DOCUMENTAÇÃO

 

CONFERÊNCIA EPISCOPAL PORTUGUESA

 

ASSEMBLEIA PLENÁRIA

 

Comunicado Final

 

 

 

 

1. De 12 a 15 de novembro de 2012 esteve reunida, na Casa de Nossa Senhora das Dores do Santuário de Fátima, a 180.ª Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), com a presença do Núncio Apostólico, Arcebispo D. Rino Passigato. Participaram também a Presidente e o Vice‑presidente da Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal (CIRP) e a Presidente da Conferência Nacional dos Institutos Seculares de Portugal (CNISP).

 2. O início da primeira sessão, aberto à comunicação social, constou do discurso de abertura do Presidente da CEP, D. José da Cruz Policarpo, Cardeal Patriarca de Lisboa. Fez uma particular referência à grata memória dos Bispos falecidos recentemente: D. Albino Mamede Cleto, Bispo Emérito de Coimbra, que foi também Secretário e Porta‑voz da CEP; e D. Aurélio Granada Escudeiro, Bispo Emérito de Angra. Deu as boas‑vindas ao novo Bispo Auxiliar de Braga, D. António Moiteiro Ramos. Recordou o maior acontecimento da Igreja do século XX: o Concílio Vaticano II, do qual estamos a celebrar os 50 anos da sua abertura. Partindo da recente realização do Sínodo dos Bispos em Roma com o tema «A nova evangelização para a transmissão da fé cristã», sublinhou a necessidade de os cristãos reavivarem e aprofundarem a fé que se há de verificar na prática da caridade, revelando o rosto de uma Igreja acolhedora e solidária. Tendo em conta as presentes dificuldades por que passa o nosso País, exortou à solidariedade e à partilha com os mais desfavorecidos, num clima de unidade de todas as forças sociais e políticas, na procura responsável do bem-comum.

 3. Os Bispos sentem como seus os sofrimentos e angústias dos que padecem mais duramente as consequências da atual crise. A sua solidariedade tem‑se manifestado sobretudo no cuidado aos mais débeis e necessitados, vítimas de antigas e novas pobrezas, através de múltiplas obras e iniciativas no campo social e caritativo, nas suas Dioceses.

Alertam quem tem a nobre missão de governar o nosso País para uma justa aplicação das medidas com vista à recuperação da economia e finanças, em que sejam poupados os que já vivem sob o peso de asfixiante austeridade.

Sentem a importância da explicação, clara e prévia, das medidas que se tomam e das razões que as determinam.

Exortam à prática de uma cultura do diálogo e da procura do bem comum, ultrapassando individualismos pessoais ou de grupo, em que o bem de todos supere protagonismos e querelas sociais e políticas que, sem nada solucionar, criam um clima que dá a sensação de impasse ou de continuação indefinida da crise atual. 

Felicitam e agradecem os que, nesta presente difícil situação, são criadores de emprego e promotores de desenvolvimento; as famílias solidárias que acolhem e ajudam os seus membros mais debilitados, particularmente por desemprego ou incapacidade de pagarem os empréstimos; os que trabalham em obras de assistência e promoção social, quer da Igreja, quer da sociedade civil, muitas vezes em voluntariado, oferecendo pão e amor, essenciais para uma vida digna.

4. A Assembleia aprovou uma Nota Pastoral a propósito dos 150 anos do nascimento da Beata Maria do Divino Coração, Irmã da Congregação do Bom Pastor, de origem alemã, que viveu no Porto, onde foi Superiora do Recolhimento do Bom Pastor, obra social para a reabilitação e promoção da mulher. Seu particular mérito foi ter pedido a Leão XIII a consagração do mundo ao Coração de Jesus, que o Papa veio a realizar, tendo classificado este acontecimento como o ato mais importante do seu pontificado. A fundação do Pontifício Colégio Português de Roma, onde há mais de cem anos se continuam a formar sacerdotes, deve‑se em grande parte à sua solicitude.

 5. «Caminho de Esperança» é o título de uma Nota Pastoral a propósito dos 90 anos do Corpo Nacional de Escutas – CNE. Aqui o Episcopado português mostra o seu grande apreço pelo movimento do Escutismo Católico, que tem formado sucessivas gerações de crianças e jovens em valores humanos e cristãos, no respeito da Natureza e no serviço ao próximo, segundo o seu lema «Sempre alerta para servir». Partindo da sua história, que tem por iniciador o Arcebispo de Braga, D. Manuel Vieira de Matos, nestes nove decénios o CNE tem provado que vale a pena acreditar e ter esperança nos jovens, superando visões céticas e pessimistas. Muitas dezenas de milhares de filiados no Escutismo, seguindo os ensinamentos do seu fundador Baden‑Powell, têm deixado o mundo um pouco melhor do que o encontraram e feito o possível por praticar o bem. Olhando para o futuro, são apontados diversos desafios, reforçando a sua identidade original e abrindo horizontes de esperança no campo da sua missão.

 6. Para apresentar os resultados do Inquérito realizado na Madeira e nos Açores sobre «Atitudes e representações da sociedade portuguesa face à Igreja», interveio na Assembleia o Prof. Alfredo Teixeira, Coordenador do Centro de Estudos de Religiões e Culturas (CERC) da Universidade Católica Portuguesa (UCP), com mais três professores da Faculdade de Ciências Sociais da UCP – Braga: Manuel Antunes da Cunha, Alexandra Esteves e Emese Panyik. Os resultados são bastante semelhantes aos do Continente, fazendo subir para cima de 80% a média nacional dos que se afirmam católicos. A leitura atenta destes resultados constitui um desafio para a Igreja exercer a sua missão, integrada no dinamismo da nova evangelização.

7. Sínodo dos Bispos sobre a «Nova evangelização para a transmissão da fé cristã». D. António Couto, Bispo de Lamego, e D. Manuel Clemente, Bispo do Porto, participaram como delegados da CEP neste Sínodo em Roma, de 7 a 28 de outubro. Comunicaram a sua vivência desta experiência forte da universalidade da Igreja, que está empenhada em transmitir a perene Boa Nova de Cristo nos diversos contextos socioculturais da atualidade, tendo especialmente presentes os desafios da globalização e da secularização.

8. Ano da Fé – Partilha de iniciativas e projetos em cada Diocese. O Papa Bento XVI convocou toda a Igreja para a celebração de um Ano da Fé, que teve início a 11 de outubro passado (cinquentenário da abertura do Concílio Vaticano II e 20.º aniversário da publicação do Catecismo da Igreja Católica) e que terá a sua conclusão na Solenidade de Cristo Rei do próximo ano, a 24 de novembro. Os Bispos partilharam iniciativas já levadas a cabo ou a realizar no âmbito das suas Dioceses: celebrações, peregrinações, reforço do uso dos meios de comunicação como as páginas das Dioceses na internet e as redes sociais, cartas pastorais, visitas a doentes e pessoas que vivem sós, outras iniciativas ligadas à caridade e à ação social, redescoberta dos santos como modelos de fé, múltiplas iniciativas de formação, especialmente para dar a conhecer os documentos do Concílio e a doutrina do Catecismo da Igreja Católica.

9. «Repensar juntos a Pastoral da Igreja em Portugal». É um projeto que tem ocupado a reflexão dos Bispos em diversas Assembleias plenárias. Caminha-se agora para se encontrar as linhas prioritárias que possam servir de orientação para a pastoral conjunta da Igreja em Portugal nos próximos anos.

10. Os Presidentes das Comissões Episcopais apresentaram alguns assuntos no âmbito das suas áreas de ação.

(…) 

13. O Reitor do Santuário de Fátima, P. Carlos Cabecinhas, fez uma intervenção na Assembleia para informar sobre as iniciativas de preparação do Centenário das Aparições de Fátima. Apresentou também as obras em curso e já projetadas em diversos espaços do Santuário, a fim de melhor poder acolher os peregrinos e visitantes, que no ano passado foram mais de quatro milhões.

14. A Assembleia procedeu às seguintes nomeações:

– Dr. Manuel Cavalheiro Duarte, Diretor do Secretariado Nacional do Apostolado dos Leigos e Família, por mais um mandato;

P. Manuel Carlos de Jesus Gouveia, da Diocese do Funchal, Assistente Nacional da Juventude Operária Católica (JOC), por mais um mandato;

– P. António Jorge dos Santos Almeida, da Diocese de Viseu, Assistente do Serviço Nacional da Pastoral do Ensino Superior (SNPES);

– P. Abílio Pina Ribeiro, CMF, Assistente Nacional da Legião de Maria.

15. A Diretora da Fundação Fé e Cooperação (FEC), Dra. Susana Réfega, e dois elementos da mesma Fundação, Dra. Patrícia Fonseca e Dr. Emanuel Oliveira, tiveram uma intervenção na Assembleia para informar sobre as atividades em curso, como a campanha dos «Presentes Solidários», e os planos de futuro, sobretudo nalguns países africanos de língua oficial portuguesa.

16. A Conferência Episcopal reafirmou o apreço por todo o trabalho que se está a realizar em favor das vocações sacerdotais, que tem o seu ponto alto na Semana dos Seminários, a decorrer atualmente de 11 a 18 de novembro. Manifestou ainda a gratidão aos formadores dos Seminários que, com ânimo, se dedicam a esta causa central da vida da Igreja. Aos Seminaristas, deixa uma palavra de estímulo para que progridam no aprofundamento da vocação a que o Senhor os chama, particularmente neste Ano da Fé.

17. Finalmente, a Assembleia aprovou o orçamento do Secretariado Geral do Episcopado para 2013.

  

Fátima, 15 de novembro de 2012

 

 

 

 

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial