aCONTECIMENTOS eclesiais

DA SANTA SÉ

 

 

 

VATICANO:

Um dia de «presentes» para São João Paulo II,

no Centenário do seu nascimento

Santa Faustina Kowalka, no calendário Romano Geral

 

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos divulgou o Decreto para a celebração litúrgica de Santa Faustina Kowalska, “apóstola” da misericórdia, inscrita no Calendário Romano Geral como memória facultativa, a 5 de outubro.

 “Como um presente do Céu, viu no Senhor Jesus Cristo o rosto misericordioso do Pai e tornou-se anunciadora”, ressalta o decreto assinado pelo prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, cardeal Robert Sarah.

Santa Faustina (1905-1938), indica a Santa Sé, “entendeu que nenhuma miséria humana pode comparar-se com a misericórdia que jorra inexaurível do coração de Cristo”.

“Tornou-se, portanto, inspiradora de um movimento destinado a proclamar e implorar a Misericórdia Divina para o mundo inteiro”, ressalta ainda o texto da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos.

A religiosa foi evocada na Missa a que o Papa presidiu por ocasião do centenário do nascimento de São João Paulo II (1920-2005).

“Pensemos em quanto fez para que as pessoas entendessem a misericórdia de Deus. Pensemos como levou por diante a devoção a Santa Maria Faustina”, disse Francisco, na sua homilia.

João Paulo II determinou, no ano 2000, que o primeiro domingo a seguir à Páscoa, o segundo do Tempo Pascal, se passasse a denominar da “Divina Misericórdia”, no seguimento das indicações redigidas no ‘Diário’ de Santa Maria Faustina Kowalska.

Em 18 de maio, centenário do nascimento de S. João Paulo II, o Papa Francisco assinou uma carta pela inauguração do ‘Instituto de Cultura São João Paulo II” na Universidade Pontifícia de São Tomás de Aquino (Angelicum).

“São João Paulo II é, ao mesmo tempo, o inspirador, primeiro e mais importante artífice desta obra, com o rico e multiforme património que deixou e com o exemplo do seu espírito aberto e contemplativo, apaixonado por Deus e pelo ser humano, pela criação, pela história e pela arte”, realça.

Mikhail Gorbachev, antigo líder soviético, destaca que, entre as “personalidades excecionais” que conheceu, “poucas” deixaram uma impressão tão forte como o Papa João Paulo II.

 

VATICANO:

Bento XVI regressou a Roma depois da visita ao seu irmão

 

 O Papa emérito Bento XVI regressou à sua residência no Vaticano, em 22 de junho, depois se ter deslocado no dia 18 à Alemanha, para visitar o seu irmão, mons. Georg Ratzinger, de 96 anos, que se encontra doente.

Além das visitas ao seu irmão, de 96 anos, Bento XVI quis passar por alguns locais de família, que não via desde 2006, aquando da última visita oficial à terra natal, incluindo o cemitério de Ziegetsdorf, junto ao túmulo onde repousam os seus pais e irmã mais velha.

O Papa emérito passou pela sua antiga casa em Pentling, nos arredores de Ratisbona, onde viveu nos anos em que foi professor de Teologia na universidade da cidade alemã – atualmente a sede do Instituto Bento XVI.

Bento XVI foi ordenado sacerdote no mesmo dia de Mons. Georg Ratzinger e sempre mantiveram relação de proximidade.

 O núncio apostólico na Alemanha, D. Nikola Eterović, também se quis encontrar com Bento XVI, Papa que serviu como secretário-geral do Sínodo dos Bispos.

 

VATICANO:

«Não cantem vitória antes do tempo»,

pede o Papa a populações em desconfinamento

 

O Papa apelou em 7 de junho à calma, nos países que vivem fases de desconfinamento no combate à pandemia de Covid-19, e recordou a situação “terrível” que se vive ainda noutras nações.

“Muita atenção, não cantem já vitória, não cantem vitória antes do tempo”, disse aos peregrinos que se reuniram pela segunda semana consecutiva na Praça de São Pedro, para a recitação da oração do ângelus.

 “Continua a ser necessário seguir com cuidado as normas vigentes, porque são normas que nos ajudam a evitar que o vírus ganhe força”, precisou.

“Sempre com as prescrições dadas pelas autoridades”, recomendou ainda.

O Papa destacou que, “infelizmente”, noutros países o vírus está ainda a “fazer muitas vítimas”.

“Na última sexta-feira, só num país [Brasil, ndr], morreu uma pessoa por minuto. Terrível”, observou.

Francisco quis manifestar a sua proximidade a estas populações, aos doentes e seus familiares, e a todos os que cuidam deles.

“Aproximemo-nos deles, com a nossa oração”, pediu, desde a janela do apartamento pontifício.

 

VATICANO:

Papa celebra Missa pelo centenário

do nascimento de São João Paulo II

 

O Papa presidiu esta segunda-feira a uma Missa junto ao túmulo de São João Paulo II, na Basílica de São Pedro, assinalando o nascimento do santo polaco, que o criou cardeal em 2001.

O Papa assina o texto de abertura de uma edição especial do jornal do Vaticano, ‘L’Osservatore Romano’, dedicada a São João Paulo II, pontífice entre 1978 e 2005 – o terceiro pontificado mais longo na história da Igreja Católica.

Karol Jozef Wojtyla nasceu em Wadowice (Polónia), a 18 de maio de 1920; foi eleito Papa a 16 de outubro de 1978, e morreu no Vaticano, a 2 de abril de 2005; Francisco canonizou-o a 27 de abril de 2014, perante mais de um milhão de pessoas.

Em 1938 foi admitido na Universidade Jagieloniana, onde estudou poesia e drama; durante a II Guerra Mundial (1939-1945) esteve numa mina em Zakrzowek, trabalhou na fábrica Solvay e manteve uma intensa atividade ligada ao teatro, antes de começar clandestinamente a sua formação como seminarista, acolhido pelo cardeal de Cracóvia.

Karol Wojtyla foi ordenado sacerdote em 1946, no dia 23 de setembro de 1958 foi ordenado bispo-auxiliar do administrador apostólico de Cracóvia.

Participou no Concílio Vaticano II, onde colaborou ativamente nas comissões responsáveis pela Constituição Dogmática Lumen Gentium e a Constituição Conciliar Gaudium et Spes; a 13 de janeiro de 1964 assume a sede episcopal de Cracóvia e, dois anos depois, o Papa Paulo VI eleva a diocese a arquidiocese cria Karol Wojtyla cardeal, aos 47 anos, em maio de 1967.

O cardeal Wojtyla foi eleito Papa no dia 15 de outubro de 1978, o primeiro pontífice não-italiano desde 1522.

 “Entre os muitos frutos mais significativos deixados em herança à Igreja, destaca-se o seu riquíssimo Magistério e a promulgação do Catecismo da Igreja Católica e do Código de Direito Canónico para a Igreja latina e oriental”, pode ler-se.

Entre os seus principais documentos, contam-se 14 encíclicas, 15 exortações apostólicas, 11 constituições apostólicas e 45 cartas apostólicas.

João Paulo II realizou 104 viagens apostólicas fora da Itália, a que se juntam 146 nesse país em 26 anos e meio de pontificado; visitou 129 países diferentes e mais de mil cidades, num total de quase 1300 quilómetros percorridos.

O santo polaco passou por Portugal em 1982, 1991 e 2000 – além de uma escala técnica no Aeroporto de Lisboa (2 de março de 1983), a caminho da América Central.

 

VATICANO:

Católicos são cada vez mais no mundo,

número de sacerdotes diminui

         

Cidade do Vaticano, 07 mar 2019 (Ecclesia) – Os novos dados estatísticos sobre a Igreja Católica, divulgados hoje pelo Vaticano, mostram que em 2017 o número de católicos aumentou 1,1% face ao ano anterior.

Em sentido contrário, regista-se uma queda no número de padres e candidatos ao sacerdócio diminuem.

Em 2017, os católicos batizados eram 1313 milhões, ou seja, 17,7% da população mundial; o crescimento é particularmente visível na África e Ásia, respectivamente 2,5% e 1,5%; a Europa tem uma variação quase nula, 0,1 %.

Os dados do ‘Annuarium Statisticum Ecclesiae’ 2017 são recolhidos pelo Departamento Central de Estatística da Igreja, que elabora também o Anuário Pontifício 2019.

Os católicos estão distribuídos da seguinte forma, por continente: 48,5% na América; 21,8% na Europa; 17,8% na África; 11,1% na Ásia; e 0,8% na Oceânia.

A partir da comparação com 2016, destaca-se, “pela primeira vez desde 2010”, a diminuição do número de sacerdotes, ainda que a quebra seja de 0,1%: de 414 969 para 414 582; já os seminaristas passaram de 116 160 a 115 328, um decréscimo de 0,7%.

 

VATICANO:

O Papa convida, na mensagem para o Dia Mundial dos Pobres, a

 «estender a mão» como «condição de autenticidade da fé»

 

O Papa Francisco publicou a mensagem escrita para o IV Dia Mundial dos Pobres, onde afirmou que o imperativo «Estende a tua mão ao pobre» é “condição da autenticidade da fé” professada.

“Manter o olhar voltado para o pobre é difícil, mas tão necessário para imprimir a justa direção à nossa vida pessoal e social. Não se trata de gastar muitas palavras, mas antes de comprometer concretamente a vida, impelidos pela caridade divina. Todos os anos, com o Dia Mundial dos Pobres, volto a esta realidade fundamental para a vida da Igreja, porque os pobres estão e sempre estarão connosco para nos ajudar a acolher a companhia de Cristo na existência do dia a dia”, escreveu Francisco numa mensagem divulgada hoje pela Sala de Imprensa da Santa Sé.

«Não fujas dos que choram», «Estende a tua mão ao pobre», «não sejas preguiçoso em visitar um doente», são ações retiradas do livro de Ben-Sirá, que inspira a mensagem, e que colocam em confronto as atitudes que a pandemia do Covid-149 retiraram.

“Não se pode sufocar a força da graça de Deus pela tendência narcisista de se colocar sempre a si mesmo no primeiro lugar”, sublinha.

O Papa Francisco chama a atenção para o contraste entre o “estender a mão ao pobre”, e o que “conserva as mãos nos bolsos e não se deixa comover pela pobreza, da qual frequentemente é cúmplice”.

 

VATICANO:

Sem idosos não há futuro, alerta o Papa

 

O Papa associou-se em 16 de junho no Dia Mundial de Consciencialização da Violência Contra a Pessoa Idosa, recordando o impacto da pandemia na população mais velha.

“A pandemia da #COVID19 mostrou que as nossas sociedades não estão organizadas o suficiente para dar lugar aos idosos, com justo respeito pela sua dignidade e fragilidade.

Onde não há cuidado com os idosos, não há futuro para os jovens”, escreveu Francisco, na sua conta da rede social Twitter.

Este ano, as Nações Unidas destacam a necessidade de proteger os idosos durante e depois da pandemia.

 

VATICANO:

apresentou novo Diretório para a Catequese

 O Vaticano apresentou em 25 de junho o novo Diretório para a Catequese, redigido pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização (CPPNE).

O documento foi apresentado, em conferência de imprensa, pelo presidente do CPPNE, D. Rino Fisichella; o secretário do mesmo organismo, mons. Octavio Ruiz Arenas; e o delegado para a Catequese do CPPNE, mons. Franz-Peter Tebartz-van Elst.

O documento vinha sendo trabalhado há vários anos, como explicou D. Rino Fisichella, em 2019, numa passagem por Portugal.

“O novo documento para a catequese da Igreja dará atenção particular a muitas das temáticas da sociedade atual que se relacionam com setor da educação cristã, como a cultura digital, a formação de catequistas, a pastoral que é feita em tantos ambientes ou a catequese para pessoas portadoras de deficiência”, afirmou o prelado, em declarações ao jornal ‘Folha de Domingo’, da Diocese do Algarve.

O presidente do CPPNE destacava a necessidade de o documento refletir a dimensão da nova evangelização e ser lido a partir desta: “Certamente ajudará a compreender que o grande esforço pastoral é aquele que deriva da formação. O novo diretório será estudado e concebido à luz, não da dimensão sacramental, mas da nova evangelização”.

Desde janeiro de 2013, por decisão de Bento XVI, o setor da catequese, na Santa Sé, passou para a competência do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, saindo da esfera da Congregação do Clero.

Numa conferência que proferiu aos padres das dioceses portuguesas do sul, D. Rino Fisichella convidou a “sair do túnel, em que, ao longo de algumas décadas, a catequese foi pensada apenas em vista dos sacramentos” procurando “consentir o amadurecimento da fé em relação com as condições de vida do crente”.

 

VATICANO:

Dia de oração pelo clero adverte

para «défice de intimidade» dos sacerdotes

 

A Congregação para o Clero (Santa Sé) lançou uma reflexão para o Dia de Oração pela Santificação dos sacerdotes (19 de junho), alertando para um “défice de intimidade” na vida dos padres católicos.

“O que representa um alto potencial de risco na vida do padre é aquilo a que se chamou ‘défice de intimidade’. Todo o estado de vida, para ser integralmente abraçado e protegido de incursões ameaçadoras, deve cultivar uma especial ‘relação íntima’ que lhe valorize as possibilidades e lhe diminua os riscos: para um sacerdote, trata-se da amizade pessoal e quotidiana com o Senhor”, refere o texto, divulgado em Portugal pela Comissão Episcopal das Vocações e Ministérios.

O dia de oração pela santificação do clero é celebrado todos os anos na Solenidade do Coração de Jesus.

A celebração de 2020 tem como ponto de partida uma carta enviada a 4 de agosto de 2019 pelo Papa Francisco aos padres de todo o mundo, no 160.º aniversário da morte do Santo Cura d’Ars, padroeiro dos párocos católicos.

Num texto com cerca de 10 páginas, o Papa destaca a importância da vocação sacerdotal, com gratidão e respeito pelos compromissos assumidos, “com Jesus e com o povo”.

“No âmbito psiquiátrico e psicoterapêutico acerca de alguns problemas de natureza moral e afetiva da vida dos padres, a vitalidade e o cuidado desta relação espiritual com Deus, juntamente com o desenvolvimento de uma boa maturidade humana e de sãs relações interpessoais, constitui o melhor ambiente para o cuidado do celibato sacerdotal e da espiritualidade presbiteral”, refere a nota do Congregação para o Clero.

O organismo da Santa Sé destaca que o “défice de intimidade não é senão a aridez da vida espiritual”.

“O padre que já não reza com fidelidade e que descura os elementos estruturantes da sua relação de intimidade com o Senhor acumula um ‘défice’ perigoso, que pode gerar sentimento de vazio, perceção de frustração e insatisfação, dificuldade na gestão da solidão, das necessidades e dos afetos”, pode ler-se.

A nota propõe cinco palavras para o Dia de Santificação do Clero, tiradas da carta do Papa Francisco: um coração agradecido, misericordioso, compassivo, vigilante e corajoso.

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial