aCONTECIMENTOS eclesiais

COMENTÁRIO

 

A SOLIDÃO DE BENTO XVI

 

 

D. Ilídio Leandro

Bispo de Viseu

 

 

Muito preocupados com a situação de unidade e de comunhão na Igreja andam os jornalistas e os meios de comunicação social do mundo e, também, os do nosso País. É bom ter a Igreja como centro de visibilidade e de interesse, na sua realidade de Instituição pública religiosa e ao serviço do público e como Instituição que vive as causas que marcam a vida das pessoas e influenciam a sua quotidiana existência! É bom interrogarem-se, de forma permanente, se as vicissitudes de uma Instituição – também humana e terrena, ainda que de fundação e de assistência divina – continuam a permitir-lhe anunciar a Verdade e acompanhar e orientar a vida de todos aqueles que seguem Jesus Cristo e que abrem o coração aos valores do Evangelho! É bom que este interesse seja para acompanhar, positivamente, os ideais, os valores e o sentido que a Igreja veicula, respeitando a sua missão e os meios e condições que lhe são devidos por direito e por respeito!

É muito bom que este olhar crítico, de bons observadores, seja a constatação de que a Sociedade quer, precisa e exige uma Igreja interveniente como luz, sal e fermento! Tudo isto para que a Igreja possa realizar uma missão de denúncia salutar e de anúncio feliz para um Mundo justo, fraterno e solidário, respeitando e fomentando a dignidade das pessoas e os direitos fundamentais de todas elas, sem excepção de idade, de cor, de condição social, de mundo em que vivam…

Vem isto a propósito de grandes caixas, títulos e reflexões sobre a «solidão de Bento XVI». Apontam, em «lógica» e em «coerência», possíveis falhas de unidade em afirmações desenquadradas de contexto, de tempo e de sentido, sobre o que há de mais diferente – e tantas vezes acessório – nas posições, tidas por alguém, mais próximo ou mais distante do Papa Ratzinger…

Felizmente que tudo é notado na Igreja, mesmo o que se diz sobre um tema «menor». Quero voltar a desejar que seja porque a Igreja é importante, respeitada e escutada: na sua missão, doutrina e posições sobre as pessoas e a sociedade. Porque falta de unidade e de comunhão no essencial… não se divisa. Falta de coordenação «logística» ou jornalística? – a Igreja é também humana e, assim: aprende, cresce, vive, sofre e erra…

Solidão? É normal em todos aqueles que assumem no mundo e, também, na Igreja, obrigações de organizar e coordenar a vida, de estabelecer comunhão, de discernir nas diferenças e opções necessárias, de decidir em situação última (depois de percorridas as instâncias e etapas de diálogo, de procura e de elaboração). A solidão do último responsável é natural face à verdade, face à fidelidade, face à responsabilidade, face à diversidade, face à necessidade, face à caridade… Sobretudo na Igreja, quando é essencial a comunhão com Deus e com os homens.

Todos os Cristãos – Leigos, Religiosos, Sacerdotes, Bispos ou Cardeais – temos a noção do sentido e da importância da missão do Papa na Igreja e do apoio, respeito, atenção, unidade e comunhão que lhe devemos. Temos a certeza, também, da presença e da assistência do Espírito de Deus que acompanha, orienta e guia as pessoas que, de coração aberto, vivem, com amor, o Evangelho como a Boa Nova para os tempos e as pessoas de cada hoje. Nas pessoas, guiadas e assistidas pelo Espírito Santo, a primeira, com um Ministério todo ele especial e único, é o Papa – hoje, Bento XVI. Nunca está só porque, para além desta assistência divina e sobrenatural, tem todos os canais intermédios de corresponsabilidade e de comunhão, criados pelo Concílio Ecuménico do Vaticano II, que o Papa reúne, ouve e respeita.

O Vaticano – Sede visível da Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica – tem todo um conjunto de pessoas, nos diversos ministérios eclesiais, com vários representantes em todo o mundo que servem, permanentemente, a Verdade na Caridade, em ordem ao bem comum de toda a Igreja, na sua missão de realizar, hoje e sempre, a vontade de Deus.

Solidão do Papa porque os Cristãos (Leigos, Religiosos, Sacerdotes, Bispos ou Cardeais) não estão com ele? Não. A Unidade Colegial – na Comunhão e na Corresponsabilidade – e a missão do Papa nesta Unidade e em toda a Igreja são dois dos maiores bens que a Igreja tem e que o Vaticano II aprofundou (ao jeito do Colégio dos 12 Apóstolos e da Igreja nascente) e que não estão a saldo.

 

 

Fonte: Agência Ecclesia

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial