Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo

 

Missa da Aurora

25 de Dezembro de 2010

 

 

RITOS INICIAIS

 

Cântico de entrada: Hoje sobre nós, M. Faria, NRMS 4 (I)

cf. Is 9, 2.6; Lc 1, 33

Antífona de entrada: Hoje sobre nós resplandece uma luz: nasceu o Senhor. O seu nome será Admirável, Deus forte, Pai da eternidade, Príncipe da paz. E o seu reino não terá fim.

 

Diz-se o Glória.

 

Introdução ao espírito da Celebração

 

Depois de termos vivido com as nossas famílias a Ceia de Natal, quisemos vir a este templo sagrado para vivermos, como irmãos, a Santa Missa.

Jesus que nasceu em Belém é o mesmo que virá ao Altar nesta Eucaristia para O podermos receber na Sagrada Comunhão se estivermos devidamente preparados e que beijaremos na Sua Imagem no final.

 

Oração colecta: Concedei, Deus todo-poderoso, que, inundados pela nova luz do Verbo Encarnado, resplandeça em nossas obras o que pela fé brilha em nossos corações. Por Nosso Senhor...

 

 

Liturgia da Palavra

 

Primeira Leitura

 

Monição: Os Profetas no Antigo Testamento prepararam o Povo Eleito para a vinda de Jesus Salvador ao mundo.

 

Isaías 62, 11-12

11Eis o que o Senhor proclama até aos confins da terra: «Dizei à filha de Sião: Eis que vem o teu Salvador. Com Ele vem o seu prémio e precede-O a sua recompensa. 12Serão chamados ‘Povo santo’, ‘Resgatados do Senhor’; e tu serás chamada ‘Pretendida’, ‘Cidade não abandonada’».

 

A leitura recolhe dois versículos do III Isaías, referidos à Jerusalém restaurada após o exílio. «Até aos confins da terra»: a perspectiva universalista típica da última parte de Isaías corresponde bem à realidade de um «Natal para todos».

«Filha de Sião, Filha de Jerusalém», forma poética de o profeta se dirigir aos habitantes da cidade, e mesmo a todos os israelitas (como aqui sucede). A Igreja é o novo «Israel de Deus», «o monte Sião» (Gal 4, 26; 6, 16; Hebr 12, 22; Apoc 14, 1; 21). «Sião» (etimologicamente lugar seco) era a cidadela da capital, Jerusalém. Inicialmente designava a fortaleza conquistada por David aos jebuseus, a colina oriental de Jerusalém (Ofel), que começou a ser chamada «cidade de David», para onde este transladou a Arca da Aliança. Quando Salomão construiu o Templo, a Norte de Sião, e para lá levou a arca, também se começou a dar a esse lugar o nome de Sião. Depois veio a designar o conjunto da cidade de Jerusalém, ou todos os seus habitantes e mesmo todo o povo de Israel. Na tradição cristã, veio a dar-se uma confusão acerca da localização topográfica do monte Sião, ao situá-lo no Cenáculo, na colina ocidental da cidade alta. Esta confusão parece ter origem em que o Cenáculo foi considerado a sede da primitiva Igreja de Jerusalém, o novo «monte Sião», segundo Hebr 12, 22 e Apoc 14, 1. Actualmente a Arqueologia veio esclarecer estes locais.

 

Salmo Responsorial    Salmo 96 (97), 1 e 6.11-12

 

Monição: Todos os povos da Terra exultam de alegria com o nascimento do Deus Menino.

 

Refrão:        Hoje sobre nós resplandece uma luz:

nasceu o Senhor.

 

O Senhor é rei: exulte a terra,

rejubile a multidão das ilhas.

 

Os céus proclamam a sua justiça

e todos os povos contemplam a sua glória.

 

A luz resplandece para os justos

e a alegria para os corações rectos.

 

Alegrai-vos, ó justos, no Senhor

e louvai o seu nome Santo.

 

Segunda Leitura

 

Monição: Acreditamos em Jesus que veremos tal como Ele é quando nos chamar para a vida eterna.

 

Tito 3, 4-7

Caríssimo: 4Ao manifestar-se a bondade de Deus nosso Salvador e o seu amor para com os homens, Ele salvou-nos, 5não pelas obras justas que praticámos, mas em virtude da sua misericórdia, pelo baptismo da regeneração e renovação do Espírito Santo, 6que Ele derramou abundantemente sobre nós, por meio de Jesus Cristo nosso Salvador, 7para que, justificados pela sua graça, nos tornássemos, em esperança, herdeiros da vida eterna.

 

Esta belíssima síntese soteriológica bem podia ser uma espécie de fórmula de fé corrente na Igreja primitiva que tenha sido inserida na Carta.

5 O «banho de regeneração e renovação do Espírito Santo» é o Baptismo, que nos faz nascer de novo (Jo 3, 3.5) e que nos torna «nova criatura» (Gal 6, 15; 2 Cor 5, 17). O Natal é ocasião propícia para meditar também no nosso natal, o Baptismo, e para daí tirar consequências práticas: «reconhece, ó cristão, a tua dignidade; tornado participante da natureza divina, não regresses à antiga baixeza duma vida depravada; lembra-te de que Cabeça e de que Corpo és membro. Pelo Baptismo, tornaste-te templo do Espírito Santo» (S. Leão Magno, Homilia para o dia de Natal).

 

Aclamação ao Evangelho        Lc 2, 14

 

Monição: Com os Anjos e os Pastores vamos também nós até Belém para oferecermos o nosso coração a Jesus recém-nascido.

 

Aleluia

 

Cântico: F. da Silva, NRMS 46

 

Glória a Deus nas alturas

e paz na terra aos homens por Ele amados.

 

 

Evangelho

 

São Lucas 2, 15-20

15Quando os Anjos se afastaram dos pastores em direcção ao Céu, começaram estes a dizer uns aos outros: «Vamos a Belém, para vermos o que aconteceu e que o Senhor nos deu a conhecer». 16Para lá se dirigiram apressadamente e encontraram Maria, José e o Menino deitado na manjedoura. 17Quando O viram, começaram a contar o que lhes tinham anunciado sobre aquele Menino. 18E todos os que ouviam admiravam-se do que os pastores diziam. 19Maria guardava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração. 20Os pastores regressaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes tinha sido anunciado.

 

A leitura mostra a reacção dos pastores perante o anúncio do nascimento de Jesus que bem pode marcar a atitude do cristão ao tomar consciência do Natal de Jesus: a decisão (tão presente nos nossos vilancetes), de ir a Belém, apressadamente, sem delongas nem escusas ao encontro pessoal com Jesus, Maria e José

18 Os «pastores» contaram as maravilhas daquela noite, mas os conterrâneos não os deveriam tomar muito a sério. Como poderia o Messias revelar-se a gente tão miserável, mal conceituada e tida por pecadora?

19 «Maria» ensina-nos a viver o mistério do Natal no recolhimento, ponderação e intimidade com Jesus: «guardava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração».

 

Sugestões para a homilia

 

Jesus nasceu em Belém

Consagremo-nos a Jesus

Natal sempre

Jesus nasceu em Belém

Hoje não é um dia qualquer… Hoje é o Dia de Natal.

Ao longo dos séculos o Povo Eleito preparou-se para o nascimento do Redentor. Houve lutas e tragédias, ódio e violência, crime e pecado.

Corrigir o que estava mal, apontar caminhos de perfeição foi a tarefa árdua dos Profetas… (Primeira Leitura)

Finalmente Jesus veio. E o impensável aconteceu. Senhor de tudo quanto existe no universo, não teve uma casa para nascer… Ao Seu encontro não vieram os poderosos e ricos mas sim os humildes pastores e os anjos do Céu. (Evangelho)

Jesus nasceu feliz. Tinha a Seu lado a maior riqueza do mundo: Sua Mãe, a Virgem Maria e Seu pai adoptivo, José…

A partir daí tudo mudou na história da humanidade. Ele veio para ser amado por muitos, odiado e esquecido por outros… A todos os que O amarem Jesus oferece o dom da Salvação. (Segunda Leitura)

Consagremo-nos a Jesus

Os mártires dizem-nos que valeu a pena dar a vida por Jesus que lhes concedeu uma eternidade feliz.

Aqueles que não se deixaram seduzir pelas tentações do demónio dizem-nos que valeu a pena aderir plenamente a Jesus Cristo que sacia a ânsia de felicidade do coração.

Aqueles que O imitaram e deram testemunho d’Ele no mundo dizem-nos que deve ser assim a nossa vida.

Vamos todos em espírito até Belém… Vamos ao encontro de Jesus… Ofereçamos-Lhe a nossa vida. Ele quer ficar connosco para sermos felizes. Ele quer estar connosco para com Ele tornarmos o mundo melhor.

Ele diz-nos para O contemplarmos na criança que deve ser respeitada na sua pureza e inocência.

Ele diz-nos para O vermos no jovem que não quer ser aliciado para o vício a fim de manter viva a esperança duma sociedade mais justa.

Ele diz-nos para O encontrarmos no homem e na mulher que O invocam para levarem com muita Fé a cruz da vida.

Ele diz-nos para O reconhecermos no idoso que aponta, com a experiência adquirida durante a vida, o melhor caminho a seguir.

Natal sempre

Hoje é um dia diferente…

As famílias voltam a irradiar a felicidade à sua volta.

Aqueles que vivem com dificuldades económicas recebem a ajuda merecida.

Os que vivem na angústia e solidão recuperam a alegria de viver.

O ódio dá lugar ao perdão e ao Amor.

A guerra acaba para podermos viver em paz.

É tão belo este dia de Natal! Um dia que jamais devia acabar…Vamos então fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para que em todos os meses do ano vivamos cada dia como vivemos o dia de Natal!

Virgem Maria, obrigado por nos dares Jesus! Ajuda-nos a cumprir sempre a Sua vontade. Ajuda-nos a levar a Sua mensagem de salvação ao mundo. Ajuda-nos a viver como Tu viveste. E, quando Jesus nos vier chamar, acompanha-nos para vivermos eternamente felizes no Céu! Amém.

 

 

Oração Universal

 

Neste santo Dia de Natal, oremos ao Menino Jesus,

com muita ternura, dizendo confiadamente:

Filho da Virgem Maria, ouvi-nos!

 

1.     Para que o Santo Padre, os Bispos, Sacerdotes, Religiosos e Leigos,

através da oração, do exemplo e apostolado,

alcancem do Senhor bênçãos para a humanidade,

oremos, irmãos.

 

2.     Para que os esposos, pais e filhos

vivam felizes, como a Sagrada Família,

no diálogo, na fidelidade e no amor,

oremos, irmãos.

 

3.     Para que as crianças e os jovens,

chamados a consagrar a vida ao Senhor,

permaneçam firmes na sua vocação,

oremos, irmãos.

 

4.     Para que na nossa comunidade (paroquial)

todos sejam solidários e generosos

com os que necessitam de atenção e ajuda,

oremos, irmãos.                                       

 

5.     Para que os doentes e aqueles que não podem estar aqui

pensem em Jesus que veio ao mundo

para nos perdoar, abençoar e salvar,

oremos, irmãos.

 

6.     Para que os familiares e amigos falecidos

vivam eternamente com o Senhor no Céu,

onde os esperamos encontrar, um dia,

oremos, irmãos.

 

Senhor Jesus, nós Vos agradecemos

tudo o que nos concedeis por intercessão de Maria Santíssima.

Ficai sempre connosco, Vós que sois Deus com o Pai,

na unidade do Espírito Santo.

 

 

Liturgia Eucarística

 

Cântico do ofertório: Hoje sobre nós resplandece uma luz, M. Faria, NRMS 4 (I)

 

Oração sobre as oblatas: Aceitai, Senhor, a nossa oblação nesta santa noite de Natal e fazei que, pela admirável permuta destes dons, participemos na divindade do vosso Filho que a Vós uniu a nossa natureza humana, Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Prefácio do Natal: p. 457 [590-702] ou 458-459

 

No Cânone Romano, diz-se o Communicantes (Em comunhão com toda a Igreja) próprio. Também nas Orações Eucarísticas II e III se faz a comemoração própria.

 

Santo: M. Luis, NCT nº 297

 

Monição da Comunhão

 

Jesus Eucaristia pede-nos que O adoremos, O louvemos, O invoquemos, O recebamos sacramentalmente. Não busquemos a felicidade onde não se encontra. Só Cristo nos tornará verdadeiramente felizes.

 

Cântico da Comunhão: Canta, Povo de Sião, F. dos Santos, NCT 74

Jo 1, 14

Antífona da comunhão: O Verbo fez-Se carne e nós vimos a sua glória.

 

Oração depois da comunhão: Senhor nosso Deus, que nos dais a alegria de celebrar o nascimento do nosso Redentor, dai-nos também a graça de viver uma vida santa, a fim de podermos um dia participar da sua glória. Por Nosso Senhor...

 

 

Ritos Finais

 

Monição final

 

Foi com muita alegria mas também com muita emoção que vivemos a Missa neste dia de festa.

Agora vamos anunciar Jesus Cristo ao mundo que na Sua infinita misericórdia veio salvar.

Para todas as pessoas aqui presentes e para todas as que permanecem em nosso coração, votos de Feliz e Santo Natal!

 

Cântico final: O Senhor do Universo, F. da Silva, NRMS 21

 

 

 

 

 

 

 

Celebração e Homilia:         Aurélio Araújo Ribeiro

Nota Exegética:                    Geraldo Morujão

Sugestão Musical:                Duarte Nuno Rocha

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial