A PALAVRA DO PAPA

SANTO AGOSTINHO:

BUSCA INQUIETA DA VERDADE

 

 

Bento XVI

 

 

Nas últimas audiências gerais da quarta-feira, o Santo Padre tem estado a referir-se a algum dos Santos que se comemoram nessa semana, mostrando a sua actualidade para os cristãos.

Na audiência geral de 25-VIII-2008, referiu-se a Santo Agostinho, cuja memória se comemorava no dia 28 de Agosto, e a quem o Papa tem especial devoção. 

Título e subtítulo da redacção da CL.

 

 

Queridos irmãos e irmãs!

 

Na vida de cada um de nós existem pessoas muito queridas, que sentimos particularmente próximas, algumas já se encontram nos braços de Deus, outras ainda partilham connosco o caminho da vida: são os nossos pais, os parentes, os educadores; são pessoas a quem fizemos o bem ou de quem recebemos o bem; são pessoas com as quais sabemos que podemos contar. Mas é importante ter também «companheiros de viagem» no caminho da nossa vida cristã: penso no Director espiritual, no Confessor, nas pessoas com quem se pode partilhar a própria experiência de fé, mas penso também na Virgem Maria e nos Santos. Cada um deveria ter um Santo que lhe seja familiar, para o sentir próximo de si com a oração e com a intercessão, inclusive para o imitar. Portanto, gostaria de vos convidar a conhecer melhor os Santos, começando por aquele do qual tendes o nome, lendo a sua vida, os escritos. Tende a certeza de que se tornarão bons guias para amar ainda mais o Senhor e ajudas valiosas para o vosso crescimento humano e cristão.

Como sabeis, também eu estou ligado de modo especial a algumas figuras de Santos: entre eles, além de São José e de São Bento, dos quais levo o nome, e outros, encontra-se Santo Agostinho, que tive o grande dom de conhecer, por assim dizer, de perto através do estudo e da oração e que se tornou um bom «companheiro de viagem» na minha vida e no meu ministério. Gostaria de ressaltar mais uma vez um aspecto importante da sua experiência humana e cristã, actual também na nossa época na qual parece que o relativismo seja paradoxalmente a «verdade» que deve guiar o pensamento, as escolhas, os comportamentos.

Busca inquieta da Verdade

Santo Agostinho foi um homem que nunca viveu com superficialidade; a sede, a busca inquieta e constante da Verdade é uma das características básicas da sua existência; mas não das «pseudo-verdades» incapazes de proporcionarem uma paz duradoura ao coração, mas daquela Verdade que dá sentido à existência e é «a morada» na qual o coração encontra serenidade e alegria. Sabemos que o seu caminho não foi fácil: pensou encontrar a Verdade no prestígio, na carreira, na posse das coisas, nas vozes que lhe prometiam felicidade imediata; cometeu erros, passou por tristezas, enfrentou insucessos, mas nunca parou, nunca se contentou com aquilo que lhe dava unicamente um vislumbre de luz; soube olhar para o interior de si mesmo e apercebeu-se, como escreve nas Confissões, que aquela Verdade, aquele Deus que procurava com as suas forças era mais íntimo dele do que ele mesmo, tinha estado sempre ao seu lado, nunca o tinha abandonado, esperava poder entrar definitivamente na sua vida (cf. III, 6, 11; X, 27, 38). Como dizia, comentando o recente filme sobre a sua vida, Santo Agostinho compreendeu, na sua inquieta busca, que não foi ele que encontrou a Verdade, mas a própria Verdade, que é Deus, o procurou e o encontrou (cf. L'Osservatore Romano, 4 de Setembro de 2009, p. 8). Romano Guardini, comentando um trecho do terceiro capítulo das Confissões, afirma: Santo Agostinho compreendeu que Deus é «glória que nos faz ajoelhar, bebida que mata a sede, tesouro que torna felizes, [... ele teve] a certeza pacificadora de quem finalmente compreendeu, mas também a bem-aventurança do amor que sabe: Isto é tudo e basta» (Pensatori religiosi, Brescia 2001, p. 177).

Sempre nas Confissões, no Livro IX, o nosso Santo refere um diálogo com a mãe, Santa Mónica, cuja memória se celebra na próxima sexta-feira, depois de amanhã. É uma cena muito bela. Ele e a mãe estão em Óstia, numa hospedaria, e da janela vêem o céu e o mar, e transcendem céu e mar, e por um momento tocam o coração de Deus no silêncio das criaturas. E aqui aparece uma ideia fundamental no caminho rumo à Verdade: as criaturas devem calar-se para se entrar no silêncio no qual Deus pode falar. Isto é sempre válido, também no nosso tempo: por vezes sente-se uma espécie de temor do silêncio, do recolhimento, do pensar nas próprias acções, no sentido profundo da própria vida, muitas vezes prefere-se viver só o momento que foge, com a ilusão de que traga uma felicidade duradoura; prefere-se viver, porque parece mais fácil, com superficialidade, sem pensar; tem-se medo de procurar a Verdade ou talvez receia-se que a Verdade nos encontre, pegue em nós e mude a nossa vida, como aconteceu com Santo Agostinho.

Queridos irmãos e irmãs, gostaria de dizer a todos, também a quem se encontra num momento de dificuldade no seu caminho de fé, a quem participa pouco da vida da Igreja ou a quem vive «como se Deus não existisse», que não tenhais medo da Verdade, nunca interrompais o caminho para ela, nunca cesseis de procurar a verdade profunda sobre vós próprios e sobre as coisas com os olhos do coração. Deus não deixará de dar Luz para fazer ver e Calor para fazer sentir ao coração que nos ama e que deseja ser amado.

A intercessão da Virgem Maria, de Santo Agostinho e de Santa Mónica nos acompanhe neste caminho.

 

 

 

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial