acontecimentos eclesiais

DO MUNDO

 

ÁUSTRIA

 

BEATIFICAÇÃO DO

IMPERADOR CARLOS I

 

O Santo Padre beatificou no domingo 3 de Outubro passado, na Praça de São Pedro, o último imperador da Áustria, Carlos I de Habsburgo, reconhecendo-o como «um exemplo para quem tem responsabilidades políticas na Europa».

 

Cerca de 30 mil fiéis assistiram ao evento, entre os quais vários descendentes dos Habsburgo e representantes das famílias aristocratas europeias. Presente esteve ainda grupo de madeirenses, liderado pelo Bispo do Funchal, D. Teodoro de Faria, e pelo presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim.

O Papa beatificou também a mística alemã Anna Katharina Emmerick, a religiosa italiana Maria Ludovica de Angelis, que esteve 50 anos ao serviço das crianças na Argentina, e os religiosos franceses Pierre Vigne e Joseph Marie Cassant.

Na sua homilia, o Papa considerou que a Palavra de Deus foi «o farol luminoso e seguro» pelo qual se deixaram guiar os cinco novos beatos.

Depois de pronunciar a fórmula de beatificação dos cinco servos de Deus, João Paulo II sublinhou na sua homilia que, «face às contínuas alterações da história, a revelação de Deus feita por Cristo permanece estável para sempre e abre sobre a nosso caminho terreno um horizonte de eternidade».

 

 

ESTADOS UNIDOS

 

ESTREIA DO FILME SOBRE

SANTA TERESINHA

 

O filme «Thérèse» de Leonardo DeFilippis, que leva às telas a vida de Santa Teresa de Lisieux, tornou-se um sucesso de bilheteira.

 

Apesar de coincidir com grandes estreias e ser exibido num número muito limitado de salas, «Thérèse» obteve ganhos maiores a 350 mil dólares, ocupando o 4.º lugar da bilheteira nos lugares em que se apresentou. O filme ocupou, além disso o 19.º lugar no total de 190 filmes estreados nos EUA no mesmo fim-de-semana.

Graças a tal sucesso, a exibição de «Thérèse» será alargada a mais 900 salas nas próximas semanas.

Recordando a infância da Santa, a sua entrada para o Carmelo e a sua morte por tuberculose com apenas 24 anos, o filme sublinha a evolução do carácter da jovem Doutora da Igreja, a sua alma e o seu «caminho».

Para Defilippis, que no filme desempenha o papel do pai de Santa Teresinha, o filme é, ao mesmo tempo, um trabalho e um exercício de fé. «É um milagre que tenhamos feito e distribuído este filme depois de ter trabalhado nele tantos anos», reconhece.

Sem objectivos de lucro e realizado com donativos, o filme é o primeiro que Leonardo Defilippis dirige. A obra recebeu vários prémios nos Estados Unidos da América e obteve o reconhecimento da indústria cinematográfica internacional. No ano passado, depois de estar com o Papa em Castel Gandolfo, o realizador informara que o Papa ficara comovido ao ver pela segunda vez o filme.

 

 

MÉXICO

 

CONGRESSO EUCARÍSTICO

INTERNACIONAL

 

De 10 a 17 deste mês de Outubro, realizou-se, na cidade de Guadalajara, no México, o 48.º Congresso Eucarístico Internacional. Foi uma semana cheia para dar especial relevo a Cristo eucarístico, «centro e cume da vida cristã», como recorda o Concílio Vaticano II.

 

Participaram cerca de 18.000 fiéis, vindos de 85 nações diferentes: cerca de 20 Cardeais, mais de duas centenas de Bispos e uns 1.500 Sacerdotes. De Portugal esteve presente um número significativo: 45 pessoas, sacerdotes e leigos, e o Arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, em representação da Conferência Episcopal Portuguesa.

Nota-se que a Igreja do México tem fundas raízes no seu povo, movimenta muito os jovens e abundam as vocações de consagração (sacerdócio, vida religiosa, etc.). Basta dizer que a diocese de Guadalajara, com cerca de seis milhões de habitantes, tem cerca de 500 seminaristas no seminário maior.

Normalmente, começávamos cada manhã com a celebração da Eucaristia, passando-se depois a uma conferência (catequese) e a testemunhos ou comunicações de experiências. As conferências foram apresentadas por Cardeais, alguns bem conhecidos, como o de Colónia, de Sevilha, de São Paulo, de Chicago… Os testemunhos foram dados por leigos, religiosas, bispos e sacerdotes. Houve também uma comunicação sobre a dimensão eucarística da vida e espiritualidade da beata Alexandrina de Balasar, apresentada por uma senhora da Itália. De tarde, tinham lugar encontros por grupos linguísticos ou outras celebrações (procissão, adoração…).

Significando que a Eucaristia tem que ser praticada pelo amor fraterno, foi inaugurada uma obra social (Fundação Cardeal José Garibi Rivera) na cidade de Guadalajara, construída de propósito para assinalar a realização deste Congresso Eucarístico.

De tudo o que se passou, faço apenas algumas breves observações:

– Impressionou a todos o calor do acolhimento do povo mexicano e a sua ardente fé.

– A procissão eucarística, pelas ruas da cidade, durante cerca de 6 km tocou-nos pela espontaneidade alegre e fé festiva do povo, tendo participado largas dezenas de milhar de fiéis.

– A celebração final, no estádio de Jalisco, com a lotação esgotada, sendo a sua capacidade de cerca de 65 mil lugares, foi deveras impressionante para os olhos e o coração. Presidida pelo Cardeal Legado do Papa, Jozef Tomko, concluiu-se com uma ligação à Basílica de S. Pedro, em Roma, via satélite, onde o Papa João Paulo II, inaugurou o «Ano da Eucaristia», que se concluirá, daqui a um ano, por ocasião do Sínodo dos Bispos, em Roma.

O Papa, na sua recente Carta Apostólica Mane nobiscum, Domine, pede para que as Igrejas locais encontrem os meios oportunos de celebrar este ano, para revigoramento da vida cristã das nossas comunidades, obras e movimentos. É o desafio ao qual importa responder, com acções concretas. É que só quem é eucarístico é verdadeiramente cristão.

 

Pe. Manuel Morujão

 

 

FRANÇA

 

BISPOS DENUNCIAM RESTRIÇÕES

À LIBERDADE RELIGIOSA

 

O presidente da Conferência Episcopal Francesa (CEF), arcebispo Jean-Pierre Ricard, denunciou as dificuldades encontradas pela Igreja Católica desde que é aplicada a lei que interdita os símbolos religiosos ostensivos nas escolas públicas.

 

«O medo de um Islamismo militante tem sido acompanhado de uma vontade de restringir as expressões da liberdade religiosa para todas as religiões», declarou Mons. Ricard na abertura da Assembleia Plenária de Outono da CEF.

O prelado criticou ainda os partidários de uma «secularização completa da sociedade» e da expressão «escola pública, santuário da República», em que as religiões ficam à porta.

Citando João Paulo II, o arcebispo de Bordéus assegurou que «não pode haver liberdade religiosa se não houver liberdade de expressão e a possibilidade de comunicação do pensamento».

A Assembleia Plenária da CEF decorreu de 4 a 9 de Novembro, em Lourdes. Dois temas marcaram a agenda destes dias: a reforma das estruturas da própria Conferência Episcopal e a Catequese.

A reforma das estruturas dá seguimento a um processo de reorganização interna iniciado em 2002, com o objectivo de favorecer o trabalho entre os bispos, de modo a melhor servir a sua missão comum.

A Catequese é outro ponto importante da Assembleia Plenária. A intenção é clara: recolocar a catequese no coração das comunidades cristãs e apresentar os fundamentos de uma catequese que se dirige aos diferentes grupos etários e articula na iniciação cristã as experiências, as aprendizagens e os ensinamentos.


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial