Anjo da Guarda de Portugal

10 de Junho de 2009

 

 

RITOS INICIAIS

 

Cântico de entrada: Como promessa de cada hora, M. Faria, NRMS 30

Dan 3, 95

Antífona de entrada: Bendito seja o Senhor, que enviou o seu Anjo e libertou os seus servos, que n'Ele confiaram.

 

Introdução ao espírito da Celebração

 

Nós Portugueses, residentes no nosso País ou em qualquer nação do mundo, sentimo-nos muito felizes ao vivermos hoje o Dia de Portugal.

Porque temos Fé, queremos pedir ao Anjo de Portugal que interceda sempre ao Senhor pela nossa Pátria.

 

Oração colecta: Deus eterno e omnipotente, que destinastes a cada nação o seu Anjo da Guarda, concedei que, pela intercessão e patrocínio do Anjo de Portugal, sejamos livres de todas as adversidades. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Liturgia da Palavra

 

Primeira Leitura

 

Monição: O Profeta Daniel ouve a mensagem de São Miguel Arcanjo. Ouçamo-la nós também.

 

Daniel 10, 2a, 5-6.12-14ab

2aNaqueles dias, 5ergui os olhos e vi um homem vestido de linho, com um cinturão de ouro puro. 6O seu corpo era semelhante ao topázio e o rosto tinha o fulgor do relâmpago; os olhos eram como fachos ardentes, os braços e as pernas eram brilhantes como o bronze polido e o som das suas palavras era como o rumor duma multidão. 12Ele disse-me: «Não temas, Daniel, porque desde o primeiro dia em que aplicaste o teu coração para compreender e te humilhaste diante do teu Deus, as tuas palavras foram ouvidas. É por causa das tuas palavras que eu venho. 13O chefe do reino da Pérsia resistiu-me durante vinte e um dias. Então Miguel, um dos chefes principais, veio em meu auxílio. Eu estive lá, a fazer frente ao chefe dos reis da Pérsia, 14abe vim para te explicar o que vai suceder ao teu povo, no fim dos tempos».

 

A leitura está respigada dos sonhos e visões de Daniel (2ª parte do livro: 7, 1 – 12, 13), onde, na última visão, uma figura excelsa explica o que irá suceder nas guerras do séc. II a. C. entre os Selêucidas e os Lágidas, e como uma personalidade abominável (Antíoco IV da Síria) virá trazer grandes desgraças ao povo, mas acabará por ser derrotado, graças à intervenção libertadora de Miguel (este nome hebraico – mi-ka-el – significa: quem como Deus?). A leitura foi escolhida para a festa de hoje certamente pela descrição da figura angélica da aparição nos vv. 5-6, que evoca a visão dos Pastorinhos de Fátima.

 

Salmo Responsorial     Salmo 90 (91),1 e 3.5b-6.10.11.14-15

 

Monição: Os perigos são muitos. Não tenhamos medo pois os Anjos, se os invocarmos, vêm em nosso auxílio.

 

Refrão:         O Senhor mandará aos seus anjos

Que te guardem em todos os teus caminhos.

 

Tu, que habitas sob a protecção do Altíssimo,

moras à sombra do Omnipotente.

Ele te livrará do laço do caçador

e do flagelo maligno.

 

Não temerás o pavor da noite,

nem a seta que voa de dia;

nem a epidemia que se propaga nas trevas,

nem a peste que alastra em pleno dia.

 

Nenhum mal te acontecerá,

nem a desgraça se aproximará da tua morada.

Porque o Senhor mandará aos seus Anjos

que te guardem em todos os teus caminhos.

 

«Porque confiou em Mim, hei-de salvá-lo;

hei-de protegê-lo, pois conheceu o meu nome.

Quando Me invocar, hei-de atendê-lo,

estarei com ele na tribulação,

hei-de libertá-lo e dar-lhe glória».

 

 

Aclamação ao Evangelho         Lc 2, 10b

 

Monição: Os Pastores de Belém tiveram a visita dos Anjos quando Jesus nasceu. Os Pastorinhos de Fátima também tiveram a visita do Anjo de Portugal antes das aparições de Nossa senhora.

 

Aleluia

 

Cântico: Aclamação – 3, F. da Silva, NRMS 50-51

 

Disse o Anjo do Senhor:

«Anuncio-vos uma grande alegria para todo o povo.»

 

 

Evangelho

 

São Lucas 2, 8-14

Naquele tempo, 8havia naquela região uns pastores que viviam nos campos e guardavam de noite os rebanhos. 9O Anjo do Senhor aproximou-se deles e a glória do Senhor cercou-os de luz; e eles tiveram grande medo. 10Disse-lhes o Anjo: «Não temais, porque vos anuncio uma grande alegria para todo o povo: 11nasceu-vos hoje, na cidade de David, um Salvador, que é Cristo Senhor. 12Isto vos servirá de sinal: encontrareis um Menino recém-nascido, envolto em panos e deitado numa manjedoura». 13Imediatamente juntou-se ao Anjo uma multidão do exército celeste, que louvava a Deus, dizendo: 14«Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados».

 

Também o texto escolhido nos fala dos Anjos do Natal. A glória de Deus que em Israel se manifestava no templo, manifesta-se agora no campo dos pastores. Deus manifesta-se aos simples e humildes e no meio dos seus afazeres mais correntes.

(Ver notas para o dia de Natal).

 

Sugestões para a homilia

 

Portugal no passado

Portugal, hoje

Anjo da Guarda de Portugal

Portugal no passado

No Dia de Portugal a Igreja celebra o seu Anjo. Ao longo da história muitas vezes o Anjo de Portugal se alegrou connosco.

Desde os descobrimentos o Anjo de Portugal animou os missionários a levar a Fé aos povos das nações que cruzaram connosco a sua história. Graças a eles ainda agora, em qualquer parte do mundo, há sempre pessoas a rezar em Português.

Houve, porém, momentos em que interveio directamente no sentido de nos ajudar a vencer as dificuldades que pareciam intransponíveis.

Não era boa a sociedade em 1917, ano das aparições de Nossa Senhora em Fátima. Chegou-se ao cúmulo do Administrador de Vila Nova de Ourém prender as três crianças inocentes que viram Nossa Senhora: Jacinta, Francisco e Lúcia, ameaçando-as de as lançar numa caldeira de azeite a ferver… Com este gesto monstruoso podemos ver como ia o nosso País nesse tempo!...

O Anjo de Portugal estava atento. Veio a Fátima preparar os Pastorinhos para a nobre missão que lhes ia ser confiada e ensinou-nos com eles a rezar:

«Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-vos. Peço-vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam».

«Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da Terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria peço-Vos a conversão dos pobres pecadores». (Memórias da Irmã Lúcia).

Muitos rezaram. Por isso Portugal foi poupado na segunda guerra mundial de 1939 a 1945 e não sofreu uma guerra civil após o 25 de Abril de 1974 até 25 de Novembro de 1975.

Portugal, hoje

Nem tudo vai bem em Portugal nestes primeiros anos do século XXI…

A família vive em ameaça constante pela facilidade em se obter o divórcio civil. Os defensores das uniões homossexuais querem confundi-las com o verdadeiro casamento.

Muitos símbolos religiosos nos edifícios ou espaços públicos são retirados.

A vida é ameaçada logo no início com o aborto e no final com a eutanásia.

A corrupção, o roubo, o crime organizado causam medo e insegurança.

A imoralidade, a infidelidade, a pedofilia e o pecado são cada vez mais frequentes.

Pretende-se construir uma sociedade onde a Igreja é marginalizada e onde não há lugar para Deus…

Mas Portugal é um País onde a maioria da população foi, é e será sempre católica.

Anjo da Guarda de Portugal

Os Santos Portugueses são para nós um exemplo a seguir. Peçamos a sua intercessão para que Portugal se mantenha fiel à tradição cristã.

O Anjo de Portugal vela constantemente por nós e pede-nos para darmos testemunho da nossa Fé na família, na escola, na fábrica, no hospital, no sindicato, na política, na autarquia, no governo, na sociedade…

Continuemos a ter uma confiança filial em Maria Santíssima, Rainha dos Anjos que escolheu Fátima em Portugal para confiar uma mensagem de salvação para todo o mundo.

 

 

Oração Universal

 

Irmãos, oremos a Deus Omnipotente

e imploremos a Sua misericórdia,

dizendo confiadamente:

Escutai, Senhor, a nossa oração.

 

1.  Pelo Papa, pelos Bispos e Sacerdotes que servem a Santa Igreja,

pelos Religiosos, Missionários e Diáconos, fiéis à sua vocação

e pelos Leigos que dão testemunho evangélico no mundo,

oremos, irmãos.

 

2.  Pelos bebés a quem foi negado o direito à vida,

pelas crianças maltratadas a pedirem a nossa ajuda

e pelas que, na sua inocência, enchem o mundo de alegria,

oremos, irmãos.

 

3.  Pelos adolescentes a quererem libertar-se das seduções ilusórias,

pelos jovens que preparam bem o futuro

e por aqueles que escutam o Senhor, consagrando-Lhe a vida,

oremos, irmãos.

 

4.  Pelos noivos que preparam seriamente o seu matrimónio,

pelas famílias a viverem o drama da infidelidade

e pelas que vivem a generosidade no amor,

oremos, irmãos.

 

5.  Pelos marginalizados que sofrem na solidão,

pelos doentes acompanhados com dedicação até ao fim

e por aqueles que oferecem a sua Cruz ao Senhor,

oremos, irmãos.

 

6.  Pelos que faleceram repentinamente ou após doença prolongada,

pelos nossos familiares e amigos que partiram ao encontro do Pai

e pelos fiéis defuntos que se purificam a caminho do céu,

oremos, irmãos.

 

Senhor nosso Deus e nosso Pai,

dignai-Vos atender estas súplicas

e, por intercessão do Anjo da Guarda de Portugal

e da Virgem Santa Maria, nossa Padroeira,

concedei-nos o que for melhor para nós.

Por N. S. J. C. Vosso Filho que é Deus Convosco

na unidade do Espírito Santo.

 

 

Liturgia Eucarística

 

Cântico do ofertório: Bendito seja Deus, bendito seja, Az. Oliveira, NRMS 48

 

Oração sobre as oblatas: Recebei, Senhor, estas ofertas que apresentamos ao vosso altar e fazei que, por intercessão do nosso Anjo da Guarda, sejamos defendidos de toda a adversidade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Prefácio dos Anjos: p. 491

 

Santo: J. Santos, NRMS 99-100

 

Monição da Comunhão

 

«Tomai e bebei o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolai o vosso Deus».

Estas palavras, ditas pelo Anjo de Portugal aos Pastorinhos quando lhes deu a Sagrada Comunhão, são dirigidas neste momento a todos os que estão devidamente preparados para O receberem sacramentalmente.

 

Cântico da Comunhão: Deus connosco, Deus em nós, F. da Silva, NRMS 49

Judite 13, 20.21

Antífona da comunhão: Bendito seja o Senhor, que me protegeu por meio do seu Anjo. Dai graças ao Senhor, porque é eterna a sua misericórdia.

 

Cântico de acção de graças: Deixai-me saborear, F. da Silva, NRMS 17

 

Oração depois da comunhão: Senhor, que nos alimentais neste admirável sacramento de vida eterna, dirigi os nossos passos, por meio do vosso Anjo, no caminho da salvação e da paz. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Ritos Finais

 

Monição final

 

Hoje há festa em qualquer parte onde vivam os Portugueses.

Nós quisemos santificar este dia na Celebração da Eucaristia. Que o Anjo de Portugal e Maria Santíssima, nossa Padroeira, intercedam por todos nós ao Senhor!

 

Cântico final: Cantai alegremente, M. Luís, NRMS 38

 

 

 

 

 

 

 

 

Celebração e Homilia:          Aurélio Araújo Ribeiro

Nota Exegética:                     Geraldo Morujão

Sugestão Musical:                 Duarte Nuno Rocha

 

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial