tem o dom do ensino, que o empregue a ensinar'; a dedicar-nos ao serviço de Deus; a praticar a caridade: 'sede amáveis uns com os outros' (Leit.).

 

4ª Feira, 6-XI: A construção do caminho para a vida eterna.

Rom 13, 8-10 / Lc 14, 25-33

Qual de vós, que deseje construir uma torre, se não senta primeiro a calcular a despesa e a ver se tem com que terminá-la.

Para construirmos esta torre, que é um empreendimento para alcançar a vida eterna, devemos verificar todos os recursos com que contamos, as ajudas que o Senhor nos oferece, etc. As Leituras apresentam algumas sugestões.

O Evangelho apresenta duas: «Cristo é o centro de toda a vida cristã. A união com Ele prevalece sobre todas as outras, quer se trate de laços familiares, quer sociais (Ev.)» (CIC, 1618). A outra é: «Jesus impõe aos seus discípulos que o prefiram a tudo e a todos e propõe-lhes que renunciem a todos os seus bens (Ev.), por causa dele e do Evangelho» (CIC, 2544). A Leitura indica o caminho da caridade: «A caridade é, pois, o pleno cumprimento da Lei» (Leit.).

 

5ª Feira, 7-XI: Os pecadores e a vida eterna.

Rom 14, 7-12 / Lc 15, 1-10

Este homem acolhe os pecadores e come com eles.

No caminho para a vida eterna podemos desviar-nos, como a ovelha perdida (Ev.), mas Jesus está sempre atento à nossa situação, continua a olhar-nos com predilecção e está disposto a ir à nossa procura, pois a Ele pertencemos: «Quer vivamos, pois, quer morramos, é ao Senhor que pertencemos» (Leit.).

Ele só espera que os pecadores manifestem o seu arrependimento, que vivam a conversão: «Jesus convida os pecadores à conversão, sem a qual não se pode entrar no reino; mostra-lhes a imensa 'alegria que haverá no céu, por um só pecador que se arrependa' (Ev.)» (CIC, 545).

 

6ª Feira, 8-XI: Prestação de contas a Deus.

Rom 15, 14-21 / Lc 16, 1-8

Chamou-o e disse-lhe: Que é isto que ouço dizer de ti? Presta contas da tua gerência.

Todos somos chamados pelo Senhor a prestar contas dos dons (bens) recebidos. «Tudo o que o verdadeiro cristão possui deve olhá-lo como um bem que lhe é comum com os demais. O cristão é um administrador dos bens do Senhor (Ev.)» (CIC, 952).

S. Paulo dá-nos um bom exemplo do bom uso das graças que Deus lhe confiou e ajudou a aproveitar: «Eu não ousaria falar senão do que foi realizado por Cristo por meu intermédio, para levar os gentios a aderirem à fé»; e «Tanto assim que dei plena expansão ao Evangelho de Cristo» (Leit.) Como aproveitamos os nossos dons para alcançarmos a vida eterna e para ajudarmos outros?

 

Sábado, 9-XI: Dedicação da Basílica de Latrão: Os templos, casas de oração.

1 Cor 3, 9-11. 16-17 / Jo 2, 13-22

Tirai isto daqui: não façais da casa de meu Pai casa de comércio.

A Basílica de Latrão foi um dos primeiros templos a ser construído logo que acabaram as perseguições, no século IV. É um sinal de unidade com o Papa, pois é a catedral do bispo de Roma.

Cada templo há-de ser uma casa de oração (Ev.), um lugar onde damos culto a Deus. Por isso, devemos estar com o respeito e a compostura adequadas; chegar com pontualidade à Missa; cumprir os ritos indicados; evitar conversas inúteis; rezar mais em vez de conversar com quem temos ao lado, etc. Deste modo participaremos na construção da casa de oração: « Vós sois um edifício que Deus está a construir» (Leit.).

 

 

Celebração e Homilia:         Aurélio A. Ribeiro

Nota Exegética:                    Geraldo Morujão

Sugestão Musical:                Duarte Nuno Rocha

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial